Segunda-feira, 27.07.09

A Fenprof disse hoje esperar um início de ano lectivo "conturbado", marcado por "muita contestação" e trabalho por uma "revisão séria" do Estatuto da Carreira Docente. Por outras palavras: o PCP prepara as eleições através da agitação e da instabilidade das escolas logo no início do ano lectivo.



publicado por Jorge Ferreira às 19:33 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 13.03.09

"Na verdade, a grande maioria dos que estão em protesto contra o desemprego e contra a precariedade, são aqueles que não tem que se preocupar. Basta-lhes gritar e ameaçar que, com certeza, haverá sempre um contribuinte disponível para ser ainda mais esfolado na satisfação das pretensões dos exuberantes excursionistas. Na verdade é fácil compreender a diferença entre os manifestantes e os outros. Estes passeiam-se numa belíssima tarde de sol em Lisboa. Os outros são os que estão a trabalhar para lhes suportar as excursões."

jcd, no Blasfémias.



publicado por Jorge Ferreira às 16:04 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 08.03.09

Alguns comentários à minha entrada de ontem sobre as declarações do Provedor das Carreiras dos professores, sobre a possibilidade de uma greve às avaliações dos alunos no terceiro período, suscitaram a questão de que não existem greves sem prejuízo. Bem sei. Achei por isso conveniente recordar o que penso sobre o assunto. Está aqui.



publicado por Jorge Ferreira às 12:55 | link do post | comentar

Sábado, 07.03.09

O Provedor de Carreira dos professores ameaçou hoje que os sindicatos admitem chegar à greve das avaliações dos alunos. No conflito que mantêm com o ministério da Educação por causa de vários aspectos das suas carreiras, os sindicalistas admitem chegar ao ponto de prejudicar milhares e milhares de alunos por causa de um conflito corporativo. Estão,assim, prontos para chegar aos limites do absurdo.



publicado por Jorge Ferreira às 19:21 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Terça-feira, 10.02.09

O comandante Vicente Moura vai presidir ao Comité Olímpico de Portugal até 2012, uma vez que lidera a única lista concorrente ao acto eleitoral previsto para Março. O COP é a CGTP do desporto. E Carvalho da Silva é o Vicente Moura do sindicalismo.



publicado por Jorge Ferreira às 18:11 | link do post | comentar

Sexta-feira, 23.01.09

Aprende-se em Direito que não existem direitos absolutos, isto é, direitos que os seus titulares possam exercer em superioridade relativamente aos demais direitos das outras pessoas. Aprende-se até que quando dois direitos de igual força chocam entre si, a chamada “colisão de direitos”, ambos terão de ceder na medida do possível e do necessário à salvaguarda do essencial de cada um. Bem sei que isto parece uma espécie de geometria ou, no máximo, uma filosofia dificilmente praticável na vida quotidiana.

 

Atalhemos razões: isto que se ensina é mentira. É que na verdade existe, sim, um direito absoluto, aliás previsto e consagrado no momento revolucionário na Constituição. É o direito à greve. A Constituição diz que compete exclusivamente aos trabalhadores definir o âmbito e o interesse a prosseguir pela greve, não podendo a lei delimitar esse âmbito, o que torna inconstitucional qualquer lei que venha tipificar situações em que a greve deixe de ser legal. É por isso que já foi possível ouvir o “professor do ano 2008”, Arsélio Martins, explicar que fazia greve porque era contra Sócrates e contra as políticas do Sócrates. Se toda a gente que partilha a posição do dito professor sobre Sócrates e as políticas de Sócrates decidisse fazer greve por essa razão, então poderíamos dizer definitivamente que Portugal se tornara a única experiência de anarquia política do mundo.

 

Mais: é vulgar ver-se grevistas fecharem a cadeado instalações públicas, impedindo que quem quer trabalhar seja forçado a fazer greve. Ainda esta semana voltámos a ver esse espectáculo revolucionário na greve dos professores. Esta flagrante ilegalidade beneficia da complacência do Estado, que assim viola direitos fundamentais dos cidadãos que não aderem às greves e não assegura, através do exercício legítimo da autoridade pública, a plenitude do Estado de Direito. Mas não é de estranhar. Em Portugal todos os pretextos são bons para não trabalhar e a aplicação da lei tem dias.

 

Em Portugal pode parar-se uma escola, uma empresa, um serviço e impedir os outros de trabalhar porque o Sol está muito escaldante ou o porque o aquecimento global nos traiu indecentemente na temporada 2008-2009. Tudo o menos é puramente inconstitucional. Isto é um abuso da lei que agrada aos sindicatos, que se acham acima de toda a gente, numa atitude arrogantemente anti-democrática, mas que cada vez mais se torna insuportável pelos cidadãos em geral. Convinha que os professores percebessem isto enquanto é tempo. Os professores, já que os sindicalistas dos professores, que aliás já não dão aulas há muitos anos, “estão lá” por outras razões.

 

(publicado na edição de hoje do Democracia Liberal)

 



publicado por Jorge Ferreira às 00:13 | link do post | comentar

Segunda-feira, 19.01.09

O Filipe Tourais pergunta-me em que dias em que as greves parecem bem. Respondo-lhe amavelmente, na proporção da amabilidade com que foi feita a pergunta. Depende. Há greves que parecem sempre bem independentemente do dia da semana. Há greves que parecem sempre mal independentemente do dia da semana. Uma coisa é certa: dado que as adesões dos trabalhadores às greves já não são o que eram, os sindicatos começaram a tentar aliciar os trabalhadores para as greves convocando-as para dias contíguos aos fins de semana. É um oportunismo sindical, que diz sobretudo da fraca convicção sindical no seu poder de mobilização.



publicado por Jorge Ferreira às 22:06 | link do post | comentar

A ideia de que devem existir serviços mínimos nas greves de professores é da maior pertinência. Só uma ideia meramente partidária da greve pode desprezar tanto direitos elementares dos outros cidadãos. Bem sei que é essa a ideia da FENPROF. Mas esse é um problema da FENPROF. Não é legítimo que os professores atropelem os direitos dos outros, designadamente dos alunos e das famílias em nome de meras questões corporativas.



publicado por Jorge Ferreira às 20:11 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Hoje, segunda-feira, os professores estão em pleno fim de semana prolongado. Nalguns casos, que eu conheço, fins de semana de quatro dias, assim a modos que umas semi-férias, visto que houve professores a meter baixa na sexta-feira passada. Um verdadeiro achado sindical.



publicado por Jorge Ferreira às 15:18 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16.01.09

Para os professores que decidirem fazer mais uma greve na próxima segunda-feira, que foi para o dia em que foi cirurgicamente marcada para aumentar as audiências, perdão, as adesões.



publicado por Jorge Ferreira às 12:41 | link do post | comentar

Sexta-feira, 26.12.08

É dos livros que em momentos de crise aumenta a conflitualidade laboral. Exercendo o direito à greve previsto na Constituição e nas leis, os trabalhadores, sobretudo os sindicalizados reivindicam, protestam, exigem. E como a lei diz que compete aos trabalhadores definir o âmbito das greves é livre a escolha da razão das greves.

 

Mas há uma espécie de greves que me repugnam especialmente: aquelas greves que são feitas em momentos especialmente penalizadores para o comum dos cidadãos, ou que são anunciadas para momentos especialmente penalizadores para os cidadãos. É o caso das greves marcadas, por exemplo, para o período do Natal. A maior parte da vezes elas são anunciadas para essa altura para que, os decisores, pressionados por essa circunstância, cedam mais facilmente às pretensões dos reivindicantes.

 

Temos dois casos recentes desta chantagem sindical. A greve da TAP, que acabou por ser desmarcada e que Fernando Pinto apelidou e bem de “terrorismo sindical”, visto que estava marcada mesmo para o dia de Natal, com as gravosas consequências para milhares de passageiros que são facilmente imagináveis e a greve dos trabalhadores da limpeza urbana da Câmara Municipal de Lisboa, em processo em tudo idêntico ao da greve da TAP.

 

A greve do lixo, como lhe chamam na gíria os lisboetas, tem uma razão muito estranha: é contra a eventual privatização desses serviços municipais. O sindicato não sabe nem trata de saber se os lisboetas terão melhores serviços de limpeza com a privatização, mais eficientes, mais económicos, de maior qualidade. Nem querem saber.

Entretanto, em Aveiro, os trabalhadores da MoveAveiro, a empresa municipal de transportes, encaram a possibilidade de encetar formas de luta contra o anúncio do processo de privatização da empresa, defendida pela Câmara de Aveiro.

Greves, manifestações e concentrações (e já agora abaixo-assinados, sugiro eu, essa novíssima forma de luta sindical redescoberta pelos sindicatos dos professores) junto à Câmara de Aveiro, são as formas de luta que os trabalhadores da MoveAveiro prometem realizar em breve, se uma reunião urgente que foi pedida ao presidente da empresa, o vereador Pedro Ferreira, não desfizer dúvidas sobre o processo de privatização da empresa.

O Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local fez mesmo um comunicado para que não restassem dúvidas, condenando o anúncio do processo privatizador da empresa.

Ora estes dois casos mostram bem a subversão do sindicalismo. Privatizar empresas ou nacionalizá-las são decisões políticas a julgar pelos eleitores quando votam. Não são matéria do foro sindical. No fundo, ao pronunciarem-se sistematicamente contra a propriedade privada o que os sindicatos estão a dizer é que não aceitam a possibilidade de deixar de ter o emprego garantido para os seus filiados até à morte. São contra a concorrência, são contra o mérito, são contra o mérito como critério de gestão, são pelo imobilismo, são pelo estatismo. Tudo o que a história já demonstrou que conduz à miséria e à regressão social, ao contrário do que julgam esses militantes sindicais.

Estas posições meramente ideológicas dos sindicatos não se fundam, de resto em dados, em elementos de análise, em argumentos que demonstrem que a comunidade tem a perder com a privatização. Não passam disso mesmo, de um mero preconceito ideológico. Os clientes desses serviços serão melhor ou pior servidos com a privatização? Não sabem, nem sequer lhes interessa. Tudo o que ponha em causa o marasmo e o status quo eles rejeitarão sempre.

(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)

 



publicado por Jorge Ferreira às 00:04 | link do post | comentar

Terça-feira, 23.12.08

À medida que a insegura ministra da Educação vai esvaziando o sistema de avaliação de conteúdo e consequências, os sindicatos, achando mole, carregam e dizem sempre qye nunca chega. Sempre considerei o Governo Sócrates uma ficção de firmeza. Vê-se. E o Governo aprenderá à sua custa que atibieza não compensa. A malta do PC já lhe topou o fraco e não quer outra vida.



publicado por Jorge Ferreira às 16:31 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 21.12.08

Sendo assim, com 60 mil assinaturas, devia chamar-se acima assinado. Mais uma vez os professores falam contra e não a favor. Contra tudo. Porque qualquer coisa que seja põe em causa a carreira tal como está. Mais uma vez, ainda e sempre eles, eles, e eles.



publicado por Jorge Ferreira às 12:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 20.12.08

"Os sindicatos de professores não queriam a avaliação “entre pares”, por supostamente causar danos irreparáveis ao ambiente de trabalho nas escolas, entre “colegas”. Mas, ao mesmo tempo, exigem a “revisão” do Estatuto da Carreira Docente e o fim da figura do “professor titular” - essencial para que a avaliação pudesse não ser “entre pares” mas sim entre categorias hierarquicamente distintas de docentes."

Miguel Cabrita, n' O País Relativo.



publicado por Jorge Ferreira às 00:07 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.12.08

Através de alíneas, lateralidades e simplificações, o Governo lá vai cedendo, cedendo, cedendo aos professores. Que, evidentemente virão dizer que não, não houve cedencias nenhumas e que a escola pública e tal, e tal, e tal, mais umas grevezitas lá para Janeiro e viva Portugal.



publicado por Jorge Ferreira às 17:48 | link do post | comentar

Segunda-feira, 15.12.08

Não às categorias. Não à diferenciação. Não à avaliação. Não a nada. Todos iguais a todos, a metro, todos muito bons, todos excelentes. Estes sindicalistas da educação começam a tornar-se uma fonte de irritação nacional. O que eles querem é uma avaliação à Alberto João Jardim: na Madeira todos os professores são bons. Mais irritante ainda é ter de passar por defensor objectivo deste Governo por força desta política de terra queimada na educação que o ex-candidato da CDU Mário Nogueira anda a desenvolver, mascarada de sindicalismo. Se eles estão pessimistas já é um bom sinal.



publicado por Jorge Ferreira às 16:58 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Quinta-feira, 11.12.08

A reunião de hoje foi para nada. Ministério e sindicatos continuam em desacordo e, palpita-me, assim continuará a ser. O Governo, bem ou mal, com erros e desvios quer que os professores sejam avaliados. Os sindicatos querem tudo menos avaliação. Este desacordo já é uma luta política que instrumentaliza a escola para fins de política geral.



publicado por Jorge Ferreira às 21:01 | link do post | comentar

Quarta-feira, 10.12.08

Mário diz que José é que discorda sempre. José poderá dizer que Mário tem discordado sempre. São um belo par de empatas estes Mário e José. Que fizémos nós para merecer isto?



publicado por Jorge Ferreira às 13:36 | link do post | comentar

Terça-feira, 09.12.08

O Ministério da Educação (ME) convocou as 11 organizações da plataforma sindical dos professores para uma reunião a realizar amanhã, antecipando assim o encontro agendado para dia 15. Atenta a declaração de guerra de Mário Nogueira, o sindicalista que não dá aulas há muitos anos, é de prever que a Av. 5 de Outubro registe várias movimentações militares. O que já não é de prever é que todos os intervenientes nesta luta política tenham o bom senso de pôr um ponto final nesta cegada que já enjoa o país e de se concentrarem no essencial que é ensinar os alunos. Bem, mal ou assim-assim, conforme possam e Deus lhes permita, mas ensinar.



publicado por Jorge Ferreira às 19:18 | link do post | comentar

Sábado, 06.12.08

Mário Nogueira, o professor sindicalista que já não dá aulas há muitos anos (quantos serão?...), disse hoje em Coimbra que se o Ministério da Educação "quiser guerra, vai ter guerra". Ora esta declaração belicista da nova vedeta da CGTP, porventura embalado pelos elogios revolucionários do camarada Carvalho da Silva para lhe suceder como líder da CGTP, raia o absurdo e o inadmissível. O sindicalista já perdeu o norte e faz a luta sindical pela luta sindical, esquecendo os interesses de fundo que são superiores à sua vaidade sindical e mediática. Está a exigir seriedade e boa fé ao ministério, esquecendo que assinou um contrato com esse mesmo ministério com falta de seriedade e de boa fé, visto que não o cumpriu, nem, em bom rigor, alguma vez o quis cumprir. Prometeu alternativas que nunca apresentou, o que significa que faz uma luta sindical com reserva mental porque o que verdadeiramente persegue é o objectivo de não haver avaliação alguma, que não o simulacro de avaliação que hoje existe. Agora diz que está pronto para a guerra. Acho melhor emprestarem-lhe uma quadriga de um museu, mascararem-no de legionário e porem-no a galgar a planície alentejana (sempre é mais plana e não tão atreita a acidentes de relevo) a combater uns gauleses figurantes que certamente com as televisões por perto, não serão difíceis de contratar (até podem ser os figurantes das apresentações do Magalhães). Está na altura de dizer ao Sr. Mário para desamparar a loja e parar de causar mais dano ao já de si danoso sistema de ensino português. É que já não há pachorra, Sr. Mário! Ao princípio esta contenda parecia uma versão política do jogo da bolha que vai combatendo a crise nos bolsos de muitos portugueses por esse país fora. Agora, o que parece é uma coisa muito feia de que nem digo o nome.



publicado por Jorge Ferreira às 15:39 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Sexta-feira, 05.12.08

O jogo da bolha continua. Com a ministra a recuar tanto que qualquer dia espatifa-se nas traseiras do ministério lá do alto andar onde gabineta, os sindicatos perceberam e agora vai ser um fartote. O ensino, esse pobre coitado, continua, segundo as últimas notícias que tenho recebido, exactamente na mesma.



publicado por Jorge Ferreira às 20:28 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 03.12.08

O conflito entre o Ministério da Educação e os professores é o jogo da bolha política. Vamos ver, quando rebentar, quem é que fica a arder com o dinheiro, perdão, com os votos. Uma coisa é certa para mim: os sindicatos dos professores não querem mais nenhuma avaliação senão o simulacro de avaliação que tem existido ao longo dos anos. Por isso, vão sempre adiando as célebres alternativas, vão sempre fugindo a apresentar o seu modelo, vão desrespeitando os acordos que vão fazendo aqui e ali com o Governo. Aliás, não é por acaso que o assunto menos discutido neste conflito é o próprio modelo de avaliação. Porque este é apenas um pretexto para um jogo político mais vasto e telúrico no qual participam, como membros da bolha, a CGTP, o PCP, por via da CGTP, o PS por intermédio do Governo e, veremos, mais dia menos dia, até o Presidente da República. Sim, em Belém, há muita assessoria que comenta os desaforos da maioria ao Presidente com um velho ditado popular: "cá se fazem, cá se pagam". E Belém já teve de engolir a cooperação por duas vezes, com a lei do divórcio e com o Estatuto dos Açores. Ora, em política não há conflitos grátis. No meio disto tudo, os jovens alunos que o sistema de ensino do qual fazem parte os professores não sabe ensinar foram hoje para as escolas e muitos ali ficaram abandonados por não saberem de véspera se os respectivos professores iam ou não dar aulas. Uma tristeza de país.



publicado por Jorge Ferreira às 15:07 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 25.11.08

Começa hoje o Congresso do PCP. A partir de hoje e até sexta-feira, os professores voltam a sair às ruas, em protesto contra o modelo de avaliação de desempenho, em mais uma acção de contestação promovida pela plataforma sindical de docentes. Para cada dia desta semana estão marcadas concentrações em capitais de distrito, a partir do final da tarde. Hoje, é a vez do Norte, com protestos em Braga, Bragança, Porto, Vila Real e Viana do Castelo. Segue-se o Centro, Grande Lisboa e Sul. No fim de semana, o Congresso recolhe ao Pavilhão, para tratar dos assuntos que o Comité Central já tratou e para escolher os novos dirigentes que o Comité Central já escolheu. Um extâse partidário.
 



publicado por Jorge Ferreira às 10:25 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.11.08

A Frente Comum dos sindicatos da Administração Pública realiza hoje uma manifestação nacional contra os aumentos salariais de 2,9 por cento para 2009 na Função Pública propostos pelo Governo. Virão camionetas de todo o país com militantes sindicais. "Lisbon on week-end", ou um fim de semana prolongado para servir de estágio aos de 1 e 8 de Dezembro. Descansar também cansa, e não há nada como habituar o corpo ao recato.
 



publicado por Jorge Ferreira às 13:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 12.11.08

O Governo já atirou os efeitos da avaliação dos professores para a próxima legislatura. Percebeu que podia vir bernarda eleitoral e tratou de livrar-se dela. Os sindicatos não querem discutir modelo nenhum, por isso mandam às malvas o memorando de entendimento de Março: eles não querem avaliação ponto final. O país assiste a um dos mais lamentáveis jogos de máscaras de que há memória.



publicado por Jorge Ferreira às 19:57 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 30.08.08

Parece que os sindicatos da CGTP, que tanto proclamam a defesa dos interesses dos trabalhadores, cobram uma espécie de dízima sindical, assim como que uma espécie de "imposto de luta", aos trabalhadores que recebem indemnizações em resultado de processos de falência de empresas. Eis uma nova forma de exploração dos trabalhadores. Mas desta vez não são os tenebrosos capitalistas a fazê-la, mas sim os gloriosos sindicalistas.



publicado por Jorge Ferreira às 18:01 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quinta-feira, 26.06.08

António Almeida desmonta bem a relevancia das alterações prometidas do Código do Trabalho. A verdade é que apesar da contestação da extrema-esquerda as alterações não tocam no essencial dos estrangulamentos da legislação de trabalho. Uma das coisas que não percebo, aliás, é por que razão não se considera a UGT como o braço sindical de serviço do PS, da mesma forma como se considera e bem a CGTP como o braço sindical do PCP.



publicado por Jorge Ferreira às 16:27 | link do post | comentar

Quarta-feira, 25.06.08

Primeira vidência: Vieira da Silva será ministro do Trabalho durante muito mais tempo?

Segunda vidência: João Proença será secretário-geral da UGT durante muito mais tempo?


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 15:55 | link do post | comentar

Os patrões, como a comunicação social elegante gosta de dizer e a UGT chegaram a um acordo para a revisão do Código de Trabalho com o Governo. Quando estava na oposição o PS prometeu repôr a legislação de trabalho como estaca antes do Código do Trabalho. Como é timbre do PS a promessa foi abandonada. O PCP, desculpem, a CGTP abandonou a reunião por estar contra as alterações, o que significa que daqui a uns anos estará a defender estas alterações, no dia (chegará?) em que um Governo decente quiser fazer da lei do trabalho uma lei ao serviço da economia e do desenvolvimento do país. Quanto ao mais, tudo espremido, as alterações são ridículas do ponto de vista das necessidades. Não passam de um disfarce legislativo das necessidades do país.



publicado por Jorge Ferreira às 15:00 | link do post | comentar

Segunda-feira, 09.06.08

O protesto de hoje dos camionistas não tem recebido o apoio generalizado da classe e muitos dos veículos pesados são obrigados a parar junto às bermas das estradas e no interior das empresas contra a vontade dos seus motoristas. Sem questionar o direito à manifestação dos camionistas, entendo que o Estado não pode ser cúmplice do impedimento do exercício da liberdade de circulação relativamente aos camionistas que não querem participar no protesto. Da mesma forma que não entendo como é que o Estado tolera o abuso de poder praticado recorrentemente pelos tenebrosos piquetes de greve, que mais não fazem do que impedir ilegitimamente o exercício do direito ao trabalho pelos trabalhadores que não querem fazer greve. Defendo mesmo que a lei seja alterada e se acabe com estes piquetes. Como? Revogando o artigo 594º do Código do Trabalho.
 

 

(publicado no Camara de Comuns)



publicado por Jorge Ferreira às 18:08 | link do post | comentar

A UGT quer que os trabalhadores não sindicalizados paguem uma taxa aos sindicatos se beneficiarem da contratação colectiva. Bem sei que a vida está difícil para toda a gente, mas esta ideia financeira de filiação sindical indirecta é um absurdo. Ou melhor: não é, se os sindicatos se transformarem em empresas de prestação de serviços e cobrarem aos consumidores dos seus serviços o respectivo preço. Um dos serviços pode ser precisamente a negociação de instrumentos de regulamentação colectiva de trabalho que garantam melhores condições contratuais do que aquelas que os trabalhadores obteriam numa negociação individual.



publicado por Jorge Ferreira às 11:29 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.06.08

José Sócrates, admitiu hoje que não se impressiona com os números da manifestação da CGTP, em Lisboa, contra as alterações ao Código do Trabalho, por discordar dos argumentos. O que me impressiona em José Sócrates é a amnésia. Quando o Código do Trabalho foi aprovado o PS prometeu mudá-lo assim que chegasse ao Governo. Mas prometeu mudá-lo no sentido em que a anterior legislação vigorava. Agora quer mudá-lo mas num sentido que ideologicamente me agrada mais, mas que constitui absolutamente o contrário do que o PS prometeu na oposição.
 



publicado por Jorge Ferreira às 21:05 | link do post | comentar

Parece que a CGTP e os seus sindicatos fretaram dezenas e dezenas de autocarros para transportar manifestantes de todo o país para desfilar na Avenida da Liberdade. Com o preço a que estão os combustíveis e com os protestos que o braço político da CGTP, o PCP, tem feito contra os preços dos combustíveis, não teria sido mais adequado virem todos de comboio?



publicado por Jorge Ferreira às 13:11 | link do post | comentar

Sábado, 12.04.08

Os sindicatos voltaram a mandar no ministério da Educação. Com medo, muito medo, de outra manifestação, Sócrates mandou Maria de Lurdes Rodrigues fazer figuras tristes. Os professores continuarão a ser todos bons, todos intocáveis. O país que se lixe.



publicado por Jorge Ferreira às 15:08 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 19.03.08
Uma greve hoje e amanhã já não é um fim de semana prolongado. São férias. Assim continua o movimento sindical às cavalitas do calendário.


publicado por Jorge Ferreira às 10:36 | link do post | comentar

Quinta-feira, 13.03.08
O próximo, é um fim de semana prolongado para alguns. Começa amanhã.


publicado por Jorge Ferreira às 23:32 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 07.03.08
É de louvar que a polícia esteja preocupada com a segurança das pessoas que se vão manifestar amanhã. Mas as notícias sobre as visitas policiais às escolas deixam-me perplexo: se o objectivo é esse eu gostava de saber se a polícia vai visitar todas as escolas, uma a uma, para fazer as suas contas. Não seria mais fácil perguntar ao PCP e aos seus sindicatos quantas camionetas e com que lotação as Camaras Municipais comunistas alugaram para transportar os manifestantes? Assim poupava-se tempo e combustível aos depauperados cofres policiais.


publicado por Jorge Ferreira às 11:03 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Domingo, 17.02.08
A Intersindical fez um Congresso com o objectivo da renovação. Segundo leio nos relatos a tendencia do PCP perdeu as principais votações e o novo secretário-geral é uma lufada de ar fresco. Ai não? Foi ao contrário? A tendencia do PCP ganhou as principais votações e o secretário-geral é o mesmo há décadas? Viva, então, a renovação! Viva! Viva! Viva!


publicado por Jorge Ferreira às 23:28 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 03.12.07
"Passados três dias já todos se esqueceram da greve, a escolha de uma sexta-feira podendo ser considerada um pouco oportunista acaba por se virar contra os sindicatos, o impacto televisivo fica-se pelos noticiários na noite e passado o fim-de-semana tudo regressa à normalidade. Para a história fica mais uma disputa numérica, com os sindicatos a apontar para números tão irrealistas que dão razão aos do governo."
O Jumento.
Haja alguém na esquerda que saiba pensar...


publicado por Jorge Ferreira às 22:54 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.11.07
( Paraísos na Terra)

Carvalho da Silva, o modernaço líder (não sei se esta fraseologia é lícita lá na casa...) da CGTP, acaba de explicar que a greve de dia 30 calha numa sexta-feira para prejudicar menos a sociedade. Pela minha parte estou muit'agradecido. Afinal, os sindicatos pensam em mim. O que eu havia de descobrir a estas horas da noite! Quem pensa que a greve foi marcada para uma véspera de sábado e não é esta a primeira que calha a uma sexta-feira ou combina com uma ponte, para fomentar a adesão através de umas mini-férias, estava redondamente enganado. Claro.


publicado por Jorge Ferreira às 01:23 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 20.04.07
Ao contrário do que era tradição, os professores sindicalistas da Fenprof que vão ao Congresso da organização não beneficiarão de autorização especial para justificar as faltas na escola com a sua presença em tão emotivo evento sindical. Ouvi agora na rádio um dirigente da Fenprof reconhecer que esse era um tratamento especial de que beneficiavam, protestando pelo facto de ser a primeira vez que tal acontece. Ora bem: há sempre uma primeira vez para tudo na vida, até para começar a respeitar a lei. Assim vai o país. As leis existem apenas à espera que alguém algum dia se lembre que elas existem.


publicado por Jorge Ferreira às 20:06 | link do post | comentar

JORGE FERREIRA

tomarpartido@sapo.pt

visitantes em linha

English version by Google
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30



DESTAQUES




TAMBÉM ESTOU AQUI

Jorge Ferreira

Cria o Teu Crachá

Aveiro
Comunicar a direito
Democracia liberal
Diário de aveiro
Jorge ferreira
O carmo e a trindade
O templário
Terras de mármore
Tv net

O PARTIDO DOS AMIGOS

A cagarra
Alinhavos
Cão com pulgas
Eclético
Faccioso
Ilha da madeira
Fumaças
Mais actual
Meu rumo
Paris
Sobre o tempo que passa
Tubarão


OUTROS PARTIDOS

A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A gota de ran tan plan
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A regra do jogo
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arpão
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blogue real associação de lisboa
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Café Bar James Dean
Café da insónia
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Cegos mudos e surdos
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
Cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Despertar da mente
Direito de opinião
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

É curioso
É tudo gente morta
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estado sentido
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Falta de tempo
Filtragens
Fliscorno
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fúria dos dias

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hic et nunc
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
João Távora
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Largo das alterações
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Maioria simples
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Neorema
Nocturno
Nortadas
Notas formais
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O bom gigante
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Office lounging
Outra Margem
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Patriotas.info
Pau para toda a obra
Pedra aguda
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Revisões
Ricardo.pt
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Small brother
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Tenho dito
Teorias da cidade
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
There is a light never goes out
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

PARTIDOS DOS ALUNOS

Ao sul
As cobaias
Fados e companhia
O cheiro de santarém pela manhã
Platonismo político
Projecto comunicar

PARTIDOS DE ABRANTES

Abranteimas
Rua da sardinha
Torre de menagem

PARTIDOS DO ALGARVE

Mons cicus
Olhão livre
Tavira tem futuro
The best of lagos

PARTIDOS DE AVEIRO

A ilusão da visão
Academia de aveiro
Actas diárias
Amor e ócio
Arestália
Aveiro sempre
Bancada directa
Bancada norte
Blog de sergio loureiro
Botanabateira
Código da vivencia
Cogir
Debaixo dos arcos
Desporto aveiro
Divas e contrabaixos
Estados gerais
Forum azeméis
Já agora
Margem esquerda
Neo-liberalismo
Nós e os outros
Notas de aveiro
Notícias da aldeia
Noticias de ovar
Painéis de aveiro
Pontos soltos
Portal do beira-mar
4linhas
Quotidiano da miséria
7 meses
The sarcastic way
Visto de fora
Vouga

PARTIDOS DE OEIRAS

À rédea solta
Escrever sobre porto salvo
Eu sou o poli­ticopata
Oeiras local
Rememorar oeiras

PARTIDOS DE TOMAR

Alcatruzes da roda
Algures aqui
À descoberta de tomar
Charneca da peralva
Nabantia
Olalhas
Os cavaleiros guardiões de sta. maria do olival
Sondagem tomar
Tomar
Thomar vrbe
Tomar, a cidade
Tomar a dianteira
Vamos por aqui

PARTIDOS DE VILA VIÇOSA

A interpretação do tempo
Infocalipo
O restaurador da independencia
Tasca real

PARTIDOS POÉTICOS

Arrimar
Corte na aldeia
Forja de palavras
Linha de cabotagem (III)
Nimbypolis
O melhor amigo
Ofí­cio diário
Orgasmos dos sentidos

PARTIDOS DAS ÁGUIAS

A águia
A ilíada benfiquista
A mística benfiquista
Amo-te, benfica
Anti-anti-benfica
Benfiquistas desde pequeninos
Calcio rosso
Chama imensa
Diário de um adepto benfiquista
E isso me envaidece
E pluribus unum
Encarnados
Encarnado oriental
Encarnado e branco
Eterno benfica
Football dependent
Gloriosa fúria vermelha
Glorioso jornal
Gordo vai à baliza
Javardos benfiquistas
loucos pelo slb
Mágico slb
Mar vermelho
Memória gloriosa
Não se mencione o excremento
Novo benfica
O antitripa
O inferno da luz
O grémio benfiquista
Os nossos queridos jornalistas desportivos
País de corruptos
Quero a verdade
Ser benfiquista
Slbenfica - forever champions
Slblog
Tertúlia benfiquista
Um zero (1-0) basta
Vermelhovzky
Vedeta da bola
Vedeta ou marreta?
Velho estilo ultras
Vermelho à moda do porto

PARTIDOS DA BOLA

Cromo dos cromos

PARTIDOS DO DIREITO

Ab surdus
Assembleia de comarca
Blog de informação
Blog do dip
Cartilha jurídica
Cum grano salis
Direito na sociedade da informação
Dizpositivo
Elsa
Incursões
Iuris
Leituras oficiosas
Legalidade
Lex turistica nova
Mens agit molem
Notas constitucionais
O meu monte
Patologia social
Piti blawg
Ré em causa própria
Reforma da justiça
Rumo do direito
Santerna
Suo tempore
Trepalium
Urbaniuris
Vexata quaestio

PARTIDOS DA VIDA

Açores pelo não
Alentejo pelo não
(Des)conversas em família
Direito a viver
Évora pelo não
Fiat lux
Impensável
Jornal da família
Nebulado
Pela vida
Pelo não
Quero viver
Razões do não
Sinto a vida
Sou a favor da vida

PARTIDOS DA ARGENTINA

El opinador compulsivo

PARTIDOS DO BRASIL

Ação humana
Cronicas do joel
Depósito do maia

PARTIDOS DE ITÁLIA

Importanza dele parole

PARTIDOS DOS LIVROS

Blog do espaço de memória e do pátio das letras
D'outro tempo
Lerblog
Mundo pessoa

PARTIDOS DAS REVISTAS

Alameda digital
Leonardo, revista de filosofia portuguesa

PARTIDOS DA TAUROMAQUIA

Lides alentejanas
Toiradas

PARTIDOS DOS BLOGUES

aniversários de blogues
Blog do dia dn
Blogpatrol
Blogpulse
Blogsearch
Blogservatório
Blogs em lí­ngua portuguesa
Moblig
Orochi's blog
Sapo blogs
Technorati
Weblog

PARTIDOS DA POLÍTICA

Bloco de esquerda
Centro democrático social
Os verdes
Partido comunista português
Nova democracia
Partido social-democrata
Partido socialista


PARTIDOS DOS JOGOS OLÍMPICOS

Atenas 2004
Pequim 2008
Comité olí­mpico internacional
Comité olí­mpico de portugal

PARTIDOS DOS JORNALISTAS

a capital
Jornal do diabo
O comércio do porto



TAMBÉM JÁ ESTIVE AQUI
Blogue do não
Câmara de comuns
Eleições 2009
Nova vaga
Novo Rumo
O carmo e a trindade
O eleito
Olissipo
Ota não
Portal lisboa
RCP ONLINE
Semanário
Sportugal
Tomarpartido
ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags