Sábado, 07.11.09

No meio de tanta crise, de tanta miséria, de tanta pobreza, um gajo bem se esforça para pôr a autoestima para cima. Com pitada daqui, pormenor dali, mas que diacho, até quando toca à corrupção o que nos sai é lixo e sucata...

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 00:08 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.10.09

Não me entra por que carga de água é que o meu país precisa de 16 ministros, quando já não tem agricultura, moeda, nem, muitas vezes, vergonha. E fora o exército de secretários de Estado que chegam até sábado. Perdão: esqueci-me das vaidades.



publicado por Jorge Ferreira às 02:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 21.10.09

Que bem que temos passado sem Governo por estes dias em Portugal.  Dá tempo para falar de tudo, para ler, para rever amigos, para pensar mais nas importancias que nas urgências... hum, se isto se aproximar da anarquia digam-me que talvez me recrutem. E, já agora,  aproveitem para uns doces pecadozinhos.

 

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 13:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 17.10.09

As crónicas dos últimos dias eleitorais de 6 do 10 em diante e até ontem, de José Adelino Maltez, no Tempo que não há meio de passar e descontados alguns jogos de linguagem que, de desnecessários, apenas complicam um bocadinho a crueza por si só certeira de tantas palavras.



publicado por Jorge Ferreira às 22:03 | link do post | comentar

Segunda-feira, 05.10.09

 

                       VIVA A REPÚBLICA! O PODER NÃO SE HERDA.

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 15:21 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Sem independencia nacional não havia Portugal. Sem o Tratado de Zamora assinado em 5 de Outubro de 1143 não havia independencia nacional. Republicanos ou monárquicos deviam comemorar esta data fundadora da nacionalidade. Uma data que está acima do regime, acima da forma monárquica ou republicana de Governo. Andam mal os republicanos que a omitem a pretexto da comemoração da implantação da República.

(A primeira bandeira)



publicado por Jorge Ferreira às 15:16 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 01.10.09

"O essencial é saber como vai ser governado Portugal nos próximos anos. Como vai ser gerido um país com um executivo minoritário, uma Assembleia da República dividida, uma esquerda - bem de esquerda - com 20% dos assentos parlamentares, um PSD ligado ao oxigénio, o líder do CDS meio afogado no caso da compra dos submarinos e a economia em estado de choque e pavor? Em quem podemos confiar? De quem podemos esperar decisões sérias e alguma liderança em tempos conturbados?"
 

Excelente texto de André Macedo, no "i".



publicado por Jorge Ferreira às 10:26 | link do post | comentar

Quarta-feira, 16.09.09

O calor dilata os corpos. As campanhas dilatam as ideias. “Portugal só pode ser um país plenamente inserido na Europa quando a Espanha o for, a Ibéria for, a Península Ibérica for um espaço de integração económica e política”, afirmou Luís Amado, por meríssimo acaso o delegado regional dos Negócios externos da Comunidade Autónoma de Lisboa. Já o delegado regional das estradas e pontes, D. Mário Lino, havia ousado sugerir a extinção deste piqueno pormenor burocrático chamado Portugália, há uns anos atrás. Todos iberistas, todos ministros. Que Pátria generosa a minha, que tanto atura com paciência chinesa (chinesa, Dalai Lama, Amado... isto está tudo ligado...).



publicado por Jorge Ferreira às 09:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 01.09.09

O país que vai adjudicar o TGV deixa morrer cinco seres humanos por causa de uma passagem de nível sem guarda. Portugal precisa de uma guarda nova.


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 15:19 | link do post | comentar

Quarta-feira, 10.06.09

Cavaco Silva, pese a solenidade do dia não se eximiu a enviar mais uns recados ao Governo. A novidade do dia foi considerar que a abstenção está relacionada com a credibilidade dos políticos. Oh se está Sr. Presidente. Só faltou Cavaco Silva olhar para trás para a cadeira onde estava sentado José Sócrates para o recado ser perfeito. Mas o discurso do dia foi o de António Barreto. Sem pôr em causa a institucionalidade, Barreto fez desfilar em Santarém a crueza do país que hoje somos, para o bem e para o mal. Está bem entregue a Comissão das Comemorações.



publicado por Jorge Ferreira às 14:32 | link do post | comentar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Verdes são os campos

Verdes são os campos,
De cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,
De ervas vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração.

Gados que pasceis
Com contentamento,
Vosso mantimento
Não no entendereis;
Isso que comeis
Não são ervas, não:
São graças dos olhos
Do meu coração.

Luís de Camões
 

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 11:42 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.05.09

O depoimento de Oliveira e Costa que acabou já hoje ajudou a compor um retrato feio da sociedade portuguesa. Está lá tudo, tudo o que se tem criticado muitas vezes por instinto e indícios e agora confirmado por um dos protagonistas. Como se fazem negócios, como se gerem empresas, como e quando as entidades responsáveis fiscalizam ou não as empresas, como se vai arrastando um país para a descrença. Um acto de vingança como o de ontem pode ter uma utilidade: mostrar as partes escuras da vida empresarial e política do país. É certo que se tratou apenas de uma versão. Só que essa versão, conjugada com as outras versões que já se conhecem, permitem tirar inúmeras conclusões. Resta saber se desta vez haverá consequência e se vamos aprender alguma coisa para que no futuro tudo isto não volte a repetir-se. Resta saber. Cavaco Silva tem a palavra (ou o gesto). O Ministério Público tem a palavra (ou o gesto).



publicado por Jorge Ferreira às 09:05 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sábado, 23.05.09

Obviamente Zapatero falou castelhano e não espanhol (Sócrates acha que há uma língua espanhola...) no comício socialista de Coimbra. Foi a costumada humilhação não só para Sócrates, mas bem pior que essa, para todos os portugueses. Mas os espanhóis não têm culpa. Eles fazem pela vida. A bimbalhada portuguesa que mal passa a fronteira põe o sotaque na boca é que não aprende nada. Quanto ao comício foi um fracasso. Manuela Ferreira Leite percebeu que não era capaz de mobilizar e decidiu não os fazer. Sócrates não percebeu ainda o que lhe está a acontecer.



publicado por Jorge Ferreira às 22:44 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 28.04.09

Ontem dei uma espreitadela ao Prós & Prós. Quatro pessoas falavam pela enésima vez da actualidade, da globalização, de tudo e de nada. Adormeci descansado. Deviam ser aquelas as nossas elites...


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 09:48 | link do post | comentar

Domingo, 26.04.09

                                                          PORTUGAL PLENO

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 01:10 | link do post | comentar

Segunda-feira, 13.04.09

Quando o inesquecível deputado do PSD Marques Guedes propôs a criação do Dia do Cão estava muito à frente e foi injustamente vergastado pela opinião pública em geral. Tratava-se, apenas, afinal, de antecipar a vitória diplomática do grande Bo, o cão de Obama. Não digam que não há motivos para sermos felizes... e Sócrates, não assinala esta data histórica? Por anda Luís Amado?! Depois do Magalhães e da sua diplomacia de negócios de computador, teremos agora a diplomacia do cão de água?...


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 16:57 | link do post | comentar

Quarta-feira, 01.04.09

O dia das mentiras já não é o que era. Lêem-se os jornais, ouvem-se as rádios e vêem-se as televisões em busca da mentirola do dia e nada. Faz sentido. Um país que se habituou a ver tanta gente mentir todos os dias ficou sem vontade de brincar às mentiras no 1º de Abril.



publicado por Jorge Ferreira às 15:46 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 27.03.09

Os tempos não estão para histórias nem para História. A crise do crédito que, em catarata se abateu sobre o mundo inteiro, puxa irresistivelmente a atenção de todos para as consequências da crise. Um pouco por todo o lado descobrem-se bancos falsos, fraudes financeiras de milhões, empresas a falir, desempregados a aumentar vertiginosamente, pobreza a alastrar. Especialmente em Portugal acresce um aumento preocupante da criminalidade, o recrudescimento das velhas suspeitas de corrupção à volta dos poderes, e um sem número de preocupações, nas quais, no meu caso, não entra, definitivamente, o penalty de Lucílio.

 

Aparentemente, pois, este será um texto deslocado no tempo e no espaço. Permito-me, desde já e antecipadamente, discordar. Creio que é nos momentos mais difíceis que os povos necessitam de reencontrar forças e energias no seu passado, na sua história, na sua identidade, como fonte de confiança para superar as dificuldades e olhar com mais serenidade o presente e o futuro.

 

Arrisco, por isso falar de duas histórias. Ou melhor de História, com agá grande.

 

A primeira história é esta: no próximo dia 26 de Abril de 2009 D. Nuno Álvares Pereira será canonizado. Esclareço que não sou nem especialista, nem militante da causa e dos ritos religiosos. Mas não confundo opções individuais com características do povo português e com traços essenciais da identidade e da cultura portuguesas. D. Nuno Álvares Pereira, além de herói da nossa história, passará a ser um herói e um exemplo da Igreja.

 

Sinceramente temo que este acontecimento, porque o é, indubitavelmente, passe ao lado da nossa tão bizarra agenda mediática e social. Em Portugal e em Tomar. E, todavia, penso que nem o país nem a cidade deveriam deixar passar esta oportunidade para realçar o significado do acto, o papel de D. Nuno na constituição da portugalidade que hoje somos e o exemplo pessoal de figura da História que venceu dificuldades e obstáculos, que foi portador de uma convicção nacional, hoje tão rara de encontrar nestes tempos desvairados em que tudo vale.

 

Até agora, não registei notícia de qualquer actividade, salvo referências de monárquicos (também não sou) e de membros da Igreja. Sucede que a Nação a que hoje gostamos de apelar deve a sua sobrevivência a muitos homens que, como D. Nuno Álvares Pereira se sacrificaram por ela. “Sacrificaram” vem de sacrifício, vocábulo entretanto caído em desuso de todas as áreas da vida comunitária. A noção de sacrifício para progredir, para trabalhar, para estudar, para lograr riqueza, é absolutamente estranha ao modo de vida moderno, em que se confia apenas na facilidade para ter tudo. Na facilidade de um sorteio, na facilidade de ser seleccionado para um big brother, na facilidade de encontrar professores que “dêem” notas independentemente do merecimento e dos conhecimentos que se mostrem ter. Mas, se na economia não existem almoços grátis, também na História não existem países grátis. Eles hão-de necessariamente ser o produto de muitas vontades, de muitos esforços e, inevitavelmente, de muitos sacrifícios.

 

Não duvido que qualquer país no nosso lugar faria da canonização de D. Nuno Álvares Pereira um acontecimento mediático de projecção mundial. Mesmo em plena crise e, se calhar, justamente por causa dela. Para aumentar a auto-estima colectiva e, pragmaticamente, para vender mundialmente o seu país e o seu produto histórico. Como nos disseram que aconteceu com o Euro 2004… Por cá, temo que nos fiquemos por uma coroa de flores na estátua que jaz junto ao mosteiro da Batalha, uns artiguitos de opinião sem dificuldade muito mais eruditos que este e uns posts nuns blogues mais desalinhados do main stream.

 

Tomar devia colocar-se, neste particular, no centro das atenções. Os poderes públicos e privados deviam celebrar a canonização de D. Nuno Álvares Pereira. Chamo a atenção, entretanto, para o facto de em 2008 se ter reatado uma tradição que parecia ter caído no esquecimento. Pela primeira vez em 35 anos foi celebrada missa campal por ocasião do 10 de Agosto junto à capela de S. Lourenço.

 

O Conselho Pastoral, dinamizado pelo sargento António Vasconcelos, em colaboração com o Regimento de Infantaria 15, de Tomar, decidiu voltar a assinalar o martírio de S. Lourenço e a junção dos exércitos de D. Nuno Álvares Pereira e do Mestre de Avis, antes de seguirem para a batalha de Aljubarrota. Ora, eis uma ligação de Tomar à gesta de D. Nuno Álvares Pereira que justifica acção e comemoração.

 

Já que não sou autarca, mas um simples cidadão anacronicamente interessado pelas pequenas coisas do meu país, gostaria de saber se a Câmara Municipal, a Junta de Freguesia de Sta. Maria dos Olivais, ou instituições privadas do concelho estão a pensar realizar alguma iniciativa relacionada com este acontecimento.

 

A segunda história é esta: em 2010, faz precisamente 850 anos que D. Gualdim Pais fundou a cidade de Tomar. Tudo o que fica dito sobre D. Nuno Álvares Pereira vale para este importantíssimo aniversário. Bem sei que os Templários, a Ordem de Cristo (essa malandragem que legou a Tomar pesada factura de atraso que ainda hoje se paga a prestações, assim como à Bragaparques…) e em geral o património e o seu profundo significado nesta terra, não está propriamente nas boas graças nem nas prioridades dos actuais responsáveis autárquicos. Mas esses responsáveis têm de perceber, ou alguém explicar-lhes de forma veemente, que não passam de transitórios e efémeros representantes de uma comunidade que já existia antes deles nascerem e existirá seguramente depois deles deixarem de representar o povo. Cumpre-lhes apenas estar à altura dos cargos (inocência persistente a minha neste particular…).

 

Bem sei que este ano há eleições e quem manda e quem quer mandar dá mostras de não ser capaz de pensar em mais nada senão na eleição, no poder, no lugarzinho, no penachito, nas medidas anti-crise, nas rotundas e, dizem-me, no metro de superfície! Mas, azar de calendário, passa-se que 2009 é também o ano de pensar e de programar uma dignificante comemoração do 850º aniversário da fundação de Tomar.

 

Resta, então, repetir-me: já que não sou autarca, mas simples cidadão anacronicamente interessado pelas pequenas coisas do meu país, gostaria de saber se a Câmara Municipal, as Juntas de Freguesia, ou instituições privadas do concelho estão a pensar realizar alguma iniciativa relacionada com este acontecimento. E o que dizem disto, se é que dizem, os candidatos à Câmara?

 

Mas também digo: se fôr para fazer umas coisitas rascas e pindéricas, como frequentemente acontece, de envergonhar qualquer um, mais vale estarem quietos. Não me apetece mesmo observar o comportamento habitual no nosso país quando se trata de comemorar os valores nacionais e os símbolos que ao longo dos tempos os vão ilustrando por obra humana. E não, não falo de dinheiro. Falo de dignidade nacional. Falo de poder nacional que os símbolos traduzem. Um povo que abdica desses valores, desses símbolos e de continuamente os projectar, local, nacional e internacionalmente, abdica de uma parcela estrutural do seu poder nacional, o mesmo é dizer, da justificação da sua independência enquanto Estado. Dirão alguns: e daí? E daí eu respondo: ide para alcaides de Ayuntamientos, ide …

(publicado n' O Templário)

(D. Gualdim Pais)



publicado por Jorge Ferreira às 18:40 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Um pároco assumidamente sportinguista de Lisboa informou os paroquianos que não faz baptizados às crianças a que os respectivos pais decidirem pôr o nome de Lucílio. Lucílio, esclareça-se, desde já, é um péssimo árbitro de futebol que marcou um penalty inexistente numa competição de futebol sem importância nem interesse competitivo. Entretanto, esse mesmo péssimo árbitro de futebol foi ameaçado de morte e não quer aparecer em público, com medo legítimo.

 

O mesmo péssimo árbitro de futebol diz-se e desdiz-se sobre factos que o país inteiro viu através da televisão, menos ele. Omite factos de indisciplina em campo no seu relatório, onde foi acusado de roubar através de gestos por um treinador de futebol e não viu, onde levou um encontrão de peito de um jogador de futebol e não se lembra.

 

Na semana anterior, dirigentes e treinador, por acaso do mesmo clube, foram ameaçados de morte porque perderam dois jogos com o campeão de futebol da Alemanha, um por cinco golos e outro por sete golos.

 

Na sequencia de uma reunião da Liga de Futebol, um seu dirigente foi agredido à saída da reunião, e aqui, nem me dei ao trabalho de saber por quem e por que razão.

 

Esclareço que adoro futebol desde pequenino e que sou adepto ferrenho do Benfica, clube que tem sido, como muitos outros, prejudicado abundantemente por arbitragens em vários jogos e nunca deitou medalhas fora, os seus jogadores nunca deram empurrões aos árbitros com o peito e se habituou a continuar a sua vida depois dos prejuízos. Enfim, feitios…

 

Como se sabe, não vale a pena recorrer aos tribunais nesta matéria porque nunca há testemunhas e quando há, têm sempre profissões ou exerceram actividades que no entender dos Senhores Juízes retiram credibilidade aos testemunhos.

 

Acresce que se joga recorrentemente mau futebol nos relvados e por norma, os espectáculos são maus e excessivamente caros para os preços dos bilhetes. Daí que, progressivamente, sem que o meu fervor clubístico tenha diminuído, diminuiu substancialmente o meu interesse pelo futebol.

 

O que é mais grave do que essa opção individual é que o que se passou esta semana em Portugal, mostra que vivemos num país alucinado, em que o futebol já chegou ao ponto de induzir delinquência. O futebol deixou de ser um desporto profissional e passou a item do relatório de segurança interna. Para além do pormenor de que, evidentemente, existem muito mais assuntos a merecer a atenção e as energias do país do que o episódio Lucílio Baptista.

 

Os poderes públicos do futebol, por seu lado, nos quais o Estado delega poderes públicos, são de uma indigência confrangedora. Ainda no futebol, por que raio seria diferente o futebol do resto da sociedade e dos poderes?..., é flagrante a diferença da sua actuação relativamente ao que acontece nos países europeus com que temos a mania de nos comparar. Quer a Federação Portuguesa de Futebol, quer a Liga de futebol agem quotidianamente como se nada se passasse no futebol.

 

Vivemos actualmente num país alucinado. E o futebol é apenas um exemplo de vários que o demonstra. Se migrarmos do futebol para a crescente violência nas escolas e na sociedade em geral, teríamos ainda mais que conversar. É triste. Não tarda, precisamos de entregar o poder a psicólogos e psiquiatras.

(publicado na edição de hoje do Semanário)

(Foto)

 



publicado por Jorge Ferreira às 09:49 | link do post | comentar

Terça-feira, 10.02.09

Dantes queixavam-se os urticários da bola que o país só discutia animais como águias, leões e dragões, por ordem decrescente de importância. Que havia coisas mais importantes e tal. Agora, discutem-se coelhos e vacas. Também não querem. Por estas e por outras é que os grupos de defesa dos animais passam à luta armada não tarda.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 18:05 | link do post | comentar

Sábado, 24.01.09

Em Portugal os licenciamentos oscilam entre os lentos e os ultra-rápidos. Estranho.



publicado por Jorge Ferreira às 12:15 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Quarta-feira, 21.01.09

Triste gente, triste país. Imortal e valente, resta a Nação.



publicado por Jorge Ferreira às 15:14 | link do post | comentar

Segunda-feira, 08.12.08

O Governo anda atrás de porcos irlandeses. Espero que não seja vingança pelo resultado do referendo sobre o Tratado de Lisboa...



publicado por Jorge Ferreira às 18:54 | link do post | comentar

Portugal não produz os porcos todos de que precisa.



publicado por Jorge Ferreira às 14:58 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 01.12.08

A data de hoje ou, em alternativa, a de 5 de Outubro de 1143, devia ser solenemente comemorada pela Assembleia da República como os dias da independencia nacional. É verdadeiramente estranho que nenhum orgão de soberania, Tribunais obviamente à parte, não comemore de forma solene a independencia de Portugal.



publicado por Jorge Ferreira às 21:56 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.11.08

O ex-administrador do BPN José Oliveira e Costa vai ficar em prisão preventiva, por decisão do Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa. Se há uns meses atrás informássemos um português que um dia haveria um banqueiro português preso pelas autoridades, seríamos corridos de ingénuos e, no limite, de tontos. Ouviríamos que cá nunca acontece nada, mais o chorrilho de frases de táxi, como lhes chamo, onde se proclamam verdades universais absolutas sobre a triste sina da Pátria. Convenhamos: se até Queiroz consegue enganar os mesmos mais do que uma vez, por que raio não hão-de acontecer outras coisas?



publicado por Jorge Ferreira às 22:48 | link do post | comentar

Sábado, 15.11.08

Descubro, ainda n' A Bola, que o antigo jogador de futebol Ricardo Sá Pinto é, nem mais nem menos, do que, tomem bem nota, senhoras e senhores, meninos e meninas, e a todos que escutam a emissão internacional do Tomar Partido, embaixador da PT para o desporto escolar! Ena pá, isto é que é vida. O que fará ele nas delicadas missões diplomáticas de que está por certo incimbido? Vende serviços da PT à criançada? Vende a necessidade de uma alimentação saudável para se ser um bom desportista escolar?



publicado por Jorge Ferreira às 16:04 | link do post | comentar

Segunda-feira, 10.11.08

"Portugal precisa de uma liderança limpa, que seja capaz de enfrentar, efectivamente, os grandes 'lobbies', pois não está condenado a ser um país miserável, em que alguns se preocupam mais com o desperdício na atribuição do rendimento mínimo do que com outros monumentais roubos de 'colarinho branco'.

Rui Costa Pinto, no Crónicas Modernas.



publicado por Jorge Ferreira às 14:23 | link do post | comentar

Sábado, 01.11.08

Vim a Lisboa num instante. E tirei as minhas dúvidas. Umas voltas rápidas ao El Corte Ingles e ao Oeiras Parque tiraram-me as dúvidas que ainda tinha. É oficial: o Natal, para o comércio, começa a 1 de Novembro. Não há ocorrência mais lamentável do que esta estupidez. Os funcionários públicos recebem o subsídio de Natal para o final deste mês. Os das empresas privadas, os que recebem essa pérola do estado social, que os há e muitos que nem lhe vêem o cheiro, receberão lá para meados de Dezembro. Qual é a ideia deste pessoal? Vi muita gente a passear e a vigiar gulosa mas melancolicamente os objectos à venda. Eles consomem com os olhos, agora que já não podem consumir mais com o crédito. Não comprarão. Algo não bate certo naquelas ruas de consumo para onde melancolicamente emigraram os tempos livres da classe média portuguesa. O comércio gastará mais electricidade. As vendas não aumentarão por causa disso. É a crise.



publicado por Jorge Ferreira às 20:08 | link do post | comentar

Domingo, 12.10.08

"O princípio a abater era, necessariamente, o da contabilidade salazarista – «não gastar mais do que se ganha», essa moral pequenina. E havia sempre o futuro, essa espécie de ameaça, de incógnita: uma doença inesperada, um filho na universidade, um azar. Antes do paraíso terreno, a vida era muito pequena e modesta. Que me lembre, ao ler os últimos vinte anos da literatura portuguesa (cada um tem as suas fontes), há muito glamour e dívidas aos bancos, viagens ao Índico e a Nova Iorque, casas copiadas das melhores revistas de arquitectura e um linguajar que nos não pertence."

 

Francisco José Viegas, n' A Origem das Espécies.

 

No fundo, os mesmos portugueses de sempre. Desde quinhentos a viver à custa alheia. Acabou. Acabou? Beluga? Hum....



publicado por Jorge Ferreira às 20:29 | link do post | comentar

Sexta-feira, 19.09.08

As dificuldades do dia-a-dia, e não as há poucas hoje, distraem-nos muitas vezes das constantes que atravessam os tempos. E é útil ganhar distância e analisar o percurso das sociedades para perceber se algo mudou, se não mudou e se se ganhou alguma coisa com isso.

 

Supostamente Portugal mudou com o 25 de Abril. Basicamente a história é esta: durante 48 anos vivemos nas trevas e entretidos com coisas de somenos para deixar em tranquilidade uma ditadura eternizar-se no tempo. A partir do Abril miraculoso tudo mudou.

 

Mas ao olharmos para o Portugal de hoje será que tanto terá mesmo mudado assim? Não, não mudou. E é isso que talvez explique, independentemente dos valores políticos que se professem, o realce com que a história se tem encarregado de projectar Salazar na contemporaneidade do país.

 

Continuamos o país pequeno que éramos e os negócios públicos continuam dominados por um pequeno grupo que orquestra algumas instituições do regime a seu benefício. Igual. As polícias estão concentradas num cume que tem epicentro na residência oficial da Imprensa à Estrela onde havia um galinheiro para poupar dinheiro aos contribuintes nas refeições do antigo Presidente do Conselho. Ai o que isto lembra…, embora a esquerda agora engula, dócil, tudo o que antes vituperava sobre polícias e ladrões.

 

Mas com José Sócrates o regresso ao passado assume contornos misteriosos. Depois da proclamação “para Angola e em força!” surge agora o regresso do sonho petroquímico de Sines. Esta semana o primeiro-ministro, José Sócrates, afirmou que o actual clima de negócios em Portugal permite o regresso ao sonho da década de sessenta, de construir em Sines um dos maiores complexos petroquímicos do mundo.

 

José Sócrates falava no final da sessão que assinalou a ampliação do complexo petroquímico de Sines da Repsol, projecto de investimento avaliado em mil milhões de euros, que numa primeira fase criará 1500 postos de trabalho. O projecto de investimento deverá ser concretizado até 2011 e, numa segunda fase, criará cerca de 500 postos de trabalho permanentes.

 

Após os discursos do presidente da Câmara de Sines, do ministro da Economia, Manuel Pinho, e do presidente da Repsol, Bru Fau, Sócrates sublinhou a dimensão do investimento da petrolífera espanhola em Sines. O conjunto de investimentos previstos para Sines nos próximos anos mostram que está de regresso o seu sonho de ter um dos maiores complexos petroquímicos do mundo"!, declarou.

 

E pronto: assim, de mansinho, em pezinhos de lã, lá regressámos ao elefante branco que todo o país que pensava na década de sessenta criticava ao Estado Novo: Sines! Depois da esquerda ter recuperado o futebol, ter recuperado Fátima, ter fadistas, pasmem oh gentes!, fadistas, sim, continua a recuperação do Portugal moderno. Ah, grande esquerda, tão diferente, mas tão igual. Agora dedica-se a recuperar os sonhos da década de sessenta. Sócrates ainda há-de ter uma casa museu lá para 2080, em Vilar de Maçada.

(publicado na edição de hoje do Semanário)

 



publicado por Jorge Ferreira às 11:44 | link do post | comentar

Segunda-feira, 30.06.08

De vez em quando, cada vez mais de quando em quando, é fundamental desenjoar da Pátria. Nas férias desenjoa-se da Pátria indo até ao Algarve onde, segundo Torga, até a Pátria metia férias. Fora isso, qualquer lugar é bom para fazer de conta que não se vive num país onde campeia a mediocridade. Não ler jornais, não ouvir rádio nem ver televisão. Não atender às coisas pequeninas em que se esvai o dia-a-dia e, no fundo a vida apressada de todos e cada um. De preferencia mergulhar na Natureza, onde tudo parece perfeito. E onde, sobretudo, não se ouve falar de Sócrates, dos seus tiros ridículos, dos seus livros bajuladores, dos seus joggings ou do seu tabaco.

 

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 00:07 | link do post | comentar

Terça-feira, 24.06.08

Os portugueses são os cidadãos da União Europeia mais pessimistas quanto ao seu futuro próximo, com apenas 15 por cento a acreditarem que a sua vida vai melhorar nos próximos 12 meses, revela um inquérito divulgado hoje pela Comissão Europeia. Este indicador, que recomenda o politiquês que se diga que vale o que vale, mostra o estado a que chegou o Governo a quase um ano de eleições e o estado em que o Governo colocou o país. Durante meses a fio e numa atitude de pura irresponsabilidade política o Governo ignorou os sinais, os avisos e a crise. Agora é o inenarrável ministro da Economia que diz que o pior está para vir. Com treinadores assim como é que a equipa há-de jogar alguma coisa? Estes 15% são uns curtidos.
 



publicado por Jorge Ferreira às 15:45 | link do post | comentar

Terça-feira, 10.06.08

 

 

Esta fotografia fui "pilhá-la" ao blogue de Pedro Rolo Duarte. Não sei porquê, mas apeteceu-me lembrar a história.



publicado por Jorge Ferreira às 13:31 | link do post | comentar

Sábado, 07.06.08

Apesar de haver assuntos mais importantes nas nossas vidas, apesar de haver muitas cabecinhas que pensam que só nos deveríamos preocupar com os assuntos que eles acham que são importantes, apesar do futebol português estar a atravessar uma fase de vergonha, apesar de a selecção, com a triste lesão do Quim, ir disputar um Europeu sem um bom guarda-redes que seja, apesar de não haver pachorra para os disparates laudatórios dos jornalistas (no Rádio Clube Português então o desvario é total e absolutamente enjoativo!), apesar de ter trabalhos de alunos para corrigir e notas para dar, apesar de ter vários compromissos que não me apetecia nada ter, apesar de continuar a ser desgovernado pelo Partido Socialista, apesar de saber que não vai faltar quem se vá aproveitar desta fase de overdose de futebol para mais umas negociatas com o Estado, apesar de ser difícil encontrar outras notícias nos jornais e apesar de termos de levar com telejornais repetidos com as mesmas peças sobre a mãe do Ronaldo, as irmãs do Ronaldo, a namorada do Ronaldo, a tosse do Ronaldo, o clube do Ronaldo, o estado de espírito do Ronaldo, a roupa do Ronaldo, apesar de tudo e de muito mais, BOA SORTE, PORTUGAL!

 

(publicado também no Camara de Comuns)

 

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 16:52 | link do post | comentar

Segunda-feira, 02.06.08

Provavelmente nenhuma figura institucional do regime admitirá publicamente que o futebol analgésico é tão útil hoje à democracia como o foi à ditadura.



publicado por Jorge Ferreira às 19:05 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 30.05.08

Vinte e dois anos depois de termos entrado nas Comunidades Europeias e depois de milhões de contos e de euros investidos em tudo e mais alguma coisa, é triste verificar que Portugal piorou a sua situação relativa em comparação com os outros Estados da União Europeia em indicadores sociais e de desenvolvimento. Esse dinheiro foi investido para que o país e os seus cidadãos convergissem com os países e com os povos mais desenvolvidos e o que sucedeu é em vez de convergirmos, divergimos. Desse ponto de vista encontramo-nos todos a viver a consequência de uma oportunidade perdida.

É fácil apontar o dedo aos políticos que negociaram os fundos, que decidiram os fundos, que distribuíram os fundos, que gastaram os fundos. E eles terão enormes responsabilidades no fiasco europeu. Mas é preciso perceber que o problema é mais fundo que essa responsabilidade principal. E que esse problema tem que ver com uma falta de exigência cívica colectiva de rigor e competência.

A forma como a sociedade portuguesa se indigna periodicamente com a pobreza, simplesmente a propósito de um relatório internacional ou de um artigo mais polémico de um colunista é um paradigma do que pretendo significar com a falta de exigência cívica de que falo.

É essa cultura de facilidade que perpassa em toda a sociedade de uma forma geral que também explica que se tenha chegado a um ponto em que cada português deve em média quinze mil euros a instituições financeiras. A dívida dos portugueses às instituições financeiras somou quase 150 mil milhões de euros no ano passado, o que significa que cada português, em média, deve 15 mil euros.

Esta é a conclusão do relatório sobre a estabilidade do sistema financeiro divulgado esta semana pelo Banco de Portugal. O montante do endividamento de 2007 representa 91 (!) por cento da riqueza produzida pelo país no último ano. 

 

No mesmo, o banco central manifestou preocupação por a taxa de endividamento dos portugueses ter subido de 124 para 129 por cento do rendimento disponível apenas num ano. E alerta para o perigo de um número elevado de famílias não cumprir as obrigações financeiras porque “o accionamento de hipotecas teria graves consequências do ponto de vista social, dada a importância da habitação como bem de primeira necessidade e o deficiente funcionamento do mercado de arrendamento”. Assim se mede o quanto se vive acima do que se pode e do que se produz em Portugal.

 

Quanto à taxa de poupança dos portugueses, desceu em 2007 pelo sexto ano consecutivo. No ano passado, a poupança foi 7,9 por cento do rendimento disponível. O sobreendividamento e a pobreza são as duas faces do atraso económico e social.

 

A este cenário já de si pouco recomendável regista-se agora uma brutal alta de preços nos combustíveis, com todas as consequências demolidoras que isso tem em toda a economia, desde a desactivação de pequenas empresas, ao sequente desemprego até aos aumentos nos preços da alimentação. Situação que, como facilmente se percebe produz mais pobreza.

 

Ou percebemos todos, Estado e cidadãos, que só se pode começar a dar a volta ao assunto com mais responsabilidade social de todos ou nada feito.

 

 

(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)



publicado por Jorge Ferreira às 16:27 | link do post | comentar

Quarta-feira, 07.05.08

Apesar de tudo, longe dos centros comerciais, há um país que areja e se consegue divertir. Em Alpedrinha vai haver uma festa da cereja que mete caminhada pela Gardunha a 17 de Maio. É o programa ideal para desmoer da festa de 10 de Maio, em Tomar, no Mouchão Parque: o XV Congresso da Sopa, onde as candidaturas são ao gosto do freguês e com a vantagem de não ter de ser militante do Partido respectivo.



publicado por Jorge Ferreira às 00:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 04.03.08
"Quem quer ter ilhas, paga-as", disse o inenarrável Jaime Ramos da Madeira. Eu só quero saber se me vão perguntar alguma coisa ou se deram por adquirido que eu quero ter ilhas ...


publicado por Jorge Ferreira às 23:19 | link do post | comentar

Sexta-feira, 29.02.08
Muitos milhões de euros de fundos comunitários depois de 1986, Portugal continua com índices vergonhosos de pobreza adulta e de pobreza infantil. Continua com um défice de produtividade das suas empresas que compromete a competitividade e a empregabilidade da economia. Continua com uma população jovem deficientemente preparada pelas escolas para enfrentar o mundo real.

Esta semana vimos um alto responsável universitário contestar que os cursos superiores sejam avaliados pela sua empregabilidade, alegando até que há cursos muito bons que têm pouca empregabilidade. Esquecendo que vive num país com recursos escassos que tem de definir prioridades.

A chamada crise social tem sido disfarçada à custa do assistencialismo público e do meritório esforço de uma miríade de instituições de solidariedade social. Portugal continua um país pobre, porque não teve sucesso na maior riqueza que tem: as pessoas. Sem riquezas naturais como ouro ou petróleo, sem colónias, resta enfrentarmo-nos a nós próprios.

Mas não é fácil vermo-nos ao espelho. A imagem não é boa nem bonita. Como sociedade fraca que somos estamos sempre à espera que o Estado ou alguém por nós resolva o que depende em primeira instância de nós próprios. Não queremos trabalhar mais e não admitimos ganhar menos. Culpamos sempre os outros, o célebre “eles” dos males do mundo.

É importante dizer a bem da verdade que existe uma parte da pobreza que não o é. Há quem prefira os subsídios da segurança social e os biscates ocasionais ao trabalho efectivo. Temos engenheiros, professores universitários e pessoas altamente formadas e preparadas de nacionalidade russa e ucraniana a trabalhar como jardineiros, por exemplo, porque não há portugueses que estejam dispostos a sujar as unhas. Há muitos à procura de emprego e poucos dispostos a ter trabalho. O Estado alimenta esta preguiça parasitária chamando-lhe “políticas sociais”.

Esta situação exige novas ideias e o abandono de preconceitos ideológicos politicamente correctos.

Não é isso que está a acontecer. O país continua adiado, com as instituições públicas atoladas em dívidas, a começar no Estado e a acabar nas autarquias. Dívidas que vão disfarçando com novas dívidas e não resolvendo com os necessários cortes na despesa. As eleições comprometem a verdade. Ganham-se com dinheiro e não com poupança. O Governo já começou a recuar nalgumas tímidas reformas que tentou encetar. Na saúde, na educação, na suave dilatação da despesa. Reproduzindo o modelo que nos conduziu à situação presente.

A SEDES, histórico alfobre da elite de governantes do bloco central, com sucessivas responsabilidades governativas, veio dizer o que todos sentem. O que espanta é ter sido considerado uma novidade o alerta sobre a crise social do país. E a ausência de autocrítica. Mas é assim Portugal. Os mesmos sempre a dizer o mesmo dos mesmos. Talvez por isso o povo, cansado da fatalidade, responda com perigosa e crescente indiferença aos alertas, às críticas e aos problemas.
(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)


publicado por Jorge Ferreira às 00:26 | link do post | comentar

Sábado, 23.02.08
O ambiente está pesado, demasiado pesado, no país e no mundo. Não, não é só a SEDES, não é só o que se sabe, mas sobretudo o que não se sabe (ainda?) que está a tornar o ar de Portugal literalmente irrespirável. Para desanuviar aqui fica um link útil. Telegramas em chocolate. Estou cá a pensar se não vou enviar alguns a algumas pessoas que andam por aí. Já tínhamos telegramas telefonados, que caíram em desuso com os sms's. Já tínhamos telegramas em papel, via CTT, que caíram em desuso com os sms's. Estes telegramas em chocolate têm a vantagem de resistir aos sms's e de serem comestíveis. Até ao dia em que inventarem telemóveis com sabores.


publicado por Jorge Ferreira às 12:48 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 19.02.08
"Eu, português, 43 anos, sobrevivente a recibos verdes, que todos os meses pago 200 euros de segurança social para viver na maior das inseguranças, que senti a minha qualidade de vida baixar consecutivamente nos últimos anos, não consigo ver o país como o primeiro-ministro José Sócrates vê."
Pedro Rolo Duarte.


publicado por Jorge Ferreira às 09:57 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 06.01.08
3 milhões de carros fantasmas. Uns centos de milhar de eleitores fantasmas. Um terço do PIB de economia paralela. Um terço de criminalidade fantasma não denunciada. Um país, dois sistemas. Francamente, da maneira que isto anda não sei em que país se viverá melhor, se no Portugal oficial, se no Portugal fantasma.


publicado por Jorge Ferreira às 13:48 | link do post | comentar

Sexta-feira, 04.01.08
O regresso à Terra de José Sócrates está a doer. Apesar da mitomania da mensagem de Natal, o Primeiro-Ministro deve estar agora a concluir que o povo não partilha das suas façanhas eurocráticas, nem está disposto a verter uma lágrima, como José Sócrates verteu, pelo notariado exercido na assinatura do Tratado de Lisboa. É caso para dizer, diz-me com o que te emocionas, dir-te-ei quem és.

O povo é mais comezinho. A fumar ao frio e à chuva, com urgências a fechar, mais desemprego, preços a aumentar e o empobrecimento geral a toldar os espíritos mais optimistas, veio juntar-se agora a recomendação de Ferro Rodrigues: “menos arrogância”. Duvido que alguém no PS oiça a recomendação, apesar de modesta (“menos”, ou seja, para Ferro é admissível alguma arrogância, mas não em excesso). O PS está fascinado. E o país, desmoralizado.
(publicado na edição de hoje do Democracia Liberal)


publicado por Jorge Ferreira às 00:01 | link do post | comentar

Sexta-feira, 28.12.07
É de bom tom fazer balanços quando se aproxima o fim do ano. Este ano é relativamente fácil proceder ao exercício. E que bem sabe escrever para dizer bem. Passamos os dias a criticar, a zurzir, a lamentar, a crucificar as desditas do destino, por vezes julgávamos até que a divina imprudência nos tinha reservado uma safra dos piores para tratar dos nossos assuntos. Até que chega o dia. O tão esperado e ansiado dia em que podemos escrever bem.

Em 2007 o desemprego baixou. Sim, não se admirem. José Sócrates prometeu e cumpriu. Cada vez menos portugueses precisam de receber subsídio de desemprego. Cada vez mais portugueses trabalham, contribuindo para aumentar a produtividade e a riqueza nacional. É por isso que os portugueses andaram mais contentes, contagiando o clima social do país.

Em 2007 foi possível baixar os impostos, aumentando o rendimento disponível das famílias e das empresas, libertando recursos para o consumo, o que pressiona a produção de bens e serviços e para o investimento, o que tem permitido aumentar postos de trabalho e as exportações. José Sócrates, que prometeu não aumentar os impostos, excedeu-se e até os baixou! Como deve estar feliz por ter desrespeitado uma promessa eleitoral para mais e não para menos.

As empresas diminuíram os custos com a burocracia e podem hoje decidir e agir mais rápido, em função da economia e não em dependência da administração. Para fazer grandes negócios e escolher administradores já não é preciso esperar pela opinião do ministro das Finanças, nem pela indicação do gabinete do Primeiro-Ministro.

Os trabalhadores, salvo algumas ovelhas ranhosas, as do costume, decidiram trabalhar mais e produzir melhor para contribuírem para o esforço nacional de recuperação da economia, tendo finalmente percebido que só é possível distribuir mais riqueza se se produzir mais.

Em 2007 o Estado reduziu a despesa corrente, extinguiu serviços inúteis, aumentou a eficácia dos serviços úteis, como por exemplo nas áreas da Justiça e da segurança. Reduziu-se o tempo de espera dos processos em tribunal, investiga-se a criminalidade mais rápido, diminuíram os homicídios, os gangs e as máquinas multibanco dormem mais seguras durante a noite.

Em 2007 as autarquias deram o exemplo, gastando menos, reduzindo as suas dívidas, extinguindo empregos políticos e extinguindo empresas municipais.

Em 2007 os políticos honraram as promessas feitas nas campanhas eleitorais. O PS vai propor o referendo ao Tratado de Lisboa, o PSD continua fiel à promessa de realizar o referendo, e ambos os partidos decidiram empreender um programa de despartidarização da administração pública e das empresas do Estado. Pela primeira vez na história o Presidente da Caixa de Depósitos não tem partido e nenhum dos seus administradores é filiado em nenhum partido. Até no CDS se abandonaram as golpalhadas. Paulo Portas foi leal aos princípios e aos mandatos e aguarda democrática, civilizada e educadamente o fim do mandato de Ribeiro e Castro para se candidatar outra vez. Sem agressões, gritos, empurrões.

O Governo deu o exemplo, deixando o mercado funcionar e foi possível assistir a OPA’s vitoriosas sobre a PT, por exemplo.

Na Educação, o balanço é extraordinário. Os alunos falam e escrevem melhor o português, já não é preciso o célebre despacho da ministra a permitir passagens administrativas para garantir as estatísticas do sucesso.

O que se passou no país este ano teve, aliás, total correspondência em Aveiro. Resolveram-se problemas, saldaram-se dívidas, todos estão de parabéns. A notícia de que Élio Maia terá anunciado na sessão de ontem da Assembleia Municipal que a dívida da Câmara a curto prazo aumentou 6,4 milhões de euros não passa seguramente de uma brincadeira de Carnaval, que, como todos sabem, vem logo a seguir ao Natal. Sentido de humor não falta, felizmente, ao Presidente da Câmara. As 29 medidas anunciadas em Junho para resolver o problema financeiro da Câmara foram de uma eficácia notável. Talvez por isso, estão na forja mais 29. A este ritmo, ninguém pára Aveiro.

É assim, com gosto e prazer que escrevo este último artigo do ano para o Diário de Aveiro. Compreenderão certamente os leitores que este ano já não é necessário desejar um próspero Ano Novo a ninguém. Ele será próspero. Como é evidente.
(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)


publicado por Jorge Ferreira às 00:05 | link do post | comentar

Sexta-feira, 07.12.07
Portugal deve ser o país do mundo onde mais se investiga. Todos os dias a comunicação social nos informa de que uma multiplicidade de entidades públicas se dedicam ao meritório esforço de investigar. Investigam-se empresas, cidadãos, negócios. Um sortido de polícias, instituições, reguladores, fiscais, dedicam-se a saber da vida alheia no sentido de zelar pelo cumprimento da legalidade, aliás, neste momento uma espécie de ciência oculta quase indecifrável para os técnicos do Direito, quanto mais para o cidadão comum, dada a profusão de leis, rectificações, correcções, versões com que o Estado brinca aos legisladores.

Exemplos não faltam todos os dias. Sobreiros, submarinos, financiamento de partidos, jogadas na bolsa de valores, furacões, apitos de cores várias, bancos, restaurantes, feiras, negócios, autarquias, gangs, máfias, mafiazinhas e mafiazonas, terroristas, bombistas nocturnos, carjackers, os próprios polícias, tudo em Portugal é passado a pente fino. Para o ano, também os fumadores.

Mas os investigadores são imparáveis. Querem sempre investigar mais. Por isso, até os serviços de informações querem agora poder fazer escutas por causa do terrorismo (dizem eles, embora eu não esteja muito convencido que o Alqaedistão passe por aqui). Os investigadores transformam-se perversamente em glutões investigatórios. A investigação é uma espiral patológica de necessidades.

Ora, com isto, gasta a República incontáveis milhões, que saiem de onde, adivinhem os leitores?... Pois claro, do orçamento do Estado! E o dinheirinho do orçamento, vem de onde, adivinhem os leitores? Pois claro, do nosso bolso. A Nação trabalha afanosamente na ilusão de que está a contribuir para o cumprimento da lei, pagando as logísticas e os ordenados de um exército de investigadores. São cidadãos, como todos os outros, a quem pagam para vasculhar a vida alheia. E que precisam de computadores, de papel, de canetas, de ar condicionado, de casas com telhado, de gabinetes, de carros, de colegas, de testemunhas.

Aqui chegados, cumpre perguntar: e então os resultados? Sim, os resultados? De tanta energia deve haver algum resultado concreto. Pois. O problema é que o Estado não tem capacidade para atingir os resultados. Os milhares de coimas por pagar, os milhares de processos instruídos pela ASAE a que o Ministério Público não consegue dar resposta, as milhares de impugnações judiciais a que os Tribunais reservam as gavetas da Sra. D. Morosidade Judicial de Portugal (por favor, não vão à lista telefónica, que a morada e o respectivo número são pagos pelo Estado e, naturalmente, confidenciais).

Resta então o quê? A quadrilhice. Desde logo a quadrilhice jornalística, comercialmente bombástica, mas na prática inconsequente. Depois, a quadrilhice do boca-a-boca, a boataria, um desporto popular gratuito que é de borla e ajuda a passar o tempo.

Resultados é que não há. Chama-se a este fenómeno impunidade e a impunidade é o vírus da legalidade. É assim que vivemos e nada me garante que não é assim que como povo sábio seja assim que nos sentamos e nos sentimos felizes para sempre. Nunca nenhuma lei proibiu os chico-espertos. É por isso que os encontramos nas estradas, nas repartições, nas lojas e até como deputados. Abençoado país.
(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)


publicado por Jorge Ferreira às 00:24 | link do post | comentar

Sábado, 01.12.07
(Fonte)

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 16:53 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29.11.07
(Ficha do livro)

" ... o nosso sistema dito semipresidencialista é inadequado ás circunstâncias do tempo português, porque não assegura a continuidade das políticas nem responsabiliza os seus principais agentes; que temos uma economia cada vez mais debilitada e incapaz de suportar o peso do Estado, que se transformou numa espécie de asilo da Nação; que a importância relativa dos nossos gastos públicos nos arruinará no espaço de uma década se não forem reformadas, com urgência e nomeadamente, as políticas de remuneração do pessoal público e das prestações sociais, com saliência para a Educação, a Saúde, a Segurança Social e a Caixa Geral de Aposentações; que mantemos um sistema fiscal pesado, iníquo, instável e inutilmente complicado, cuja produção global de receitas excedeu já os limites convenientes: que os sistemas de ensino, de formação e de justiça são um autêntico desastre, ao serviço do nosso atraso; que os principais partidos políticos estão cada vez mais desacreditados e são meros instrumentos de clientelas, de amigos obedientes e de interesses muitas vezes pouco claros; que os partidos políticos não cumprem as leis que eles próprios criam; prometem o que sabem não cumprirão, criticam na oposição o que fazem no Governo e desculpam-se neste daquilo que é indesculpável não conhecer; que a Administração Pública é demasiado burocratizada e quase sempre nociva ao desenvolvimento; que o Estado, noutros tempos intervencionista, perdeu todos os instrumentos de que se servia e não pode agir nas economias abertas e insinuar práticas keynesianas sem sentido e sem alcance; que a social-semocracia, que todos os partidos parlamentares substantivamente defendem, foi produto da prosperidade económica ora desaparecida e se encontra esgotada pela globalização".
Medina Carreira
Não surpreende que não se fale muito deste livro. Ao sistema não convém exibir a sua nudez.


publicado por Jorge Ferreira às 15:18 | link do post | comentar

Quinta-feira, 18.10.07
Ainda foi ontem que se desarmaram os toldos das praias. A noite está quente, lembrando as noites de Verão. Hoje já se vende bolo-rei em Lisboa.

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 22:45 | link do post | comentar

Sábado, 13.10.07
Podia falar do Congresso do PSD, da nova Basílica de Fátima, do discurso do Cardeal Bertone, ainda e sempre do Orçamento de Estado, de Catalina Pestana. E de muitas outras coisas. Aparentam novidade. São a actualidade do fim de semana. O que é diferente de serem novidades. Aliás, este tempo que vivemos de obsessão com as novidades, é perigoso. O mundo está velho, muito velho e demasiado igual ao que sempre foi, para celebrar aparentes novidades. E a actualidade, por vezes, cansa. Foi o que me aconteceu este fim de semana. Não me apetece a actualidade. Talvez porque não seja, precisamente, novidade. Isto passa.


publicado por Jorge Ferreira às 21:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)

JORGE FERREIRA

tomarpartido@sapo.pt

visitantes em linha

English version by Google
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30



DESTAQUES




TAMBÉM ESTOU AQUI

Jorge Ferreira

Cria o Teu Crachá

Aveiro
Comunicar a direito
Democracia liberal
Diário de aveiro
Jorge ferreira
O carmo e a trindade
O templário
Terras de mármore
Tv net

O PARTIDO DOS AMIGOS

A cagarra
Alinhavos
Cão com pulgas
Eclético
Faccioso
Ilha da madeira
Fumaças
Mais actual
Meu rumo
Paris
Sobre o tempo que passa
Tubarão


OUTROS PARTIDOS

A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A gota de ran tan plan
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A regra do jogo
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arpão
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blogue real associação de lisboa
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Café Bar James Dean
Café da insónia
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Cegos mudos e surdos
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
Cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Despertar da mente
Direito de opinião
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

É curioso
É tudo gente morta
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estado sentido
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Falta de tempo
Filtragens
Fliscorno
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fúria dos dias

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hic et nunc
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
João Távora
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Largo das alterações
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Maioria simples
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Neorema
Nocturno
Nortadas
Notas formais
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O bom gigante
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Office lounging
Outra Margem
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Patriotas.info
Pau para toda a obra
Pedra aguda
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Revisões
Ricardo.pt
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Small brother
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Tenho dito
Teorias da cidade
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
There is a light never goes out
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

PARTIDOS DOS ALUNOS

Ao sul
As cobaias
Fados e companhia
O cheiro de santarém pela manhã
Platonismo político
Projecto comunicar

PARTIDOS DE ABRANTES

Abranteimas
Rua da sardinha
Torre de menagem

PARTIDOS DO ALGARVE

Mons cicus
Olhão livre
Tavira tem futuro
The best of lagos

PARTIDOS DE AVEIRO

A ilusão da visão
Academia de aveiro
Actas diárias
Amor e ócio
Arestália
Aveiro sempre
Bancada directa
Bancada norte
Blog de sergio loureiro
Botanabateira
Código da vivencia
Cogir
Debaixo dos arcos
Desporto aveiro
Divas e contrabaixos
Estados gerais
Forum azeméis
Já agora
Margem esquerda
Neo-liberalismo
Nós e os outros
Notas de aveiro
Notícias da aldeia
Noticias de ovar
Painéis de aveiro
Pontos soltos
Portal do beira-mar
4linhas
Quotidiano da miséria
7 meses
The sarcastic way
Visto de fora
Vouga

PARTIDOS DE OEIRAS

À rédea solta
Escrever sobre porto salvo
Eu sou o poli­ticopata
Oeiras local
Rememorar oeiras

PARTIDOS DE TOMAR

Alcatruzes da roda
Algures aqui
À descoberta de tomar
Charneca da peralva
Nabantia
Olalhas
Os cavaleiros guardiões de sta. maria do olival
Sondagem tomar
Tomar
Thomar vrbe
Tomar, a cidade
Tomar a dianteira
Vamos por aqui

PARTIDOS DE VILA VIÇOSA

A interpretação do tempo
Infocalipo
O restaurador da independencia
Tasca real

PARTIDOS POÉTICOS

Arrimar
Corte na aldeia
Forja de palavras
Linha de cabotagem (III)
Nimbypolis
O melhor amigo
Ofí­cio diário
Orgasmos dos sentidos

PARTIDOS DAS ÁGUIAS

A águia
A ilíada benfiquista
A mística benfiquista
Amo-te, benfica
Anti-anti-benfica
Benfiquistas desde pequeninos
Calcio rosso
Chama imensa
Diário de um adepto benfiquista
E isso me envaidece
E pluribus unum
Encarnados
Encarnado oriental
Encarnado e branco
Eterno benfica
Football dependent
Gloriosa fúria vermelha
Glorioso jornal
Gordo vai à baliza
Javardos benfiquistas
loucos pelo slb
Mágico slb
Mar vermelho
Memória gloriosa
Não se mencione o excremento
Novo benfica
O antitripa
O inferno da luz
O grémio benfiquista
Os nossos queridos jornalistas desportivos
País de corruptos
Quero a verdade
Ser benfiquista
Slbenfica - forever champions
Slblog
Tertúlia benfiquista
Um zero (1-0) basta
Vermelhovzky
Vedeta da bola
Vedeta ou marreta?
Velho estilo ultras
Vermelho à moda do porto

PARTIDOS DA BOLA

Cromo dos cromos

PARTIDOS DO DIREITO

Ab surdus
Assembleia de comarca
Blog de informação
Blog do dip
Cartilha jurídica
Cum grano salis
Direito na sociedade da informação
Dizpositivo
Elsa
Incursões
Iuris
Leituras oficiosas
Legalidade
Lex turistica nova
Mens agit molem
Notas constitucionais
O meu monte
Patologia social
Piti blawg
Ré em causa própria
Reforma da justiça
Rumo do direito
Santerna
Suo tempore
Trepalium
Urbaniuris
Vexata quaestio

PARTIDOS DA VIDA

Açores pelo não
Alentejo pelo não
(Des)conversas em família
Direito a viver
Évora pelo não
Fiat lux
Impensável
Jornal da família
Nebulado
Pela vida
Pelo não
Quero viver
Razões do não
Sinto a vida
Sou a favor da vida

PARTIDOS DA ARGENTINA

El opinador compulsivo

PARTIDOS DO BRASIL

Ação humana
Cronicas do joel
Depósito do maia

PARTIDOS DE ITÁLIA

Importanza dele parole

PARTIDOS DOS LIVROS

Blog do espaço de memória e do pátio das letras
D'outro tempo
Lerblog
Mundo pessoa

PARTIDOS DAS REVISTAS

Alameda digital
Leonardo, revista de filosofia portuguesa

PARTIDOS DA TAUROMAQUIA

Lides alentejanas
Toiradas

PARTIDOS DOS BLOGUES

aniversários de blogues
Blog do dia dn
Blogpatrol
Blogpulse
Blogsearch
Blogservatório
Blogs em lí­ngua portuguesa
Moblig
Orochi's blog
Sapo blogs
Technorati
Weblog

PARTIDOS DA POLÍTICA

Bloco de esquerda
Centro democrático social
Os verdes
Partido comunista português
Nova democracia
Partido social-democrata
Partido socialista


PARTIDOS DOS JOGOS OLÍMPICOS

Atenas 2004
Pequim 2008
Comité olí­mpico internacional
Comité olí­mpico de portugal

PARTIDOS DOS JORNALISTAS

a capital
Jornal do diabo
O comércio do porto



TAMBÉM JÁ ESTIVE AQUI
Blogue do não
Câmara de comuns
Eleições 2009
Nova vaga
Novo Rumo
O carmo e a trindade
O eleito
Olissipo
Ota não
Portal lisboa
RCP ONLINE
Semanário
Sportugal
Tomarpartido
ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags