Quinta-feira, 19.11.09

Confesso que uma minhas paixões antigas é o coleccionismo de postais antigos. Perdi-me horas nas descobertas do passado dos locais onde hoje via cores, prédios, edifícios, mudanças. O problema era obviamente a capacidade aquisitiva para a construção patrimonial correspondente. Hoje, descobri este blogue. Não hesitei um segundo: dei folga à Destreza das Dúvidas e decidi viajar de novo, agora com as vantagens inerentes às novas teconologias. Hugo, Lusapens e João Cristiano dão vida ao Portugal em Postais Antigos. É o Blogue da Semana aqui no Tomar Partido.Boa viagem a todos.



publicado por Jorge Ferreira às 10:31 | link do post | comentar

Quarta-feira, 18.11.09

Não está escrito em lado nenhum que o biorritmo só cresce. Também desce. Hoje é o caso. Pronto. É questão de esperar. E recomeçar. Com a fotografia nova que recebi no telemóvel e que apaguei com o meu providencial jeito para as tecnologias. Vem outra a caminho, para a montanha russa recomeçar a subida até aos céus infinitos da eternidade.

 

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 13:00 | link do post | comentar

Terça-feira, 17.11.09

Dizem-nos os registos que em 2005, Portugal assegurava, no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, não ter havido voos de aparelhos da CIA em território português, "desde a tomada de posse” do XVII Governo. Haja memória.



publicado por Jorge Ferreira às 11:09 | link do post | comentar

Domingo, 15.11.09

Pode estar uma partícula de felicidade num singelo arrebatamento pelo puxão insistente do sono e deixar-mo-nos sucumbir simplesmente, deixando todas  as metafísicas do mundo para o lado, na berma da estrada à espera que entretanto lhes mudem os pneus. Ou que lhes troquem as fitas das gravações. Às vezes dá muito jeito pensar que afinal não era a nossa voz, o nosso desejo, o nosso projecto que se ouviam das transcrições que o dia-a-dia foi de nós fazendo e que disso já somos feitos.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:32 | link do post | comentar

Quinta-feira, 12.11.09

Em tempos fui amavelmente convidado pelo João Gomes, salvo erro, para participar num blogue colectivo cheio de socialistas, credo!..., ao que me diziam. Até lá escrevinhava o Rui Paulo, posteriormente promovido ao estrelato dos estios de 2009 e com quem tive o prazer, que espero, aliás, repetir de ter uns simpáticos debates políticos na TV NET. Depois, preguiçoso, deixei andar e pouco escrevia. Depois, muito justamente e sem que tenha dado oportunamente dado por isso, fui despromovido a colaborador pontual do Camara de Comuns, nome muito certeiro politicamente e simpático civilizacionalmente. Agora, leio que o Paulo Ferreira informa acerca de uma pausa sabática e lá  vou eu, já deslumbrado com um escandaloso oportunismo, à boleia do pretexto. E eu, para aqui danadinho para pôr alguma ordem na minha blogoactividade, confesso, aproveito-me e sigo o rumo. Foi um prazer o convívio e um dia vemo-nos por aí. Agradeço apenas a paciência do convite, a tolerancia da leitura e o desaforo da falta da assiduidade.



publicado por Jorge Ferreira às 23:57 | link do post | comentar

Desculpe-me lá a urgência da Pátria e a importância dos elementos de que a Natureza nos molda. Mas hoje, a minha dúvida, é saber que resposta dar a um pedido de alunos. E se a marosca mete futebol - eles sabem tentar-me... - então a dúvida é promovida a suave tortura...



publicado por Jorge Ferreira às 23:50 | link do post | comentar

Horas ondulam entre o ser dia ou ser noite ou ser nem dia nem noite, porque não há, sem as horas saberem dizer-me se é noite ou se é dia porque elas também não sabem. Ou se são horas de que é que são horas. O tempo foi inventado, não me mintam mais. O tempo é o que o vibrato de dentro me diz, por entre sombras verdadeiras e sombras falsas, entre sombras inventadas por dedinhos da China, e sombras reais que já não conseguiram fugir a tempo de serem inventadas. Horas são o carrossel. Alguém liga ao céu quando anda no carrossel? Não. Liga aos bonecos, ao realejo e aos gelados.

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:48 | link do post | comentar

Domingo, 08.11.09

Em cada instante das nossas vidas se podem aprender coisas que ignorávamos que nos podiam fazer viver melhor. Por exemplo, não é preciso ser médico, muito menos gostar de tê-lo sido, para, mediante uns exercícios respiratórios simples, conseguir a lobrigar a paz pulmonar ( o muro caiu há 20 anos, perdoe-se a tentação linguística...). Não podem, pois, imaginar o prazer que dá fazer o flirt da autoterapia apenas para preparar um longo namoro com a noite e com as deambulações pelas palavras que ele sempre inesperada e surpreendentemente nos proporcionará. Quando conseguimos lá chegar e conseguimos porque alguém nos ensinou a conseguir chegar lá, não sei se saberia conseguir descrever-vos a sensação de vitória absoluta que isso nos transmite. Terminada essa parte da função ritual, outro ritual se torna então essencial para o sucesso global da liturgia. Os sítios das coisas têm de estar nos sítios das coisas. A ideia é a que o segundo, o minuto, a hora são irrepetíveis e têm de ser impecavelmente imperfeitas. E essa vitória sobre nós próprios, essa singela vitória de nos conseguir pôr a respirar bem, coisa demasiado modesta para os grandes desígnios nacionais em exercício na pólis, dá-nos então uma força absolutamente única para começar novas viagens de vida, de vida pura, sem mais que não palavras para viajar.


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 00:41 | link do post | comentar

Sábado, 07.11.09

Ainda um bocado cansado de subir a monumental escadaria principal do Palácio de Inverno, trocam-se-me involuntariamente as horas. O mecanismo horário universal, desculpem-me lá oh matemáticos, ainda tem muito que contar. É que se é universal tem de bater certo entre o físico e o emocional. Ora, nesse ponto, estamos muito desencontrados. O silêncio docemente profundo da noite invade a tarde já invernosa e cinzenta que anuncia os fusis e as baionetas das noites do sangue revolucionário. E, mesmo assim, sabendo que o sangue, por horas, jorrará imbativelmente pela história dentro, a cor adoçicada do céu báltico parece tudo anestesiar, como se entrasse derradeiro, num paraíso apenas perfeito de liberdade musical.

 

(Foto)


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 16:05 | link do post | comentar

Estava aqui hesitante entre la siesta, o Expresso, o livrinho sobre regionalização do meu ex-colega deputado Carlos Brito, até que me decidi. Vou até ali dar uma volta ao Ermitage, em Sampetesburgo. Até logo.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 15:47 | link do post | comentar

Sexta-feira, 06.11.09

Nas traseiras do meu quarto existem umas velhas águas furtadas furtivas. São irresistivelemente feias e velhas. Também são traseiras. A tinta descarnada ao longo de décadas de exposição aos elementos deixa-se descarnar às lascas, já sem cores existentes em quaquer catálogo de tintas de alfarrabista. Têm gente, mas não parece. Têm movimento interior, mas pararam no tempo. Têm gatos à volta, mas não se vêem espinhas de peixe, nem detritos urbanos como na estatuária chique do Rossio e dos Restaurdores. De súbito, do breu, irrompem duas luzes. Uma branca em metade de uma janela, outra encarnada na outra metade. Tremlicam. Piscam. Resistem. Apagam-se e eu com elas, sucumbo com a minha depauperada íris à poderosa pálpebra. Mas e de  repente, um ténue clarão reacende a meia luz branca e a minha davidiana íris vinga-se e bate a quadriga das golianas pálpebras.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:34 | link do post | comentar

Quinta-feira, 05.11.09

Há horas felizes. São aquelas em que saiem os pregões dos prémios dos jogos organizados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Há horinhas felizes de outro tipo, que são aquelas em que o tempo as parece despir, desnudar silenciosamente dos barulhos de que habitualmente as vestem para os disfarces do dia-a-dia, e em que já nem reparamos. E, de repente, em pezinhos de lã, lá nos aparecem essas mesmas horas, de mansinho, quase sem se dar por isso, em que de repente, o tempo virou outro. Nesse outro tempo em que por milagre se pensam noutras coisas, se vêem outras coisas, umas claras, outras escuras, outras sempre. E é assim como renascer outra vez para um começo.

 

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 23:32 | link do post | comentar

A partir de hoje inicio uma colaboração regular no semanário O Templário. Trata-se de um antigo, prestigiado, histórico e dinâmico semanário de Tomar, o qual fez acrescer ao seu prestígio comunicacional de décadas, uma função política de defesa da Liberdade no período das ameaças a essa Liberdade e à Democracia que Portugal viveu em 1975, por força da tentativa totalitária protagonizada pelo PCP e forças políticas de extrema-esquerda, ainda existentes mas felizmente vencidas. Não esqueço Fernanda Leitão, então Directora do jornal, que nessa altura fez das tripas coração para manter à tona um título de comunicação livre e combatente.

A crónica chama-se "Levada da Breca", o que tem um significado local simbólico, pelo nome escolhido. Esta é a primeira.

 

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 18:25 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Súbita, inesperada, uma cor plúmbea tinge o céu chuvoso, alastrando uma tranquila e anestesiante inspiração para melhor ver os caminhos que temos à nossa frente. Não sei explicar melhor. Creio-me no alívio de que também que não vos fará falta tal explicação.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 17:37 | link do post | comentar

Ela, a pálpebra, voltou. Ela, a iris, resiste. Hoje, acho que nem a questão do empate se põe. A pálpebra esmaga. Um dia duro, no físico, e na mente. Demasiado duro para joguinhos de xadrez virtuais.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 02:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 04.11.09

Chegou a hora fatal entre a força da pressão da pálpebra e a resistencia tenaz da iris. Hoje, não estou tanto Kasparov, mas mais Karpov envelhecido, KGB reformado e exaurido de tanta vigília, que deixou escapar debaixo das minhas barbas, túneis subterraneos no subsolo do inexpugnável muro de berlim que caiu faz 20 anos no próximo dia 9.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:59 | link do post | comentar

A vida decorre em linhas paralelas de Moebius, que se conhecem mas não se encontram, nem qundo se cruzam. Um desses momentos acontece quando sentimos nitidamente que há várias coisas a acontecerem ao mesmo tempo e não as conseguimos senão sentir a acontecer, sem nunca as vermos ou sequer tocarmos-lhas. Quando parece que vamos chegar lá, algo de súbito, imprevisto, rápido, acontece e as evita. Então, desce um estranho silêncio sobre os nossos arredores íntimos e exteriores, como se uma estranha unidade envolvesse uma totalidade de ser pleno. Quando chego a este ponto, pergunto-me se não andará por perto, afinal, a eternidade.

(Fita de Moebius)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:57 | link do post | comentar

Acabo de receber um mail a oferecerem-se-me para adquirir a minha modesta viatura para abate sucateiro. Hum..., logo hoje, isto não me está a cheirar nada bem...


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:08 | link do post | comentar

Terça-feira, 03.11.09

Caiem sempre, sem descanso, trituradoras dos sentidos, aos trambolhões, dia após dia. Vão caindo, sem nexo, escorrendo esparsas, com sentidos cruzados, desencontrados, de manhã, à tarde, à noite. Vamos desligando delas a cada segundo que vai passando na ampulheta. A certa altura, um divórcio irreversível ocorre. Cada som para seu lado. Elas soam para um lado, nós olhamos para outro. Para sempre, convictamente para sempre. E, de repente, cai-nos em cima a palavra única, a única, de que precisávamos. E tudo recomeça com um novo sentido. Para sempre com um novo sentido.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 21:46 | link do post | comentar

Não há resposta porque não há palavras, pronto.



publicado por Jorge Ferreira às 17:23 | link do post | comentar

A pálpebra abre as hostilidades e faz avançar peão de rei. A palavra faz defesa inglesa. Os bispos estão atentos, mas o cavalo promete baralhar o contra-ataque. Por mim, avido já: estou com paciencia de Kasparov...


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 02:09 | link do post | comentar

Segunda-feira, 02.11.09

E tenho eu a mania de que sou perfeccionista. Tenho passado a tarde a catar gralhas de textos no Tomar Partido... tem mas é juizinho, pá e deixa-te lá mas é de caganças...


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 19:30 | link do post | comentar

Cá estão as brincalhonas a meter-se comigo. Elas sabem que me tentam, que me viciam, que me arrastam sem cessar para um contínuo de emoções que me apetece ir mosaicando, aparentemente sem nexo. E sabem, as matreiras, que não posso dar-lhes a liberdade que os compromissos, esses sim, das oito da manhã me impedem de as foralar.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:43 | link do post | comentar

Domingo, 01.11.09

Aqui.



publicado por Jorge Ferreira às 16:55 | link do post | comentar

Chega agora, previsível, uma hora nova para mim, que tenho saboreado nos últimos dias. Uma hora em que eu luto comigo por uma de duas liberdades. A liberdade de sucumbir ao sono e a liberdade de ganhar ao sono para continuar a ler um sem número de textos que se me vão impondo inesgotáveis e infindos.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:25 | link do post | comentar

Sábado, 31.10.09

Esta luta competitiva entre ceder ao sono e vencer o sono, para continuar a perceber-me. Não sei quem a ganhará. Presumo que a pálpebra, claro. É que somos primeiro natureza, cronologicamente falando. E é natural que a pálpebra vença primeiro a percepção, do que a percepção vença a  pálpebra.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 02:22 | link do post | comentar

Sentir o lento e suave desfazer da luz do fim de tarde, de modo sereno, é apenas uma dádiva. Um suave torpor que se abate sobre um torvelinho de frases que gostaria de ter escrito durante o dia, na vã e presunçosa expectativa que uma mera eternidade, um dia, as revelasse inesperadamente num alfrrabista de vão de escada. Para que a minha vaidade se bastasse na verificação de que alguém tinha reparado naquele tipo.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:51 | link do post | comentar

Sexta-feira, 30.10.09

As escolhas Blitz para os 25 melhores albuns de música portuguesa:

 

Anos 60

1. Carlos Paredes - Guitarra Portuguesa
2. Amália Rodrigues - Busto
3. José Afonso - Cantares de Andarilho
4. Filarmónica Fraude - Epopeia
5. Alfredo Marceneiro - The Fabulous Marceneiro

Anos 70

1. José Afonso - Cantigas do Maio
2. Carlos Paredes - Movimento Perpétuo
3. José Mário Branco - Mudam-se Os Tempos, Mudam-se as Vontades
4. Amália Rodrigues - Com Que Voz
5. Carlos do Carmo - Um Homem na Cidade

Anos 80

1. Rui Veloso - Ar de Rock
2. Heróis do Mar - Heróis do Mar
3. GNR - Independança
4. Fausto - Por Este Rio Acima
5. Madredeus - Os Dias da Madredeus

Anos 90

1. Pedro Abrunhosa – Viagens
2. Mão Morta - Mutantes S. 21
3. Ornatos Violeta - O Monstro Precisa de Amigos
4. Rui Veloso - Mingos & Os Samurais
5. Ornatos Violeta - Cão

Anos 00

1. Humanos – Humanos
2. Camané - Esta Coisa da Alma
3. Dead Combo - Vol. 1
4. Sam The Kid - Beats (Vol.1)
5. Rodrigo Leão - Cinema

 

O Partido que eu tomo:

 

1. Carlos Paredes - Guitarra Portuguesa

5. Carlos do Carmo - Um Homem na Cidade

5. Madredeus - Os Dias da Madredeus

5. Rodrigo Leão - Cinema

 

Prontosssssssssss. Agora chamem-me lá fassissta...

 



publicado por Jorge Ferreira às 17:36 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 29.10.09

Teria feito 80 anos no dia 24 de Outubro. Nuno Abecassis. Não esqueço. O que fez. O que me ensinou. Os exemplos. A virtude que só os sábios são capazes. A lealdade. A capacidade de olhar uma cidade pelos olhos das pessoas que lá vivem. A insatisfação permanente. A exigencia de mais um folego quando o julgávamos já a dormir. E ainda de mais outro folego, quando julgávamos já lhe ter excedido as melhores expectativas. Tudo. E tanto pigmeu que nem sabe nem sonha...

 

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 03:33 | link do post | comentar

Depois de notícias inesperadas de fim noite, de uma vagas, mesmo vagas leituras de fim de noite, de uns quantos devaneios de absurdo silêncio pelas fraquezas da vida e pelos sortilégios de umas sirenes anónimas algures entre sinistros longínquos e para mim anónimos - curioso como um sinistro que não vemos é para nós um sinistro anónimo que não existe portanto - reencontro, lento, seguro, progressivo, com o alastrante silêncio da noite que nenhuma palavra derrota, nenhum som contamina, apenas um pombo aqui à entrada da janela do meu quarto vem perguntar de mim. Pisco-lhe o olho. Ele, impávido, fita-me. Nem uma inesperada migalha de pão parece ter força para afastar o olhar fito desta criatura do meu olhar fito no olhar fito nele. Ou será o breu que lhe furta a migalha? A noite, há-de, pois resolver. Ele não resistirá à migalha. Eu sei, é a natureza. Eu, sucumbirei a contra-gosto à força irresistível da pálpebra que quebra. Eu sei, é a natureza.

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 28.10.09

No Comunicar a Direito.



publicado por Jorge Ferreira às 15:40 | link do post | comentar

Devagar, devagarinho, aproxima-se em chinelinhos de lã a póxima época natalícia. Como ultimamente tenho perdido um bocado a timidez, desde já sugiro a amigos, conhecidos, beneméritos que não se coibam de me olissiponar abundante e convenintemente no sapatinho. Sintam-se completamente à vontade. Não se inibam.



publicado por Jorge Ferreira às 02:48 | link do post | comentar

Há rastos e rastos e rastos. Há uns que sentimos como nos apetece sentir que os deixámos. São os os rastos democráticos, dóceis, alucinogénios, de certa maneira hipócritas, que nos deixam a liberdade de sentir o significado que o nosso atávico egoísmo nos apetece atribuir-lhes. Podemos surpreendermo-mos com a ductibilidde manhosa desse rasto. É bom, mas depois passa. Deve ser essa a sensação da célebre ressaca. Nunca experimentei drogas por opção, apenas por estrita necessidade médica, mas deve ser mais ou menos assim. Deve saber bem voar, mas depois o peso da ressaca anula-nos num  ápice, efémero prazer de segundos, minutos, horas até, que a antecederam. Deve vir daí a voracidade com que os procuramos, porque sabemos que acabam numa questão de tempo. É o rasto armadilha, que entusisma , mas não alimenta. Que engorda a adiposidade emocional, mas nos tritura de abulimia acto contínuo, levando-nos a um  estado de necessidadde dinâmica progressiva, que não raro culmina numa overdose de vazio radical e desesperadamente insuperável.

 

Mas depois há os rastos verdadeiros. Os que fizémos e de nós altivamente se foram libertando, para que da ocidental praia lusitana e em perigos maiores do que prometia a força humana, da lei do rasto se foram libertando. Para começar a construção dos seus próprios rastos, noutras praias. São os mais difíceis, mas são dos que gosto mais. Somos sempre paternalistas em relação aos nossos rastos. Dos primeiros tornamo-nos escravos. Dos segundos, seremos parceiros ou não seremos e perderemos o rasto. Acontece que estes rastos de segunda é que são genuínos. São os bons. Dão mais trabalho, oh vã vertigem de preguiça, que a mera contemplação balofa. Exigem-nos mais, sempre mais, mesmo quando só nos fitam e nas palavras que dizem escondem silêncios que custam decifrar. Palavras com significado não verbal, fingindo-se alheias, às vezes frias, falsas frias, sem dó nem piedade sobre o inconsequente privilégio da contemplação que o vício com que nos habituamos a ver os primeiro rastos, nos iludimos podendo também olhar os segundos.

 

Eu sei que há quem despreze o lixo blogoférico, sobretudo quando o mau cheiro ameaça cair-lhes em cima, Passada a ETAR dos dias e tudo passa, tudo, a preocupação desaparece e até se abrem mais uns bloguezitos. Eu felizmente, já tinha este mesmo à mão. E calhou bem. Ontem e hoje aconteceu-me cruzar com um rasto de cada tipo.

 

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:30 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.10.09

Uma das melhores coisas da desordem á não saber se são horas de ler, de dormir, de comer, de pensar ou de ler. Trocar as voltas ao tempo, doce e falsa ilusão, mentirosa, mas irresistivelemnte deliciosa.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Que valem mais que milhões de palavras. Pode ser uma evocação, uma lembrança, uma inesperada lembrança das que nos fazem sentir que houve um rasto de nós. E nesse rasto encontrar a entrada no túnel. A luz, ao fundo, aparecerá.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:17 | link do post | comentar

Desprender os braços primeiro, depois os sentidos, depois os sons, da noite que cerca. Até atingir o pleno de poder voar por cada planície por onde apetece. Sem conseguir ter a noção de quando acabará o momento. É isto para mim neste momento a minha liberdade. Que, como se sabe, é um momento, não um estado. Por isso é tão preciosa. Porque é rara.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:59 | link do post | comentar

Segunda-feira, 26.10.09

Sócrates e Cavaco vão cooperar outra vez.

Sócrates vai governar pelo menos dois anos.

Os negócios parlamentares serão à vez.

No intervalo do jogging, note-se.

Os ministros vão andar mais calados, os que falavam.

Os ministros vão andar mais faladores, os que calavam.

Sócrates vai visitar Blatter por causa do Mundial a duas pernas.

O Benfica vai ser campeão.

O Porto vai ser campeão.

O Sporting vai ser campeão.

O Braga vai ser campeão.

O Sporting vai apurar-se na Liga Europa.

O Benfica joga hoje à noite com o Nacional da Madeira.

Estou a ler o livrinho sobre a Regionalização, de Carlos Brito, desta bela editora.

 

Eu podia continuar, pois podia. Mas acham que esta cacho de observações pertinentes já dá para dar um pulinho à SIC Notícias?...


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 15:46 | link do post | comentar

Sexta-feira, 23.10.09

Vai haver mais com toda a certeza.



publicado por Jorge Ferreira às 00:44 | link do post | comentar

Quinta-feira, 22.10.09

Até sempre.



publicado por Jorge Ferreira às 23:46 | link do post | comentar

Quarta-feira, 21.10.09
O Semanário fechou e já não se publica na próxima sexta-feira. Soube-o esta tarde pela Anabela Pereira e confirmei-o depois pela leitura posível que fui fazendo dos jornais. Escrevi lá para cima de 15 anos, quase sempre semanalmente. Muito depois, portanto, do Semanário ter deixado de ser O Independente avant la lettre de Júdice e de Marcelo, que na altura eram a nova esperança e hoje não passam da velha desilusão, para deitar abaixo o bloco central de Mota Pinto e Mário Soares. O melhor que posso dizer e, creio, nos tempos que correm já não ser pouco, escrevi lá o que muito bem quis e me apeteceu e como quis e me apeteceu, e quando quis e me apeteceu, sem consequencia nenhuma. Nunca me alvitraram, criticaram, sugeriram, insinuaram o que quer que fosse. Mesmo em edições em que eram plantadas (sim, sempre houve plantações...), como agora se diz, de notícias para me intimidarem enquanto fazia a investigação parlamentar das reprivatizações do BPSM e do Totta & Açores, a minha liberdade foi total. É certo que já não era um grande produto jornalístico, mas era um grande título, sob o qual me honrou escribar. E se até aqui veio, mesmo com todos os seus defeitos, tal deve-se ao Rui, ao Paulo, à Anabela, à Dulce e a mais um punhado. Resta-me, pela minha parte, agradecer. Sobretudo aos que faziam o favor me lerem.


publicado por Jorge Ferreira às 23:16 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Que bem que temos passado sem Governo por estes dias em Portugal.  Dá tempo para falar de tudo, para ler, para rever amigos, para pensar mais nas importancias que nas urgências... hum, se isto se aproximar da anarquia digam-me que talvez me recrutem. E, já agora,  aproveitem para uns doces pecadozinhos.

 

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 13:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 19.10.09

Começa a chuva lá fora, renasce o Sol cá dentro.

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 18:22 | link do post | comentar

Sábado, 17.10.09

Dantes um cidadão caía à cama doente e depois da convalescença tinha uma pilha de jornais e revistas para ler. Papel ao quilo. Manchas de tintas de letras apenas aparentemente com sentido, já que o sentido fora-se nos dias em que não foram lidas. Cartas e burocracias para responder. Papéis para verificar. Hoje, não. Tem apenas muitos blogues para ler. E com isso estranhamente se basta. Chatos, compridos, bons, maus, amigos, assim-assim, bonitos, feios, bem escritos, mal escritos, com notícias, sem notícias. E é tão bom. E o melhor, no fim da ronda é mesmo ir estacionar no Ofício de todos os dias.

 

ESTENDAL

Sabemos sempre pouco das pessoas
que é suposto conhecermos:
todas, é claro, têm os seus termos
e não as há más nem boas
que o sejam inteiramente.
Convém, assim, ter presente
que cada um só revela,
do que é, uma parcela
e, por sinal,
não raro é mais o que esconde,
aqui, ali, sei lá onde,
do que mostra no estendal.



publicado por Jorge Ferreira às 20:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Uma das vantagens de ter tempo para ver televisão é a de medir a cultura política e geral do jornalismo que se vai fazendo. Ontem, por exemplo, uma simpática mas anónima voz-off da RTPN anunciava que uma das novidades do Bloco de Esquerda nesta nova legislatura era apresentar um novo líder parlamentar, José Manuel Pureza, que nunca sequer tinha sido deputado. Pois é: informe-se a simpática e anónima voz off que já havia formas de vida inteligente na Terra antes do Bloco. A mim, aconteceu-me o mesmo em 1995, quando existia PP.



publicado por Jorge Ferreira às 15:47 | link do post | comentar

Segunda-feira, 05.10.09

Sou aprendiz do Facebook. Já lá descobri coisas absolutamente irritantes. Mas já percebi que se trata de um excelente meio para reencontrar amigos perdidos, reavivar passados esquecidos, e fazer enormes viagens pelas coisas todas da vida. Foi assim que descobri A Gota de Ran Tan Plan. Mas o melhor não foi A Gota. Foi redescobrir a Teresa, amiga antiga de quem não sabia há muito.



publicado por Jorge Ferreira às 18:17 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 01.10.09

Porque hoje é Dia Mundial da Música, porque hoje é Outubro, porque em todos os hojes é hoje e porque cá de dentro alguma coisa nos dá força, muita força, hoje e sempre é dia e momento para nadar no Mar de Outubro.

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 11:46 | link do post | comentar

Sexta-feira, 25.09.09

No domingo os portugueses farão provavelmente mais um dos seus periódicos exercícios de masoquismo político. É difícil encontrar um lusitano recenseado que não diga mal do estado da Nação, que não desanque nos políticos e nos governantes, que não diga mal da vida e que não tenha um programa eleitoral prontinho a servir, ainda que não passe de uma colagem de ideias vazias. Mas, mesmo assim, os portugueses votam sistematicamente nos mesmos partidos.

 

É verdade que o sistema político está viciado. As leis que os partidos fazem protegem os partidos que as fazem e bloqueiam a renovação política do país. É verdade que o sistema mediático vicia a oferta eleitoral e nessa medida condiciona as opções dos eleitores. É verdade que somos portadores de uma atávica cultura de má língua nos cafés e nas paragens dos autocarros, que miraculosamente se transforma na mais conformista das atitudes no voto. Mas, ainda assim, e dada a dimensão da crise da República, seria de esperar um leve assomo de mudança. Não acontecerá.

 

Na campanha eleitoral que hoje termina, tal como infelizmente se esperava, debateu-se quase nada o país. Tratou-se de uma espécie de Benfica-Sporting sobre as escutas entre Belém e S. Bento que, de caminho, triturou o PSD. O melhor que podia ter acontecido a José Sócrates, depois da crise internacional que serviu às mil maravilhas para disfarçar a crise portuguesa, foi este episódio mal cheiroso, a que Cavaco Silva deu uma contribuição inestimável ao líder do PS.

 

E, todavia, no dia 28 de Setembro, Portugal continuará. Acordaremos com as lamúrias de sempre, com os problemas de sempre, e com a auto-desresponsabilização de sempre, apenas um dia depois de termos votado exactamente nos mesmos a que atribuímos a responsabilidade dos males nacionais.

 

Eu, pelo menos, reservo-me a saudável atitude de excluir a minha cumplicidade com a mediocridade dominante. Votarei no Partido da Nova Democracia. Garanto-vos: sabe bem e não morrerá ninguém. Acresce que, no caso concreto do círculo eleitoral de Aveiro, conheço bem Edgar Jorge, o cabeça de lista, e também vos garanto: fará, se for eleito deputado, muito melhor que a maioria dos que lá estão e dos que se candidatam. E acresce uma qualidade não desprezível: é uma pessoa séria, o que não sendo propriamente uma virtude em que o sistema seja particularmente exigente, é uma garantia para quem confia a gestão do interesse público a um representante.

(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)

 



publicado por Jorge Ferreira às 09:40 | link do post | comentar

Segunda-feira, 14.09.09

Acabar de jantar calmamente em casa e ser surpreendido por labaredas de um incendio no andar de baixo, irrompendo pelas janelas dentro. São as experiencias novas que nos fazem ver a vida de outra maneira. Cá vou fazendo a minha colecção particular de sensações novas.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 15:40 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 27.08.09

Já estou no Facebook. A ligeireza do mecanismo tem o seu atractivo, mas, confesso-vos: blogue é blogue e o resto é conversa.



publicado por Jorge Ferreira às 16:53 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 25.08.09

15 anos. Falta-me a árvore.


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 01:01 | link do post | comentar | ver comentários (8)

JORGE FERREIRA

tomarpartido@sapo.pt

visitantes em linha

English version by Google
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30



DESTAQUES




TAMBÉM ESTOU AQUI

Jorge Ferreira

Cria o Teu Crachá

Aveiro
Comunicar a direito
Democracia liberal
Diário de aveiro
Jorge ferreira
O carmo e a trindade
O templário
Terras de mármore
Tv net

O PARTIDO DOS AMIGOS

A cagarra
Alinhavos
Cão com pulgas
Eclético
Faccioso
Ilha da madeira
Fumaças
Mais actual
Meu rumo
Paris
Sobre o tempo que passa
Tubarão


OUTROS PARTIDOS

A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A gota de ran tan plan
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A regra do jogo
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arpão
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blogue real associação de lisboa
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Café Bar James Dean
Café da insónia
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Cegos mudos e surdos
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
Cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Despertar da mente
Direito de opinião
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

É curioso
É tudo gente morta
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estado sentido
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Falta de tempo
Filtragens
Fliscorno
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fúria dos dias

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hic et nunc
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
João Távora
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Largo das alterações
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Maioria simples
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Neorema
Nocturno
Nortadas
Notas formais
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O bom gigante
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Office lounging
Outra Margem
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Patriotas.info
Pau para toda a obra
Pedra aguda
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Revisões
Ricardo.pt
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Small brother
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Tenho dito
Teorias da cidade
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
There is a light never goes out
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

PARTIDOS DOS ALUNOS

Ao sul
As cobaias
Fados e companhia
O cheiro de santarém pela manhã
Platonismo político
Projecto comunicar

PARTIDOS DE ABRANTES

Abranteimas
Rua da sardinha
Torre de menagem

PARTIDOS DO ALGARVE

Mons cicus
Olhão livre
Tavira tem futuro
The best of lagos

PARTIDOS DE AVEIRO

A ilusão da visão
Academia de aveiro
Actas diárias
Amor e ócio
Arestália
Aveiro sempre
Bancada directa
Bancada norte
Blog de sergio loureiro
Botanabateira
Código da vivencia
Cogir
Debaixo dos arcos
Desporto aveiro
Divas e contrabaixos
Estados gerais
Forum azeméis
Já agora
Margem esquerda
Neo-liberalismo
Nós e os outros
Notas de aveiro
Notícias da aldeia
Noticias de ovar
Painéis de aveiro
Pontos soltos
Portal do beira-mar
4linhas
Quotidiano da miséria
7 meses
The sarcastic way
Visto de fora
Vouga

PARTIDOS DE OEIRAS

À rédea solta
Escrever sobre porto salvo
Eu sou o poli­ticopata
Oeiras local
Rememorar oeiras

PARTIDOS DE TOMAR

Alcatruzes da roda
Algures aqui
À descoberta de tomar
Charneca da peralva
Nabantia
Olalhas
Os cavaleiros guardiões de sta. maria do olival
Sondagem tomar
Tomar
Thomar vrbe
Tomar, a cidade
Tomar a dianteira
Vamos por aqui

PARTIDOS DE VILA VIÇOSA

A interpretação do tempo
Infocalipo
O restaurador da independencia
Tasca real

PARTIDOS POÉTICOS

Arrimar
Corte na aldeia
Forja de palavras
Linha de cabotagem (III)
Nimbypolis
O melhor amigo
Ofí­cio diário
Orgasmos dos sentidos

PARTIDOS DAS ÁGUIAS

A águia
A ilíada benfiquista
A mística benfiquista
Amo-te, benfica
Anti-anti-benfica
Benfiquistas desde pequeninos
Calcio rosso
Chama imensa
Diário de um adepto benfiquista
E isso me envaidece
E pluribus unum
Encarnados
Encarnado oriental
Encarnado e branco
Eterno benfica
Football dependent
Gloriosa fúria vermelha
Glorioso jornal
Gordo vai à baliza
Javardos benfiquistas
loucos pelo slb
Mágico slb
Mar vermelho
Memória gloriosa
Não se mencione o excremento
Novo benfica
O antitripa
O inferno da luz
O grémio benfiquista
Os nossos queridos jornalistas desportivos
País de corruptos
Quero a verdade
Ser benfiquista
Slbenfica - forever champions
Slblog
Tertúlia benfiquista
Um zero (1-0) basta
Vermelhovzky
Vedeta da bola
Vedeta ou marreta?
Velho estilo ultras
Vermelho à moda do porto

PARTIDOS DA BOLA

Cromo dos cromos

PARTIDOS DO DIREITO

Ab surdus
Assembleia de comarca
Blog de informação
Blog do dip
Cartilha jurídica
Cum grano salis
Direito na sociedade da informação
Dizpositivo
Elsa
Incursões
Iuris
Leituras oficiosas
Legalidade
Lex turistica nova
Mens agit molem
Notas constitucionais
O meu monte
Patologia social
Piti blawg
Ré em causa própria
Reforma da justiça
Rumo do direito
Santerna
Suo tempore
Trepalium
Urbaniuris
Vexata quaestio

PARTIDOS DA VIDA

Açores pelo não
Alentejo pelo não
(Des)conversas em família
Direito a viver
Évora pelo não
Fiat lux
Impensável
Jornal da família
Nebulado
Pela vida
Pelo não
Quero viver
Razões do não
Sinto a vida
Sou a favor da vida

PARTIDOS DA ARGENTINA

El opinador compulsivo

PARTIDOS DO BRASIL

Ação humana
Cronicas do joel
Depósito do maia

PARTIDOS DE ITÁLIA

Importanza dele parole

PARTIDOS DOS LIVROS

Blog do espaço de memória e do pátio das letras
D'outro tempo
Lerblog
Mundo pessoa

PARTIDOS DAS REVISTAS

Alameda digital
Leonardo, revista de filosofia portuguesa

PARTIDOS DA TAUROMAQUIA

Lides alentejanas
Toiradas

PARTIDOS DOS BLOGUES

aniversários de blogues
Blog do dia dn
Blogpatrol
Blogpulse
Blogsearch
Blogservatório
Blogs em lí­ngua portuguesa
Moblig
Orochi's blog
Sapo blogs
Technorati
Weblog

PARTIDOS DA POLÍTICA

Bloco de esquerda
Centro democrático social
Os verdes
Partido comunista português
Nova democracia
Partido social-democrata
Partido socialista


PARTIDOS DOS JOGOS OLÍMPICOS

Atenas 2004
Pequim 2008
Comité olí­mpico internacional
Comité olí­mpico de portugal

PARTIDOS DOS JORNALISTAS

a capital
Jornal do diabo
O comércio do porto



TAMBÉM JÁ ESTIVE AQUI
Blogue do não
Câmara de comuns
Eleições 2009
Nova vaga
Novo Rumo
O carmo e a trindade
O eleito
Olissipo
Ota não
Portal lisboa
RCP ONLINE
Semanário
Sportugal
Tomarpartido
ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags