Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007
Um país soberano e independente que gasta uns euros a fazer funcionar a diplomacia tem de se dar ao respeito. Deve prosseguir os seus interesses e mesmo sabendo que a real politik tem os seus incontornáveis mandamentos convém, se se trata de uma país civilizado, ter critérios claros e perceptíveis na sua política externa e no modo como se comporta com os outros Estados. Ninguém espera do Ruanda, do Sudão, ou do Uganda uma postura destas.

Se estivermos perante um país banana, as coisas passam-se assim: “eh pá não recebas esse gajo senão a malta aqui fica muito zangada. Vê lá, nós até aceitámos ir ao Congresso do PS, não nos desiludas agora.”. Nesse caso, o Governo do país banana responde: “eh pá estejam calmos, claro que não recebemos esse gajo por razões óbvias e conhecidas!”.

Dois sorrisos amarelos, um aperto de mão e a coisa está feita. Isto é uma modalidade do país capacho, que anda a toque de caixa. Que não tem dignidade própria, que corre a sopro estrangeiro, atento, venerando e obrigado. Uma vergonha portanto. Assim em abstracto não acredito que o leitor gostasse de exibir a cidadania desse país banana, muito menos espera que lhe esteja a falar de um país europeu e civilizado.

Mas se pusermos nomes a este episódio em abstracto descobriremos que poderíamos estar a falar de Portugal, do Presidente da República português, do Governo português, do Dalai Lama e da China. Presidente da República e Governo não recebem o Dalai Lama. E a própria Assembleia da República, que a princípio parecia ter um módico de compostura e civilidade, decidiu receber o Dalai Lama a título particular na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros.

Primeiro, ficámos a saber que um órgão de soberania tem actividades particulares. Eu, que pensava que no Parlamento só sucediam actos oficiais. Sempre a aprender. Depois, conclui-se que o próprio Parlamento sede da representação nacional, não nos representa tanto assim quanto seria expectável. Faz lembrar o caricato episódio de 2001, em que Jorge Sampaio, então Presidente da República, não recebeu o Dalai Lama, mas fez-se encontrar com ele no Museu Nacional de Arte Antiga. Assim do género míudo envergonhado com medo de ser apanhado a meter o dedo na mousse de chocolate.

Independentemente das ironias, importa afirmar claramente que a atitude dos órgãos de soberania portugueses é deplorável. Inúmeros políticos de Estados de todo o mundo, que têm inclusivamente relações políticas e económicas com a China, recebem o Dalai Lama. Sem medo, sem subserviência, sem se sujeitarem ao mandarinato diplomático. Os líderes portugueses não. E não o fazem, é preciso dizê-lo, por uma simples razão: porque não têm envergadura para exercer as funções que exercem. Representar um Estado digno exige um pouco mais que esperteza de agenda ou método de conquista de votos. Os nossos líderes são bons nisso. A representar o Estado é que deixam muito a desejar. Uma pena.

À chegada, o Dalai Lama desvaneceu a polémica com um sorriso e disse que não vinha para embaraçar. Mais se acentua o embaraço das instituições portugueses pela forma como se comportaram.
(publicado na edição de hoje do Semanário)


publicado por Jorge Ferreira às 10:09 | link do post | comentar

1 comentário:
De José Mexia a 14 de Setembro de 2007 às 16:23
O MNE alemão confirmou hoje que Angela Merkel vai receber o Dalai Lama no próximo mês.
Palavras para quê?

Abraços.


Comentar post

JORGE FERREIRA
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags