Sexta-feira, 02.10.09

Provavelmente os irlandeses dirão "sim" à segunda, no referendo de hoje ao famigerado Tratado de Lisboa. O medo da crise, a chantagem monetária de Bruxelas e a devolução aos irlandeses do comissário perdido, terá invertido o sentido de voto relativamente ao primeiro referendo. Restará então a esperança checa, a esperança polaca e a esperança Cameron.

 



publicado por Jorge Ferreira às 14:45 | link do post | comentar

Quinta-feira, 11.12.08

A Irlanda vai ser obrigada a realizar o segundo referendo sobre o Tratado de Lisboa, depois de o povo irlandês o ter rejeitado em Junho passado. Nas democracia europeias os referendos realizam-se tantas vezes quantas as necessárias para dar o resultado pretendido. As pessoas que representam actualmente os Estados da União deviam reflectir se estão mesmo à altura da empreitada. Para mim, não estão. E vão cavando mais fundo o divórcio entre os povos e a União. Obviamente espero que os irlandeses voltem a dar uma resposta adequada à batota política, à chantagem política e a todas as manobras no sentido de desrespeitar a sua vontade já legitimamente expressa.



publicado por Jorge Ferreira às 20:08 | link do post | comentar

Segunda-feira, 23.06.08

"Durão Barroso disse: "não há um plano B" para o chumbo irlandês ao Tratado de Lisboa (http/www. eubusiness.com/news-eu/ 208419320.63/). Após o chumbo, começou logo a falar da alternativa. Esta displicência com a verdade inspira-se num dos seus autores de juventude: "Em geral, aquilo que obtém bom resultado é correcto, e o que fracassa é incorrecto, principalmente se se trata da luta dos homens contra a natureza. Na luta social, as forças que representam a classe avançada registam por vezes fracassos, não porque elas tenham ideias falsas, mas sim porque, na correlação das forças em luta, elas são temporariamente menos poderosas do que as forças da reacção. Assim elas fracassam temporariamente mas, tarde ou cedo, acabam por triunfar.(...) Não há outro meio de fazer a prova da verdade." Pequeno Livrinho Vermelho, Citações do Presidente Mao Tsetung, cap. 22, Editorial Minerva, 1975, p.145-146).|"

 

João César das Neves, no Diário de Notícias.



publicado por Jorge Ferreira às 11:56 | link do post | comentar

Sexta-feira, 20.06.08

Os líderes da União Europeia (UE) aceitaram ontem que terão de esperar pelo menos até à próxima cimeira de Outubro para obterem um esboço de solução para o impasse provocado pelo referendo negativo da Irlanda ao Tratado de Lisboa. Esperar? Ainda não perceberam que o Tratado está ferido de morte? Ainda não perceberam que este caminho não funciona? Ainda não aprenderam que a União não pode continuar a ser feita contra o voto?



publicado por Jorge Ferreira às 10:50 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 19.06.08

quem queira lançar umas bombas atómicas sobre a Irlanda, presumo que por causa do resultado do referendo do Tratado! O delírio a que se chega já raia o absurdo.

 

(Via A Destreza das Dúvidas)



publicado por Jorge Ferreira às 18:50 | link do post | comentar

O Primeiro-Ministro irlandês pediu tempo para ultrapassar o impasse que resulta do Não do povo irlandês ao Tratado porreiro. Primeiro, não entendo qual é o impasse. A União não morreu nem desapareceu. Funciona todos os dias. Tem regras, algumas delas bem nocivas, que só existem porque negaram referendos sucessivos aos cidadãos dos Estados. Segundo, não entendo essa do tempo. Querem que os irlandeses se esqueçam? Querem comprar-lhes o voto com mais dinheiro, para que eles deixem de ser ingratos, como o insuportável socialista que Sarkozy meteu no seu Governo na pasta dos Negócios Estrangeiros lhes chamou? Querem mais batota?

 

(publicado no Camara de Comuns)



publicado por Jorge Ferreira às 14:24 | link do post | comentar

Domingo, 15.06.08

Os líderes de ocasião da União Europeia, que odeiam referendos, afinal, amam referendos. Quando perdem um, pedem logo outro!

 

(publicado no Camara de Comuns)



publicado por Jorge Ferreira às 22:11 | link do post | comentar

Sexta-feira, 13.06.08

O Não ganhou na Irlanda. O Tratado de Lisboa devia ser abandonado como sucedeu à sua mãezinha Constituição europeia e ser negociado um outro que abandone o federalismo.



publicado por Jorge Ferreira às 17:32 | link do post | comentar | ver comentários (1)

José Barroso, o alto funcionário europeu, já disse que o processo de ratificação do Tratado que os irlandeses não acharam porreiro é para continuar. Seria demais esperar bom senso desta nomenclatura europeia que desrespeita o voto popular e só é capaz de de governar nas costas da vontade popular democraticamente expressa. Como previ, está em marcha o rolo compressor. Estes democratas de ocasião vão expulsar a Irlanda da União?



publicado por Jorge Ferreira às 16:54 | link do post | comentar

O ministro da Justiça irlandês admitiu já a vitória do “não” no referendo ao Tratado de Lisboa, confirmando os números que estão a ser divulgados pela imprensa. Segundo a televisão pública, os opositores ao novo tratado europeu foram maioritários em 37 das 43 circunscrições do país. Hoje, sinto-me irlandês. As ameaças e as chantagens de toda a ordem não intimidaram o povo irlandês. A acreditar nas interpretações politicamente correctas, segundo as quais os adeptos desta União não foram votar e os adversários dela é que foram militantemente votar, então temos de concluir que nem os adeptos esta Europa burocrática, distante dos cidadãos e em que os grandes subjugam os legítimos interesses e soberanias dos Estados menos poderosos, se conseguem entusiasmar com os líderes porreiros da União. E fica também claro que o PS e o PSD traíram os seus eleitores não fazendo o referendo porque tiveram MEDO da vontade soberana do povo português. Unma só palavra aos irlandeses: PORREIRO, PÁ!

 

(Foto)

 

(publicado no Camara de Comuns)



publicado por Jorge Ferreira às 16:22 | link do post | comentar

Para acompanhar aqui, no Irish Times.



publicado por Jorge Ferreira às 12:49 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Ainda ninguém sabe os resultados do referendo irlandês. Mas a elevada abstenção dá alento ao Não, mostrando o fraco interesse que o estado actual da União Europeia desperta nos cidadãos. Se o Não ganhar está tudo preparado para meter os irlandeses num "passe-vite".

 

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 11:11 | link do post | comentar

Quarta-feira, 11.06.08

"Qualquer que seja o resultado, o referendo irlandês sobre o Tratado de Lisboa mostra a insanidade política que é submeter a decisão popular um texto incompreensível para quase toda a gente", Vital Moreira, no Causa Nossa. Uma pérola esta afirmação. Uma pérola.



publicado por Jorge Ferreira às 12:48 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 06.06.08

Pela primeira vez desde que começou a campanha o Não lidera as sondagens para o referendo ao Tratado de Lisboa, que se realiza no dia 12 de Junho.De acordo com uma sondagem divulgada pelo jornal Irish Times, o 'Não' recolhe 35% das preferências (mais 17% em relação ao último estudo de opinião divulgado por este jornal há três semanas), enquanto o 'Sim' se fica pelos 30% (menos 5%).É de prever a intensificação das ameaças e da chantagem sobre os irlandeses nos próximos dias. Ainda há esperança.

 

(Irish Times)



publicado por Jorge Ferreira às 13:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 31.05.08

O referendo para ratificação do Tratado de Lisboa, que a Irlanda organiza a 12  de Junho, está a preocupar os partidários do 'Sim', que vêem o número de votantes no 'Não' a crescer de sondagem para sondagem. Os últimos números continuam a dar vantagem ao 'Sim', com 41%. No entanto, o 'Não' cresceu 5%, para os 33%, e começa a preocupar o Governo irlandês. Ler no Sol.



publicado por Jorge Ferreira às 17:17 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 28.05.08

O chefe da União Europeia, como lhe chama The Independent, ameça os irlandeses: ou votam sim no referendo sobre o Tratado de Lisboa ou pagam o preço. Nervos?



publicado por Jorge Ferreira às 19:12 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 30.04.08

Lisbon Treaty Irish Referendum Blog - National Platform. O blogue da Plataforma Nacional do Não na Irlanda.

(Via Eclético)



publicado por Jorge Ferreira às 23:11 | link do post | comentar

Terça-feira, 29.04.08

A propósito do referendo sobre o Tratado de Lisboa na Irlanda, a Comissão do Referendo vai enviar para casa dos eleitores dois milhões de exemplares do Tratado para que todos possam lê-lo e votar sabendo o que está em causa. Trata-se, evidentemente, de uma bizarria irlandesa. Por cá, temos sim um amplo debate público como se tem visto, ouvido e lido e uma ideia destas mereceria certamente uma objecção orçamental de Teixeira dos Santos. Os opinantes encartados objectariam que o povo não lê jornais, quanto mais Tratados e que o texto é complicado demais para ser entendido pelo comum dos mortais. Deve ser por estas e outras que Cavaco Silva argumentava em 1992 que um referendo sai caro. Gastar quase 6 milhões de euros num referendo seria de facto um luxo democrático. Por estes dias, sinto-me mesmo irlandês.



publicado por Jorge Ferreira às 12:01 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Na Irlanda, pelos vistos o único Estado da União Europeia que vai realizar um referendo ao Tratado de Lisboa, por adequada imposição constitucional, 31% das intenções de voto apontam para um "não" no referendo marcado para 12 de Junho. Há dois meses, a oposição ao tratado era apenas de 24 por cento; a percentagem de indecisos aumentou um ponto. A oposição ao Tratado na Irlanda cresceu substancialmente nas últimas semanas, provocando pela primeira vez um risco real de voto negativo no referendo para a sua ratificação. A última sondagem publicada no domingo no jornal irlandês Sunday Business Post diz que o número de opositores ao Tratado cresceu sete pontos desde há dois meses, para atingir 31 por cento das intenções de voto. Pelo contrário, a proporção dos que contam votar a favor caiu oito pontos, para 35 por cento, enquanto os indecisos cresceram um ponto, para 34 por cento. E se? ...



publicado por Jorge Ferreira às 11:53 | link do post | comentar

Quinta-feira, 24.04.08

A Assembleia da República aprovou esta semana o Tratado de Lisboa. Depois de todos os partidos terem prometido um referendo, a verdade é que negaram aos portugueses o direito de se pronunciar directamente sobre o Tratado. Não é por não ser a primeira vez que deixa de ser uma vergonha.

 

O Tratado em si retira mais uma suculenta fatia de soberania ao Estado. E consolida uma Europa dos grandes Estados, subordinando os Estados mais pequenos à sua vontade e aos seus interesses.

 

Os portugueses continuam a ser tratados como capachos da vontade de um punhado de dirigentes submetidos a interesses estrangeiros, fazendo-o sem legitimidade, pondo assim em causa o mecanismo da representação política democrática.

(publicado na edição de hoje do Democracia Liberal)



publicado por Jorge Ferreira às 23:11 | link do post | comentar

Está armado o 31 de que vos falei há dias. O Medo do Voto.


publicado por Jorge Ferreira às 18:50 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23.04.08

José Sócrates abriu hoje a sessão plenária que ratificará o Tratado de Lisboa na Assembleia da República, vincando que existe “um grande consenso político e social em torno do Tratado de Lisboa”. Engraçado. Com que máquina calculadora é que o Primeiro-Ministro chegou a esta conclusão? Mas qual consenso? Isso ficar-se-ia a saber se houvesse referendo. Mas Sócrates violou a sua promessa eleitoral e "baldou-se" ao referendo prometido em campanha e no Programa do Governo. Consenso sobre o Tratado apenas existe nas direcções do PS, do PSD e do CDS. Esse consenso é muito diferente de um consenso nacional. Fique lá com as passadeiras, com os holofotes e com a vida porreira de Bruxelas, mas, ao menos por decoro, abstenha-se de propaganda barata, especialmente chocante quando, como é o caso, é feita à custa da falta de respeito pelos compromissos assumidos com os portugueses.



publicado por Jorge Ferreira às 16:16 | link do post | comentar

Sexta-feira, 14.03.08
"Le premier ministre polonais Donald Tusk a déclaré aujourd'hui à Bruxelles qu'il n'excluait pas en dernier recours de faire ratifier le traité de Lisbonne par référendum, même s'il croit encore possible une ratification au parlement grâce à un compromis avec les conservateurs.Alors que le parlement polonais s'attendait à ratifier ces jours-ci le traité européen, destiné à rénover les institutions de l'UE, Jaroslaw Kaczynski, chef du principal parti d'opposition Droit et Justice (PiS), a menacé de voter contre le projet. Les voix de son parti sont nécessaires pour atteindre la majorité des deux tiers requise pour l'adoption d'un traité."

A Polónia pode vir a fazer um referendo ao Tratado de Lisboa. Ora aí estaria um bom exemplo.

(Foto)


publicado por Jorge Ferreira às 14:54 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 07.02.08
Manuel Alegre queria o referendo, mas não queria o referendo. Por um lado queria, mas por outro não queria. Acabo de o ouvir declarar que se absteve porque tem dois valores. O valor da promessa e o valor da eficácia. Ora aí está um Marco Paulo da política. "Eu tenho dois valores".


publicado por Jorge Ferreira às 19:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Palmas para António José Seguro que votou a favor do referendo à Constituição europeia recauchutada, conforme tinha prometido aos seus eleitores, ao contrário do que fez o seu Partido hoje na Assembleia da República. Nos tempos que correm, ver um socialista a cumprir um compromisso é tão notícia como o é o homem que mordeu o cão.


publicado por Jorge Ferreira às 18:58 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Pedro Santana Lopes diz que o PSD deixou de querer o referendo sobre a Constituição europeia recauchutada porque seria uma perda de tempo. O problema é que o PSD, de tão reverso do verso também se tornou uma perda de tempo para quem quer uma alternativa ao PS.


publicado por Jorge Ferreira às 18:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 11.01.08
Assim parece que somos. Assim parece que vamos. Atentos, venerandos e obrigados. Seguidistas, flexíveis até onde fôr preciso para obedecer, bem comportadinhos para não destoar. Os outros não querem? Não se faz. O resultado não é certo? Não se faz. Cai mal nas chancelarias? Não se faz. Este é o país “óbvio” da geração dos Luíses Amados que nos desgovernam, ostentando com garbo, mas singular amnésia, o voto quadrienal na lapela, que lhes serve para tudo. Para não receber o Dalai Lama por razões óbvias. Para não fazer referendos por razões óbvias. Para trair compromissos eleitorais por circunstâncias óbvias. O voto, para esta geração de políticos de plástico não é um compromisso, apenas um trampolim.

O problema é que o óbvio é inimigo do bom.

José Sócrates está disposto a sacrificar tudo, incluindo a sua palavra, a uma eventual carreira internacional sob as ordens dos grandes da Europa e às palmadinhas nas costas dos mandarins europeus. Portugal é um país que não tem posições a não ser acompanhar. Hoje, não passa de uma espécie de Eslovénia Ocidental, assim uma espécie de moço “escort” do projecto federalista da França e da Alemanha.

Os cientistas de serviço não deixarão os seus créditos por mãos alheias. No esoterismo das remissões e novas redacções explicarão em períodos curtos, frases assépticas e tecno e tiradas eloquentes, que o Tratado não é constitucional e não é legível. A primeira palavra foi tirada do tratado. A ilegibilidade é dolosa. Justamente para ocupar a passadeira vermelha do voto popular.

A razão pela qual o Tratado de Lisboa não pode ser referendado é simples. O Tratado seria derrotado. Por outra razão simples: os cidadãos não querem esta União Europeia. Como os seus autores, bem instalados na vida, não admitem outra União Europeia senão esta, não se pode votar.

Ouvi José Sócrates justificar a sua cambalhota política sobre o referendo que prometeu e não vai fazer com a “ética da responsabilidade”. Primeiro fiquei atordoado. Depois, deu-me apenas para sorrir. Ética? Para com quem? Para com os eleitores que votaram PS e foram, apenas, enganados? Como aliás os do PSD, que também foram enganados? Ética? Haja pudor… Menezes preza tanto os compromissos eleitorais do seu partido como Sócrates. Ou seja: nada. São os políticos pequeninos do Portugal de hoje.

Esta decisão de Sócrates apoiada por Menezes é um abate à democracia, à própria democracia representativa que tanto dizem prezar. Porque quando os eleitores elegem para os representar pessoas que faltam aos compromissos é a própria representação que sai irremediavelmente diminuída.


(publicado na edição de hoje do Semanário)


publicado por Jorge Ferreira às 00:06 | link do post | comentar

Terça-feira, 08.01.08
Foto daqui.


publicado por Jorge Ferreira às 22:10 | link do post | comentar | ver comentários (1)

"O Presidente da República Cavaco Silva advertiu hoje para o "preço elevadíssimo" a pagar pela UE, em caso de fracasso do Tratado de Lisboa, que só pode entrar em vigor depois de ratificado por todos os 27 Estados membros." (...) O novo Tratado europeu já foi ratificado na Hungria, por via parlamentar, opção que deverá ser adoptada pelos restantes 26 Estados membros, à excepção da Irlanda que tem de submeter a ratificação do documento a referendo, por imperativos constitucionais. O Governo de Lisboa deverá anunciar em breve a sua decisão sobre a forma de ratificação do documento em Portugal. Se optar pelo referendo, a última palavra será do Presidente da República, a quem compete convocar ou não a consulta popular".
Isto diz uma peça da Lusa. Ficamos sem saber se a frase a bold é um palpite da agência, uma afirmação do Presidente em off, um recado universal para quem a apanhar ou um recado particular ao Governo. Registe-se a preocupação de Cavaco Silva com um referendo sobre o Tratado, inversamente proporcional à que demonstrou sobre o referendo de há um ano sobre a liberalização do aborto. À parte o pormenor, registe-se o desagrado presidencial com a perspectiva do cumprimento de uma promessa eleitoral dos partidos, Presidente que enquanto candidato chamou a atenção e bem para o elevado grau de incumprimento das promessas eleitorais pelos partidos como fonte de indiferença dos eleitores e factor de descrédito dos mesmíssimos partidos. Ou será que Cavaco Silva apenas decidiu entrar já na campanha eleitoral do referendo sobre o Tratado com um pré-manifesto eleitoral?


publicado por Jorge Ferreira às 13:52 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 07.01.08
"O primeiro-ministro da Eslovénia e presidente em exercício da União Europeia, Janez Jansa, aconselhou hoje Portugal a ratificar o Tratado de Lisboa por via parlamentar e não por referendo. ", leio no Diário Digital. Desde logo cabe esclarecer o Senhor jornalista que a União Europeia não tem Presidente. O Sr. Janez Jansa é Presidente do Conselho da União e não da União. Depois cumpre recomendar vivamente ao esloveno que se meta na sua vidinha e deixe de dar palpites sobre a vida interna dos Estados. Ninguém lhe encomendou sermão. Cada Estado é maior e vacinado e dispensa bem os conselhos de tão atentos, venerandos, obrigados e obedientes conselheiros.


publicado por Jorge Ferreira às 14:23 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 21.12.07
"Quem é a favor do referendo é contra a Europa", disse Miranda Calha ao Semanário. Mais um maniqueísta. Este socialista de aparelho, prestador de serviços políticos à bruxelocracia vigente. Há gente disposta a dizer tudo para mostrar serviço.


publicado por Jorge Ferreira às 16:33 | link do post | comentar

Quinta-feira, 20.12.07
"Nenhuma razão política séria impede que o referendo sobre o Tratado Constitucional Europeu seja realizado em conjunto com as eleições autárquicas, favorecendo a participação cívica e confiando na capacidade política dos portugueses. Por isso, com total respeito pelas competentes decisões que na matéria incumbem ao Senhor Presidente da República, empenhar-nos-emos numa revisão da Constituição que permita esta simplificação e este enriquecimento da nossa vida cívica e política. "
José Sócrates, 12.Março 2005 (na tomada de posse do Governo)
Memória de O Insubmisso.


publicado por Jorge Ferreira às 15:25 | link do post | comentar

Sábado, 15.12.07
“Se fizer um referendo, Sócrates é um traidor”, diz o conselheiro de Sarkozy, Alan Lamassoure, hoje ao Expresso. Portanto, sempre há um compromisso às escondidas de não se fazer um referendo ao Tratado Complicado. Ora, tendo prometido aos portugueses fazer o referendo e aos seus colegas de nomenclatura europeia não fazer o mesmo referendo, alguém Sócrates vai trair. Cheira-me que vai trair os mesmos de sempre.


publicado por Jorge Ferreira às 16:19 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quarta-feira, 12.12.07
Aqui. "Eu quero um referndo sobre o Tratado. Qual Tratado? Sobre o Tratado Complicador.


publicado por Jorge Ferreira às 01:25 | link do post | comentar

Sábado, 27.10.07
José Sócrates, afirmou hoje que as duas formas de ratificação do novo tratado da União Europeia (UE), pelo Parlamento ou por referendo, são legítimas, acrescentando que ambas estão em cima da mesa. "A ratificação pelo Parlamento é tão válida quanto a ratificação por referendo", afirmou José Sócrates aos jornalistas, no final do Fórum Novas Fronteiras, no Centro Cultural de Belém."Como não dissemos como vamos fazer, naturalmente as duas possibilidades estão em cima da mesa" (ler aqui).
É preciso lata.
"O Governo entende que é necessário reforçar a legitimação democrática do processo de construção europeia, pelo que defende que a aprovação e ratificação do Tratado deva ser precedida de referendo popular, amplamente informado e participado, na sequência de uma revisão constitucional que permita formular aos portugueses uma questão clara, precisa e inequívoca." (Ler aqui).
E depois, José Sócrates admira-se do que lhe chamam nas manifestações.


publicado por Jorge Ferreira às 20:53 | link do post | comentar

E se José Sócrates tirasse um coelho da cartola e optasse por cumprir o que prometeu e fazer um referendo ao novo Tratado europeu? Aparentemente eram só vantagens. Cumpria a promessa, o que valeria ouro no seu percurso de faltas à palavra política dada. Deixava o PSD e o seu novo líder, cheios de viço nas sondagens, a falar sózinhos contra o referendo. Empurrava para Cavaco Silva o eventual odioso de decidir não convocar o refrendo, cooperando estrategicamente retribuindo os vetos de Agosto. Não o subestimemos. Terá o golpe de asa?


publicado por Jorge Ferreira às 11:43 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 23.10.07
Vital Moreira, 22 de Outubro de 2007: Os que defendem o referendo sobre o Tratado de Lisboa já experimentaram lê-lo? E acham que algum cidadão comum consegue passar da segunda página? Não será tempo de deixar de brincar aos referendos?

Vital Moreira, 15 de Abril de 2007: Penso que não faz sentido recuar na perspectiva de referendo, a não ser que o “tratado constitucional” venha a ser substituído por um “minitratado” de âmbito puramente institucional.
(via O Insurgente)


publicado por Jorge Ferreira às 23:28 | link do post | comentar

Segunda-feira, 22.10.07
"Não deixa de ser curioso que os grandes defensores da ratificação do Tratado de Lisboa pela via parlamentar sejam os mesmíssimos senhores que foram eleitos através da democracia directa aplicada aos seus partidos. Estou a falar de José Sócrates e de Luís Filipe Menezes (de Paulo Portas não tenho ouvido falar, por onde andará?).", por Francisco Almeida Leite, no Corta-Fitas.


publicado por Jorge Ferreira às 19:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 21.10.07
Vital Moreira, sempre vigilante agora de umas coisas como outrora de outras causas, acusa a França de ter perdido a honra quando em 2005 recusou a Constituição europeia em referendo. Aí está o conceito de democracia bacteriologicamente puro: dizer não é perder a honra. O camarada Vital Moreira anda a precisar de ler outra vez Manuel Alegre e ouvir Adriano Correia de Oliveira: eles têm alguma coisa a dizer sobre o dizer não.


publicado por Jorge Ferreira às 19:11 | link do post | comentar | ver comentários (2)

"DN-Não deve haver referendo?
 
LFM-Acho que é tão legítima a ratificação popular através do sufrágio directo e universal quanto a ratificação parlamentar, num órgão que, ele próprio, decorre do sufrágio directo e universal. A minha posição, que proporei ao Conselho Nacional do meu partido, é que com sentido de responsabilidade, e atendendo àquilo que foi a realidade europeia nos últimos dois anos e meio, o PSD defenda a ratificação parlamentar. Mas sem prejuízo de o partido de Governo, que tem um compromisso com o eleitorado de sufragar o Tratado, conversar com os outros partidos, nomeadamente com o PSD, para se encontrar um consenso nacional alargado nesta matéria.
 
DN-Portanto admite a possibilidade de José Sócrates querer promover um referendo?
 
LFM-Claro que sim. O Governo socialista tem um compromisso com o eleitorado e lá saberá se o quer cumprir ou não. Se se colocar a questão da ratificação parlamentar, o PSD poderá vir a defender a ratificação parlamentar. Mas a lógica da iniciativa tem de estar do lado do PS. Faz todo o sentido uma aprovação célere no Parlamento."
 
Em entrevista à edição de hoje do Diário de Notícias, Luís Filipe Menezes revela a sua doutrina sobre o referendo à nova versão da Constituição europeia. Traduzindo, é assim: Sócrates tem um compromisso eleitoral de fazer o referendo, logo que o faça. O PSD tem um compromisso eleitoral de fazer um referendo mas não é obrigado a fazê-lo. As figuras que esta União Europeia obriga as pessoas a fazer... figuras tristes, é claro. A posição do PSD sobre o referendo europeu é uma ciência oculta.


publicado por Jorge Ferreira às 18:52 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 04.10.07
(Mini-bandeira)

No léxico político corrente convencionou-se chamar “bandeiras” aos assuntos, às matérias, às ideias ou às propostas que um partido decide afirmar como prioridade do seu discurso público, da sua acção governativa ou parlamentar ou como simples meio de diferenciação face aos concorrentes directos.

Na passada sexta-feira o PSD mudou de líder. Trocou um Luís por outro, basicamente porque os militantes do partido, aliás, uma imensa minoria dos seus eleitores, acha que com o novo Luís será mais fácil ganhar as próximas eleições legislativas ao PS e, sobretudo, a José Sócrates. É natural. Os partidos existem para o poder e quando sentem que com um determinado líder não chegam lá, mudam. As ideias, as propostas, as tais “bandeiras” são remetidas para segundo plano.

Em jeito de balanço e após a vitória de Luís Filipe Menezes, o estado da questão, relativamente à comparação entre o PS actual e o PSD que passou a ser actual, é a seguinte:

1º O PS tem dito que é contra a descida dos impostos neste momento, pelo menos até as contas públicas estarem em ordem. Luís Filipe Menezes é contra a descida dos impostos, pelo menos até as contas públicas estarem em ordem.

2º José Sócrates, em resposta a pressões externas, em resposta à vontade da Comissão Europeia e em resposta à ideia de Cavaco Silva está a preparar o caminho para desrespeitar mais uma das suas promessas eleitorais e não promover o referendo sobre o novo tratado europeu, que vai substituir a Constituição europeia. Luís Filipe Menezes é contra a realização de um referendo sobre o novo tratado europeu, que vai substituir a Constituição europeia.

3º José Sócrates, que expulsou o seu ministro Mário Lino do processo do novo aeroporto aguarda o estudo do LNEC para saber se é favor ou contra a construção de um novo aeroporto na Ota. Luís Filipe Menezes aguarda o estudo do LNEC para saber se é ou não a favor da construção de um novo aeroporto na Ota.

4º O PS vai desenterrar a regionalização administrativa do continente, promovendo a divisão do território em regiões. Luís Filipe Menezes é a favor da regionalização, concordando com a divisão do território em regiões.

Ou seja, as “bandeiras” do PSD derrotado na sexta-feira passada já não existem.

Desta comparação resulta, pois, que continua a ser um mistério saber em que é que o PSD actual vai fazer oposição ao PS actual. Tendo como almofada o bloco central dos interesses e dos negócios, ambos, têm agora uma diferença substancial. O PSD tem um líder chamado Luís e o PS tem um líder chamado José. O primeiro é do Sporting e o segundo é do Benfica.

O que resta ao PSD então para se diferenciar do PS actual? Restam a quantidade das políticas sociais. Se o Governo der dez o PSD pedirá mil. Mas do mesmo Exactamente do mesmo. O Bloco e o pCP que se cuidem: parece estar a caminho mais concorrência.

Basicamente serão estas as bandeirolas do PSD actual, já que as bandeiras foram para lavar.
(publicado na edição de hoje do Semanário)


publicado por Jorge Ferreira às 00:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 30.09.07
O PSD passou a partir de ontem a ser um partido anti-referendo europeu. Esta mudança deve agradar a Cavaco Silva (sempre é uma ironiazinha do destino...) e a José Sócrates. Mas o mais grave é que o líder do maior partido da oposição deixou de ser do Benfica e passou a ser do Sporting. Isto, sim, já me parece uma baixa significativa...


publicado por Jorge Ferreira às 16:39 | link do post | comentar

Segunda-feira, 02.07.07
O PSD anda um partido muito engraçado. Durante a Presidência anunciou que não vai discutir temas que desagardem a Sócrates. Agora, depois da barulheira que tem feito com a proposta do referendo à segunda versão da Constituição europeia, desta vez sem "bonecos" para não assustar, diz que não vai fazer da questão do "referendo" matéria de querela durante a Presidência. Ora, uma querela é uma discordância, uma divergência. Acaso deixou o PSD de defender o referendo ao novo Tratado? Por outras palavras: Marques Mendes está de férias. O PSD está de férias. O país passa-lhe ao lado.


publicado por Jorge Ferreira às 11:28 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 29.06.07
"António Vitorino alerta para a “negociação trabalhosa” que vem aí na conferência intergovernamental. E tendo em conta que todos os partidos se comprometiam a referendar o tratado constitucional, Vitorino, que acompanha desde o início do processo constitucional,avisa agora que “o mandato cobre 80%” desse texto. Para bom entendedor, meia palavra basta."
Diário Económico.


publicado por Jorge Ferreira às 13:09 | link do post | comentar

Terça-feira, 26.06.07
"Os jogos estão feitos. E porque sim, ou porque não, porque torna, ou porque deixa, os portugueses não serão certamente chamados a referendar o Tratado da União Europeia. Aliás, os portugueses jamais foram chamados a decidir sobre qualquer matéria europeia e se viessem a sê-lo, algum dia, isso também não queria dizer que o resultado da votação fosse tido em consideração. ", João Paulo Guerra, no Diário Económico.


publicado por Jorge Ferreira às 23:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Primeiro José Sócrates andou pela Europa a exigir um mandato claro para que a Presidência portuguesa do Conselho da União Europeia metesse ombros à escrevinhação de uma segunda versão da Constituição europeia. Segundo, José Sócrates ficou feliz, radiante, impante, com o resultado da cimeira de Bruxelas e aceitou o encargo épico da escrevinhação para a qual exigia mandato claro. Certamente porque o obteve. Terceiro, agora, quando lhe falam da promessa que fez ao país de realizar o referendo diz que primeiro é preciso conhecer o Tratado e só depois ver se vale a pena fazer o referendo. Julgará José Sócrates que somos todos parvos?


publicado por Jorge Ferreira às 01:47 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 25.06.07
Esta entrada é um tratado. O vigilante intelectual da pureza do socratismo tem o mérito de nos dizer tudo. Esclarece-nos que as conclusões da cimeira de Bruxelas são tão boazinhas que a CIG (Conferencia Inter-Governamental para quem precisa de saber siglas) praticamente é um pró forma. Sendo assim, se está tudo Tratado, não vejo razão para que Cavaco e Sócrates não digam simplesmente ao país que a promessa feita de fazer um referendo é para cumprir. Se não o dizem é porque querem trair a promessa. Essa é que é essa. E já agora: quem estiver falho de argumentos para brilhar nas conferencias e nos colóquios politicamente correctos do sistema, já sabe: amanhã sai a cartilha no Público.


publicado por Jorge Ferreira às 22:35 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Este, por exemplo: "Referendo e Negociação", por José Medeiros Ferreira, no Bichos Carpinteiros.


publicado por Jorge Ferreira às 12:58 | link do post | comentar

"O referendo só é um instrumento legítimo e adequado para as questões menores.", Sérgio Sousa Pinto, sobre o referendo ao novo tratdo europeú. Já tinha saudades de ouvir falar do ex-deputado fracturante, agora um deputado conformista, acomodadinho, instaladinho, como se vê. Só para um político menor o referendo deve ser usado para questões menores. O povo, coitado, é meramente decorativo.


publicado por Jorge Ferreira às 12:47 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Há quem defenda que ainda é cedo para falar de referendo ao novo tratado que há-de ser. Poderei estar de acordo. Atendendo a que há quem trabalhe de noite, um quarto para a uma da tarde, pode não ser uma boa hora.


publicado por Jorge Ferreira às 12:44 | link do post | comentar

JORGE FERREIRA

tomarpartido@sapo.pt

visitantes em linha

English version by Google
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30



DESTAQUES




TAMBÉM ESTOU AQUI

Jorge Ferreira

Cria o Teu Crachá

Aveiro
Comunicar a direito
Democracia liberal
Diário de aveiro
Jorge ferreira
O carmo e a trindade
O templário
Terras de mármore
Tv net

O PARTIDO DOS AMIGOS

A cagarra
Alinhavos
Cão com pulgas
Eclético
Faccioso
Ilha da madeira
Fumaças
Mais actual
Meu rumo
Paris
Sobre o tempo que passa
Tubarão


OUTROS PARTIDOS

A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A gota de ran tan plan
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A regra do jogo
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arpão
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blogue real associação de lisboa
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Café Bar James Dean
Café da insónia
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Cegos mudos e surdos
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
Cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Despertar da mente
Direito de opinião
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

É curioso
É tudo gente morta
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estado sentido
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Falta de tempo
Filtragens
Fliscorno
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fúria dos dias

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hic et nunc
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
João Távora
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Largo das alterações
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Maioria simples
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Neorema
Nocturno
Nortadas
Notas formais
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O bom gigante
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Office lounging
Outra Margem
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Patriotas.info
Pau para toda a obra
Pedra aguda
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Revisões
Ricardo.pt
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Small brother
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Tenho dito
Teorias da cidade
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
There is a light never goes out
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

PARTIDOS DOS ALUNOS

Ao sul
As cobaias
Fados e companhia
O cheiro de santarém pela manhã
Platonismo político
Projecto comunicar

PARTIDOS DE ABRANTES

Abranteimas
Rua da sardinha
Torre de menagem

PARTIDOS DO ALGARVE

Mons cicus
Olhão livre
Tavira tem futuro
The best of lagos

PARTIDOS DE AVEIRO

A ilusão da visão
Academia de aveiro
Actas diárias
Amor e ócio
Arestália
Aveiro sempre
Bancada directa
Bancada norte
Blog de sergio loureiro
Botanabateira
Código da vivencia
Cogir
Debaixo dos arcos
Desporto aveiro
Divas e contrabaixos
Estados gerais
Forum azeméis
Já agora
Margem esquerda
Neo-liberalismo
Nós e os outros
Notas de aveiro
Notícias da aldeia
Noticias de ovar
Painéis de aveiro
Pontos soltos
Portal do beira-mar
4linhas
Quotidiano da miséria
7 meses
The sarcastic way
Visto de fora
Vouga

PARTIDOS DE OEIRAS

À rédea solta
Escrever sobre porto salvo
Eu sou o poli­ticopata
Oeiras local
Rememorar oeiras

PARTIDOS DE TOMAR

Alcatruzes da roda
Algures aqui
À descoberta de tomar
Charneca da peralva
Nabantia
Olalhas
Os cavaleiros guardiões de sta. maria do olival
Sondagem tomar
Tomar
Thomar vrbe
Tomar, a cidade
Tomar a dianteira
Vamos por aqui

PARTIDOS DE VILA VIÇOSA

A interpretação do tempo
Infocalipo
O restaurador da independencia
Tasca real

PARTIDOS POÉTICOS

Arrimar
Corte na aldeia
Forja de palavras
Linha de cabotagem (III)
Nimbypolis
O melhor amigo
Ofí­cio diário
Orgasmos dos sentidos

PARTIDOS DAS ÁGUIAS

A águia
A ilíada benfiquista
A mística benfiquista
Amo-te, benfica
Anti-anti-benfica
Benfiquistas desde pequeninos
Calcio rosso
Chama imensa
Diário de um adepto benfiquista
E isso me envaidece
E pluribus unum
Encarnados
Encarnado oriental
Encarnado e branco
Eterno benfica
Football dependent
Gloriosa fúria vermelha
Glorioso jornal
Gordo vai à baliza
Javardos benfiquistas
loucos pelo slb
Mágico slb
Mar vermelho
Memória gloriosa
Não se mencione o excremento
Novo benfica
O antitripa
O inferno da luz
O grémio benfiquista
Os nossos queridos jornalistas desportivos
País de corruptos
Quero a verdade
Ser benfiquista
Slbenfica - forever champions
Slblog
Tertúlia benfiquista
Um zero (1-0) basta
Vermelhovzky
Vedeta da bola
Vedeta ou marreta?
Velho estilo ultras
Vermelho à moda do porto

PARTIDOS DA BOLA

Cromo dos cromos

PARTIDOS DO DIREITO

Ab surdus
Assembleia de comarca
Blog de informação
Blog do dip
Cartilha jurídica
Cum grano salis
Direito na sociedade da informação
Dizpositivo
Elsa
Incursões
Iuris
Leituras oficiosas
Legalidade
Lex turistica nova
Mens agit molem
Notas constitucionais
O meu monte
Patologia social
Piti blawg
Ré em causa própria
Reforma da justiça
Rumo do direito
Santerna
Suo tempore
Trepalium
Urbaniuris
Vexata quaestio

PARTIDOS DA VIDA

Açores pelo não
Alentejo pelo não
(Des)conversas em família
Direito a viver
Évora pelo não
Fiat lux
Impensável
Jornal da família
Nebulado
Pela vida
Pelo não
Quero viver
Razões do não
Sinto a vida
Sou a favor da vida

PARTIDOS DA ARGENTINA

El opinador compulsivo

PARTIDOS DO BRASIL

Ação humana
Cronicas do joel
Depósito do maia

PARTIDOS DE ITÁLIA

Importanza dele parole

PARTIDOS DOS LIVROS

Blog do espaço de memória e do pátio das letras
D'outro tempo
Lerblog
Mundo pessoa

PARTIDOS DAS REVISTAS

Alameda digital
Leonardo, revista de filosofia portuguesa

PARTIDOS DA TAUROMAQUIA

Lides alentejanas
Toiradas

PARTIDOS DOS BLOGUES

aniversários de blogues
Blog do dia dn
Blogpatrol
Blogpulse
Blogsearch
Blogservatório
Blogs em lí­ngua portuguesa
Moblig
Orochi's blog
Sapo blogs
Technorati
Weblog

PARTIDOS DA POLÍTICA

Bloco de esquerda
Centro democrático social
Os verdes
Partido comunista português
Nova democracia
Partido social-democrata
Partido socialista


PARTIDOS DOS JOGOS OLÍMPICOS

Atenas 2004
Pequim 2008
Comité olí­mpico internacional
Comité olí­mpico de portugal

PARTIDOS DOS JORNALISTAS

a capital
Jornal do diabo
O comércio do porto



TAMBÉM JÁ ESTIVE AQUI
Blogue do não
Câmara de comuns
Eleições 2009
Nova vaga
Novo Rumo
O carmo e a trindade
O eleito
Olissipo
Ota não
Portal lisboa
RCP ONLINE
Semanário
Sportugal
Tomarpartido
ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags