Sexta-feira, 8 de Maio de 2009

 

O improvável aconteceu. Graças a algumas equívocas palavras de Cavaco Silva e a alguns comentadores de ocasião, como Jorge Sampaio, o tema mais improvável de todos nestes tempos de crise e eleições em que vivemos, a reedição de um bloco central, voltou à agenda do debate público.
 
A política em democracia convoca a diferença. Pressupõe a concorrência de ideias e de propostas a sufragar pelos eleitores. Essa parte tem um lado desagradável. Às vezes, as pessoas excitam-se e dizem coisas no ardor do combate que descredibilizam os próprios mas por arrasto, a própria democracia. O bloco central é vermos Manuel Pinho e Paulo Rangel a comer farinha Maizena do mesmo prato. Improvável? Nem tanto, nem tanto, como adiante veremos…
 
Esta lógica de concorrência ideológica e política ainda se torna mais necessária em tempos de crise. Apenas em situações de emergência nacional, como uma catástrofe natural devastadora ou um estado de guerra e de ameaça à independência nacional se deve admitir em democracia uma situação de união nacional partidária.
 
Existem duas modalidades de bloco central: o partidário e o político. O partidário consiste numa coligação governamental entre o PS e o PSD. O político é o sistema em que temos vivido nos últimos anos, em que PS e PSD repartem entre si, independentemente de estarem no Governo ou na oposição os lugares da administração e das empresas do Estado. Em bloco central, na versão clientelar temos nós vivido.
 
Nesse sentido, é falso o argumento de que o bloco central partidário traria como consequência uma repartição entre os dois partidos dos lugares de nomeação na administração e nas empresas do Estado. Porque já hoje é assim e, todavia, desde 1985 que não temos bloco central partidário… Digamos que com este seria ainda mais descarada a ocupação.
 
O debate sobre a constituição de um bloco central beneficia sempre o partido que está na mó de cima, neste caso o PS. Não é inocentemente que têm surgido declarações de apoio a essa solução. Elas visam em última instância transmitir aos eleitores a mensagem de que podem votar à vontade no PS porque a estabilidade está sempre assegurada. E, desta forma, tentar alcançar a improvável reedição da maioria absoluta de Sócrates. Pacheco Pereira percebe isto muito bem e por isso tem escrito tanto sobre o assunto, tentando desmontar a estratégia que está por detrás deste súbito debate.
 
O problema é que em democracia não há garantias absolutas. Eu até concedo que seja impossível um bloco central entre José Sócrates e Manuela Ferreira leite, como Pedro Santana Lopes afirmou esta semana. Mas todos sabemos que no PSD o mais fácil, quando cheira a poder, é apear o obstáculo. Se o PS ganhar as eleições com maioria relativa e Cavaco Silva e demais forças de bloqueio da renovação da República quiserem um bloco central, será Manuela Ferreira Leite o elo mais fraco.
 
Nessa circunstância, Manuela Ferreira Leite será substituída como líder do PSD, sem apelo nem agravo. E virá outro salvador que, em nome do sacrossanto interesse nacional e da estabilidade governativa, cometerá o pecado da gula política e se apresentará disposto a comer a farinha do mesmo prato que o PS.
 
O principal argumento em defesa do bloco central no caso do PS não ter maioria absoluta é o de que a crise vai exigir medidas muito impopulares que exigem uma grande base política de apoio. E costuma dar-se como exemplo o Orçamento de Estado para 2010, supostamente o mais brutal do ciclo da crise, com o pico de falências e desemprego. Também é um argumento falso. Nem PS nem PSD tomaram no passado ou tomarão no futuro as medidas verdadeiramente impopulares que uma resposta eficaz e duradoura à crise exige. Ambos aumentam a despesa pública, ambos combatem o défice pelo lado da receita, ambos aumentam impostos depois de prometer o contrário, ambos têm a mesma concepção do Estado. O passado de ambos garante-nos que estamos livres de reformas a sério. Governem juntos ou separados. O grande problema de governarem juntos é apenas a legitimação política e institucional do bloco central de interesses em que convivem juntos há muitos anos. Sinistro.

 

(publicado na edição de hoje do Semanário)



publicado por Jorge Ferreira às 13:18 | link do post | comentar

JORGE FERREIRA
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags