Quarta-feira, 28.10.09

Luís Filipe Menezes defendeu hoje que poderia estar neste momento a formar governo, caso não tivesse abandonado a presidência do PSD. “Saí porque me fizeram a vida negra. Tenho a consciência que se tivesse ficado porventura o PSD hoje estava a formar Governo”, afirmou Luís Filipe Menezes ao Público. Apenas lhe faltou a coragem de apôr o necessário adjectivo: bom, um bom Governo.



publicado por Jorge Ferreira às 01:16 | link do post | comentar

Sexta-feira, 25.09.09

A campanha eleitoral foi a mais medíocre da democracia portuguesa, escreveu em Espanha Luís Filipe Menezes em artigo publicado hoje no “El País”. O antigo presidente do PSD defende o TGV e enumera pontos que, segundo ele, devem nortear as relações entre Portugal e Espanha. Se a entrada de Manuel Alegre na campanah do PS contra tudo o que tinha dado a entender antes marcou o início da pré-campanha para as eleições presidenciais, este artigo de Menezes marca o início do próximo Congresso do PSD.
 



publicado por Jorge Ferreira às 12:05 | link do post | comentar

Sábado, 21.03.09

Desta vez, Luís Filipe Menezes tem razão. Vale muito pouco bradar conta a tentação hegemónica do PS sobre tudo o que mexe, se se fica sentado à espera que um milagre caia do céu aos trambolhões. O PSD devia ter tomado a iniciativa de combater essa tentação avançando com propostas tão blindadas como a de Jorge Miranda feita pelo PS. Se não é apenas parole, parole, parole....



publicado por Jorge Ferreira às 14:14 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 03.02.09

Centenas de pessoas assistiram a uma missa diferente na restaurada igreja do Mosteiro de Pedroso, em Vila Nova de Gaia. A homilia contou com a presença do presidente da Câmara de Gaia, Luís Filipe Menezes, acompanhado de outros elementos do executivo camarário, como o vice-presidente Marco António Costa. Em vez da circunspecção que normalmente costuma caracterizar a celebração cristã ouviram-se fortes salvas de palmas à medida que o autarca anunciou investimentos. Se  Menezes tivesse chegado a Primeiro-Ministro passaria a pregar na Sé de Lisboa? Quem pensa que só vêm tristezas do PS, desengane-se: a cultura política em Portugal está muitas vezes ao nível da de Chavez. O padre Luís já está em campanha junto do Altíssimo. Eis o grau zero da política no seu máximo esplendor.



publicado por Jorge Ferreira às 15:19 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15.01.09

Luís Filipe Menezes quer a demissão da Direcção do PSD. Mais parece o fundador e líder da Liga dos Amigos de Sócrates. O vice-presidente é Paulo Portas.



publicado por Jorge Ferreira às 13:18 | link do post | comentar

Sexta-feira, 21.11.08

Luís Filipe Menezes foi um desastre que sucedeu ao PSD o ano passado. Um desastre político, entenda-se, que os tempos não estão para ironias, por mais óbvias que sejam. Vaticinei que não se aguentava ao leme do barco até às eleições legislativas e não me enganei.

 

Mas não deixei de reparar que ele enfrentou dois tipos de dificuldades. Por um lado, as que resultavam da sua inconsistência  e errância políticas, que o levava a falar de tudo e de nada sem sequência nem consequência. Lembro apenas um célebre projecto de revisão constitucional que foi então anunciado e de que ainda hoje não se conhece o conteúdo nem as propostas.

 

Por outro lado percebia-se que o PSD subterrâneeo, o PSD cavaquista liberto da vigilância de Cavaco, lhe movia ums desproporcionada guerra interna de descredibilização, que assomava, para quem sabe ler, aqui e ali, cirurgicamente, na comunicação social.

 

Ao sair, Menezes revelou que recebera ameaças para não fazer investigações a off-shores e para não avançar com o inquérito parlamentar que, entretanto, Santana Lopes desencadeara à supervisão do Banco de Portugal.

 

Ontem, tudo ficou mais claro. Luís Filipe Menezes revelou que teve “a demissão de membros da minha comissão política nacional porque eram accionistas de referência do BPN e tinham medo que a supervisão bancária fosse tocar nos interesses, por ventura, de instituições financeiras que não estavam a funcionar de acordo com os padrões de transparência do Estado de Direito”, disse ainda.

 

O antigo líder social-democrata recordou também que, nessa altura, foi alvo de “criticas ameaçadoras”, algumas das quais de “alguns ex-ministros que não queriam que avançasse a fiscalização à supervisão bancária”.

 

Agora, tudo fica mais claro. Menezes caiu porque não estava apto à função de candidato a Primeiro-Ministro. Mas foi ajudado a cair na sombra por vários de dentro do seu partido, para quem ele se tornara uma ameaça. Eu, que nunca simpatizei politicamente com Menezes, quero hoje prestar-lhe a homenagem da coragem da denúncia. Sei bem o que custa fazê-lo e o preço que se paga por isso.

 

Luís Filipe Menezes apenas veio agora confirmar que o regime está podre. E que necessita de uma operação “Mãos Limpas”. Por detrás do jogo normal da vida política e da vida pública, existe um núcleo de pessoas que torpedeiam leis, partidos, políticos e o que mais fôr necessário em seu estrito benefício pessoal, ilegal e violador de várias normas jurídicas que é suposto estarem em vigor. Veremos, em breve, se estão, ou se caducaram na aridez e na amnésia do Diário da República.

 

(publicado na edição de hoje do Semanário)

 



publicado por Jorge Ferreira às 11:24 | link do post | comentar

Quinta-feira, 20.11.08

"Ou muito me engano ou vão sobrar estilhaços e danos colaterais do combate "à bomba". Não vai ser um espectáculo dignificante, cheira-me.". Escrevi isto aqui. Hoje, leio isto: "Tive a demissão de membros da minha comissão política nacional porque eram accionistas de referência do BPN e tinham medo que a supervisão bancária fosse tocar nos interesses, por ventura, de instituições financeiras que não estavam a funcionar de acordo com os padrões de transparência do Estado de Direito”, disse ainda. O antigo líder social-democrata recordou também que, nessa altura, foi alvo de “criticas ameaçadoras”, algumas das quais de “alguns ex-ministros que não queriam que avançasse a fiscalização à supervisão bancária”. Hoje, repito a mesma frase: "Ou muito me engano ou vão sobrar estilhaços e danos colaterais do combate "à bomba". Não vai ser um espectáculo dignificante, cheira-me.". O regime está podre.
 



publicado por Jorge Ferreira às 12:01 | link do post | comentar

Segunda-feira, 03.11.08

A vida interna do PSD está cada vez mais civilizada.



publicado por Jorge Ferreira às 11:23 | link do post | comentar

Quarta-feira, 10.09.08

Só mesmo Luís Filipe Meneses para conseguir o impensável: pôr António Borges a dizer coisas óbvias e com sentido.



publicado por Jorge Ferreira às 14:23 | link do post | comentar

Terça-feira, 09.09.08

Os humoristas vivem tempos difíceis em Portugal. O seu trabalho, que nos fazia rir, já não faz. O que verdadeiramente nos faz rir é a própria realidade. O Gabriel Silva recorda-nos estas pérolas do insuperável Meneses:«Não vou falar do PSD. Só falarei quando entender ser oportuno e nunca antes de Outubro de 2009», Menezes, Junho 2008;«Menezes admite recandidatura à presidência do PSD», Setembro 2008.



publicado por Jorge Ferreira às 15:57 | link do post | comentar

Segunda-feira, 02.06.08

Uma maneira inteligente de disfarçar o desinteresse com que uma declaração de Menezes sobre o PSD a partir de agora seria recebida.



publicado por Jorge Ferreira às 17:17 | link do post | comentar

Sábado, 31.05.08

Nem na hora da partida Luís Filipe Menezes assume a responsabilidade própria na sua queda. Sai pela porta pequena e, julgo, sem perceber ainda o que verdadeiramente lhe sucedeu. Desancar em Marques Mendes, provou-se, não chegou para substituir Marques Mendes.



publicado por Jorge Ferreira às 21:05 | link do post | comentar

Terça-feira, 20.05.08

Procurarão debalde Vs. Exas. neste humilde pardieiro referencias a Luís Filipe Menezes. Por muitas entrevistas, por muitas frases, por muitos gestos que venham, a verdade é que o parentesis fechou. Independentemente disso, admiro quem ainda alcança elocubrar sobre o personagem. É um verdadeiro exercício sobre o vazio.



publicado por Jorge Ferreira às 23:34 | link do post | comentar

Segunda-feira, 28.04.08

No meio desta confusão toda que reina no PSD, uma questão principal passou para segundo plano. E essa questão é a seguinte: o que fez realmente Luís Filipe Menezes demitir-se? Bem sei que abundam as aparências, designadamente o crescendo de contestação interna que ele soube metodicamente construir à sua volta. Mas, para quem estava determinado a sair apenas à bomba do lugar, convenhamos que é estranho que a bomba não se veja, assim, à vista desarmada. Mais curioso, ainda, não vejo ninguém interessado na comunicação social, em investigar a questão. Definitivamente o pretexto "entrevista-de-Aguiar-Branco" é frouxo demais. Quem esclarece? Ou estará guarada a razão para mais oportuno e mortífero momento?



publicado por Jorge Ferreira às 14:07 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Sábado, 19.04.08

Chegou a altura de os mandantes" do "terrorismo" interno serem candidatos à liderança. Pelo meio ainda diz que "muitos deles durante estes seis meses não deram um contributo para a afirmação do partido. Sabe que contributos deram? Telefonemas para o presidente do partido para não fazer investigações aos 'off-shores', para não fazer investigações ao Banco de Portugal, para não mexer em determinados assuntos, para estar quieto, ou então continuaram a pedir audiências na minha câmara municipal ou noutras para tratarem dos assuntos referentes às assessorias que têm por esse País fora".

Ou muito me engano ou vão sobrar estilhaços e danos colaterais do combate "à bomba". Não vai ser um espectáculo dignificante, cheira-me. 




publicado por Jorge Ferreira às 10:27 | link do post | comentar

Quinta-feira, 17.04.08
Comentário que fiz à notícia da noite na TV NET.


publicado por Jorge Ferreira às 23:53 | link do post | comentar

Luís Filipe Menezes demitiu-se e convocou novas directas. Para já, más notícias para Sócrates. No fim, ver-se-á. Para já Menezes escolheu o seu terreno para a luta. Resta saber quem se atreve a jogar na casa do adversário. Por outro lado joga na antecipação. Ao menos vamos ter com que nos divertir um pouco nestes dias cinzentos de crise.



publicado por Jorge Ferreira às 22:10 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 11.04.08
Quando chegou Luís Filipe Menezes disse que Portugal precisava de uma nova Constituição. Nunca tal lhe ocorrera em décadas de vida política no Governo, no Parlamento e nas autarquias. Mas, sim, mais vale perceber tarde do que perceber nunca.

Gostei, então, de ouvir. E fiquei esperançado em que alguma coisa tivesse mudado no PSD acerca do bloqueio constitucional. O PSD tem sido até hoje um partido que defende que Portugal tem por objectivo a construção de uma sociedade socialista, como ainda hoje o Preâmbulo da Constituição afirma claramente.

Mas como sucedeu como tantas outras frases, a necessidade constitucional pereceu entretanto no dia-a-dia do líder do PSD. Nunca mais se ouviu falar da coisa. Até esta semana. Em mais um solavanco típico da sua liderança, Menezes voltou a dizer que Portugal precisa de uma nova Constituição.

Continuo a estar de acordo. Mas desta vez, não posso esquecer tudo aquilo que Menezes já disse e também o seu contrário, já que Menezes também já o disse. Neste momento a questão é esta: que Constituição quer Menezes? Suspeito que não quer a mesma que eu.

A Constituição nova será a do “desmantelamento do Estado em seis meses”, ou será uma Constituição que proibirá “o encerramento de qualquer serviço público” à mínima sirene da rua? Menezes já defendeu ambas as ideias. Que Estado para o futuro? Que sistema de Governo defende Menezes? O actual semi-parlamentarismo? O semi-presidencialismo que já tivemos até 1982? O parlamentarismo puro? O presidencialismo? Quer continuar a ter uma Constituição romântica que proclama direitos que não se cumprem? Quer continuar a ter uma Constituição programática que impõe políticas contra a livre decisão dos eleitores?

Ninguém sabe. Julgo que, em rigor, nem Menezes saberá. A sensação que dá é que ele diz que Portugal precisa de uma nova Constituição porque é preciso dizer alguma coisa todos os dias e não por ter um projecto, uma ideia clara para propor.

Por muito que seja aconselhado em contrário pelos especialistas que contratou, ou Menezes percebe que não chega falar e é necessário propor, ou não vai longe. Com a enorme desvantagem de ir queimando boas ideias pelo caminho. Mesmo que seja difícil obter o consenso do PS para muitas das alterações constitucionais necessárias, o país precisa cada vez mais de alternativas afirmadas sem medo. Esta era uma oportunidade. Que Menezes, infelizmente para o país está a desbaratar.

(publicado na edição de hoje do Semanário)

(Foto)


publicado por Jorge Ferreira às 11:21 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 09.04.08
Como se vira o bico aos pregos. Pelo João Gonçalves, no Portugal dos Pequeninos.


publicado por Jorge Ferreira às 22:59 | link do post | comentar

Luís Filipe Menezes é um homem só. Com Santana Lopes a andar pelo país, uma direcção muda, os críticos com Pacheco Pereira à cabeça a preparar a "bomba", e, agora com Angelo Correia a considerar insatisfatório o estado do Partido e não convencido com o seu regresso á vida política activa, resta a Menezes o próprio. O que, como se tem visto, é muito curto para ser alguma coisa.


publicado por Jorge Ferreira às 15:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 11.03.08
A laranja está a amarelecer. Depois de Menezes ter feito aprovar um regulamento que impede que se saiba quem são os eleitores antes do dia da eleição (será um ensaio de democracia de tipo coreano?), veio Rui Rio dizer que o sistema de pagamento de quotas em dinheiro favorece o branqueamento. Vai daí, o tribunal interno chama Rio para o ouvir e lhe aplicar uma sanção ética, como se um orgão jurisdicional tratasse de moral e não de Direito. A bagunça não podia ser maior e eu já não sei o que é mais verdade: se é a crise no PSD que beneficia Sócrates, se é o desnorte do Governo que oculta a crise do PSD.


publicado por Jorge Ferreira às 23:11 | link do post | comentar

Quinta-feira, 06.03.08
Menezes anda a ser aconselhado a entrar no Second Life, para mostrar como seria se fosse Primeiro-Ministro. Eu penso que nem com uma terceira, quarta ou quinta life ele lá vai ...


publicado por Jorge Ferreira às 11:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 28.02.08
Menezes, que anunciou que desmantelaria o Estado em seis meses, de cada vez que faz uma proposta concreta é para aumentar a despesa pública.


publicado por Jorge Ferreira às 13:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 18.02.08
Menezes prometeu desmantelar o Estado em seis meses. Menezes prometeu não fechar serviços públicos. Eu prometo não votar em Menezes. E como não sou Menezes, é certinho que não votarei.


publicado por Jorge Ferreira às 11:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 14.02.08
António Almeida analisa muito bem e em jeito de balanço o desperdício que tem sido tanta trapalhada do Governo com este líder do PSD, do qual não se conhece sequer o paradeiro político.


publicado por Jorge Ferreira às 17:16 | link do post | comentar

Sábado, 09.02.08
Luís Filipe Menezes não comenta a eventual passagem por Portugal de aviões transportando alegados suspeitos de terrorismo para a base norte-americana de Guantanamo porque não quer contribuir para o «peditório da asneira». Menezes não lidera coisa alguma. Já só diverte. O que não deixa de ser também, num certo sentido, uma espécie de serviço público.


publicado por Jorge Ferreira às 13:54 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 06.02.08
Ocorre que Luís Filipe Menezes ainda não mostrou nada. Falso: mostrou alguma coisa, mas de pior em relação a Marques Mendes. Como ocorre, na ressaca da remodelação, que a esquerda-extrema ralha, ralha, ralha, mas vai a correr para o cadeirão assim que lhe assobiam. Como ocorre que todos falam, falam, falam, mas não perdem pitada das presidenciais norte-americanas. Como ocorre que nos tempos de hoje está desculpada a ilegalidade, desde que ocorrida nos tempos de ontem e fosse praticada por todos os cidadãos. Como ocorre que se o Padre fosse vivo talvez não se dedicasse aos sermões mas passasse à clandetsinidade.


publicado por Jorge Ferreira às 14:40 | link do post | comentar

Quarta-feira, 30.01.08
Luís Filipe Menezes está atrasado. Já devia ter lembrado o país que o PSD remodelou-se primeiro que o Governo. Só vantagens, portanto.


publicado por Jorge Ferreira às 14:46 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Atendendo às suas posições a favor da Ota e agora de Alcochete, pode dizer-se que Luís Filipe Menezes é o Mário Lino da oposição?



publicado por Jorge Ferreira às 13:26 | link do post | comentar

Sexta-feira, 25.01.08
Por uma vez posso dizer bem de Menezes: "O presidente do PSD, Luís Filipe Menezes, defendeu ontem “uma aproximação da segurança interna à justiça”, o que poderia passar por “um único ministro para tutelar as duas pastas”. Defendo o mesmo há quase 15 anos. Tenho mais discursos que lhe posso mandar, Dr. Menezes.


publicado por Jorge Ferreira às 14:20 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 17.01.08
E desinteressado: aqui fica um catálogo para propostas para possíveis ministérios num futuro Governo do PSD.


publicado por Jorge Ferreira às 20:17 | link do post | comentar

Luís Filipe Menezes anunciou hoje que criará o Ministério do Turismo. Trata-se com efeito de uma gritante lacuna do actual Governo. O turismo, aliás, não tem crescido em Portugal porque falta essa mola, esse estímulo, esse lustre, de ter um ilustre encartado a quem chamar ministro. Já não nos bastou a inenarrável experiência no Governo PSD/CDS, em que um inenarrável ministro andou semanas à procura de sítio para instalar os tarecos do ministério, Menezes agora promete o pior: um ministério horizontal que "desburocratize" o turismo. Chamem um tradutor, please. Ou, em alternativa, os bombeiros.


publicado por Jorge Ferreira às 20:10 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 10.01.08
Expliquem-me qual a diferença entre o PSD de Menezes e o PSD de Marques Mendes. Com excepção da traição ao compromisso eleitoral do referendo sobre o Tratado, claro, que essa diferença eu percebi.


publicado por Jorge Ferreira às 12:03 | link do post | comentar

Domingo, 30.12.07
Miguel Cadilhe, o candidato de Menezes ao lugar de Faria de Oliveira, candidata-se contra Santos Ferreira, o candidato que Sócrates tirou de onde pôs Faria de Oliveira para suceder ao lugar de Filipe Pinhal.


publicado por Jorge Ferreira às 18:12 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 22.12.07
"Desmantelo o Estado em seis meses", disse hoje Luís Filipe Menezes ao Expresso. Quanto mais Portugal precisa de oposição menos a tem.


publicado por Jorge Ferreira às 20:01 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sexta-feira, 30.11.07
O que assusta em Menezes não é ser uma versão PSD do socialismo vigente. Não é ser um gestor que não hesita endividar uma câmara até à ilegalidade. Não é querer fazer do seu Partido uma espécie de PSD, SA entregue a outsourcing especializado, como se fosse um banco ou uma companhia de seguros. O que assusta é que não se sabe o que quer.

Depois de ter diabolizado os pactos com o PS, que o seu antecessor tinha defendido e feito, na área da Justiça, Menezes ameaçou romper o pacto. No dia a seguir voltou atrás e já não rompeu. Agora, poucos dias depois, fez ele próprio um pacto com o PS. E logo numa lei eleitoral, a meio do mandato e para vigorar no próximo acto eleitoral autárquico.

Menezes seria excelente se fosse uma clarificação, ainda que se discordasse do seu caminho. Mas como em vez de clarificação é uma confusão, é só mais uma ajuda a Sócrates. O país definitivamente não precisa nem agradece.


(publicado na edição d ehoje do Democracia Liberal)


publicado por Jorge Ferreira às 00:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 13.11.07
Luís Filipe Menezes apelou ao Governo para que «fale verdade» sobre as decisões que já terá tomado relativamente ao futuro aeroporto de Lisboa. É também desejável que o PSD e o CDS peçam desculpa pelas decisões que tomaram no Governo sobre a Ota, designadamente solicitando subsídios em Bruxelas para o lançamento do projecto.


publicado por Jorge Ferreira às 14:58 | link do post | comentar

Segunda-feira, 29.10.07
O PSD quer fazer a António Capucho no Conselho de Estado o mesmo que o PCP quer fazer a Luísa Mesquita no Parlamento. Com uma diferença importante. Não consta que António Capucho tenha assinado um papelinho em branco a demitir-se e o tenha depositado nas mãos do Partido para este o usar como lhe aprouvesse. O pormenor é que o Conselho de Estado seria uma peça importante na credibilização de Luís Filipe Menezes. Daí o mal-estar. Faz muito bem Capucho em assumir o seu lugar.


publicado por Jorge Ferreira às 13:58 | link do post | comentar

Domingo, 21.10.07
"DN-Não deve haver referendo?
 
LFM-Acho que é tão legítima a ratificação popular através do sufrágio directo e universal quanto a ratificação parlamentar, num órgão que, ele próprio, decorre do sufrágio directo e universal. A minha posição, que proporei ao Conselho Nacional do meu partido, é que com sentido de responsabilidade, e atendendo àquilo que foi a realidade europeia nos últimos dois anos e meio, o PSD defenda a ratificação parlamentar. Mas sem prejuízo de o partido de Governo, que tem um compromisso com o eleitorado de sufragar o Tratado, conversar com os outros partidos, nomeadamente com o PSD, para se encontrar um consenso nacional alargado nesta matéria.
 
DN-Portanto admite a possibilidade de José Sócrates querer promover um referendo?
 
LFM-Claro que sim. O Governo socialista tem um compromisso com o eleitorado e lá saberá se o quer cumprir ou não. Se se colocar a questão da ratificação parlamentar, o PSD poderá vir a defender a ratificação parlamentar. Mas a lógica da iniciativa tem de estar do lado do PS. Faz todo o sentido uma aprovação célere no Parlamento."
 
Em entrevista à edição de hoje do Diário de Notícias, Luís Filipe Menezes revela a sua doutrina sobre o referendo à nova versão da Constituição europeia. Traduzindo, é assim: Sócrates tem um compromisso eleitoral de fazer o referendo, logo que o faça. O PSD tem um compromisso eleitoral de fazer um referendo mas não é obrigado a fazê-lo. As figuras que esta União Europeia obriga as pessoas a fazer... figuras tristes, é claro. A posição do PSD sobre o referendo europeu é uma ciência oculta.


publicado por Jorge Ferreira às 18:52 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 19.10.07
No meio de uma atabalhoada mistura de propostas políticas apresentadas no discurso de encerramento do Congresso do passado fim de semana, o novo líder do PSD apresentou o objectivo de propor uma nova Constituição para Portugal.

Aí está uma boa ideia, que teria ficado bem a Luís Filipe Menezes reconhecer, a bem da seriedade política, que tem antecedentes políticos e partidários. A Nova Democracia apresentou há dois anos um projecto de nova Constituição para uma nova República, da autoria do Prof. Paulo Otero, prestigiado Professor de Direito da Faculdade de Direito de Lisboa.

A ideia mereceu evidentemente, pronta reacção do situacionismo. Uns lembraram logo que os portugueses não “comem” Constituição, que é como quem diz, Menezes enganou-se no tema se quer ter votos. Outros aduziram um argumento mais profundo: a Constituição está bem assim, porque foi feita assim e assim deve continuar porque quando foi feita, foi feita assim. Outros ainda apressaram-se a esclarecer que os problemas do país não se resolvem com a Constituição, esquecendo-se embora de defender a sua extinção, dada a sua natureza tão exuberantemente excedentária.

Uma das propostas de Luís Filipe Menezes, conexa com a anterior foi a da extinção do Tribunal Constitucional, a qual, por mera coincidência, também consta do projecto da Nova Democracia. Esta proposta mereceu resposta qualificada do Presidente do próprio Tribunal e dos manualistas do sistema, que rapidamente se deram conta de que deixariam de vender os seus celebrados catrapázios hermenêuticos se a ideia fosse por diante.

É preciso que se diga a verdade: a actual Constituição não está esgotada. Enquanto não atingirmos a sociedade socialista preconizada no Preâmbulo da actual Constituição, ela estará por esgotar. Mas a verdade é que sou dos que defendo que a Constituição de 1976 foi um erro, embora historicamente explicável, e é ainda hoje um empecilho ao desenvolvimento numa parte e um mero exercício de lirismo jurídico programático noutra parte. Isto para não falar do sistema de Governo, cujo modelo não só não é o único possível, como a meu ver não é o desejável, como em momentos de crise como o que sucedeu com a substituição do Governo de Durão Barroso pelo Governo de Santana Lopes deu para perceber.

Portugal precisa de uma nova Constituição, porque a actual é inconsequentemente programática, aberrantemente socialista, anacronicamente intervencionista e juridicamente contraditória.

Pode argumentar-se que não existem neste momento condições políticas para mexer na Constituição com a profundidade que o país necessita. De facto, PS, PSD e CDS são hoje do ponto de vista constitucional um bloco imobilista e fechado à mudança. Mas nada impede que se faça esse debate de forma séria e útil para a clarificação de projectos políticos para Portugal. Esse contributo pode Luís Filipe Menezes ajudar a dar, na esteira de muitos outros que o vêm fazendo há vários anos. Esperemos que seja a sério.
(publicado na edição de hoje do Semanário)


publicado por Jorge Ferreira às 10:35 | link do post | comentar

Segunda-feira, 15.10.07
Boticas e Montalegre são dois concelhos do distrito de Vila Real. Pois em 2008 o Estado não gastará lá nem um euro de investimento. O Plano de Investimento e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2008 prevê um investimento de 51,9 milhões de euros para o distrito de Vila Real, mas estes dois dos 14 concelhos, Boticas (PSD) e Montalegre (PS), não têm qualquer verba atribuída. É estranho como um Estado tão investidor, tão gastador, tão impulsionador da economia se esqueceu destes dois concelhos do longínquo Portugal do interior. Justamente o interior de que José Sócrates tanto falou para anunciar medidas de incentivo ao desenvolvimento neste Orçamento. Luís Filipe Menezes já deve ir a caminho.


publicado por Jorge Ferreira às 14:46 | link do post | comentar

Luís Filipe Menezes precisava que este Congresso fosse além das pequenas histórias. E tantas que sempre todos os Congressos têm. Como a triste história de Zita Seabra que passa directamente de apoiante de Marques Mendes a vice-presidente do Menezes (ao que o PSD chegou...). Havia três caminhos para essa superação. A renovação, a superação do espectro da bicefalia e as diferenças com o PS. A renovação falhou. O espectro subsiste. As diferenças, quando existem, são de esquerda. Excepto uma: a Constituição. Voltarei em breve a este ponto. No mais, Menezes cheira ainda mais a transição do que Marques Mendes. Isto, naturalmente sem menosprezar Luís Filipe Menezes. O país precisava de facto de outra coisa.


publicado por Jorge Ferreira às 00:20 | link do post | comentar

Quinta-feira, 04.10.07
(Mini-bandeira)

No léxico político corrente convencionou-se chamar “bandeiras” aos assuntos, às matérias, às ideias ou às propostas que um partido decide afirmar como prioridade do seu discurso público, da sua acção governativa ou parlamentar ou como simples meio de diferenciação face aos concorrentes directos.

Na passada sexta-feira o PSD mudou de líder. Trocou um Luís por outro, basicamente porque os militantes do partido, aliás, uma imensa minoria dos seus eleitores, acha que com o novo Luís será mais fácil ganhar as próximas eleições legislativas ao PS e, sobretudo, a José Sócrates. É natural. Os partidos existem para o poder e quando sentem que com um determinado líder não chegam lá, mudam. As ideias, as propostas, as tais “bandeiras” são remetidas para segundo plano.

Em jeito de balanço e após a vitória de Luís Filipe Menezes, o estado da questão, relativamente à comparação entre o PS actual e o PSD que passou a ser actual, é a seguinte:

1º O PS tem dito que é contra a descida dos impostos neste momento, pelo menos até as contas públicas estarem em ordem. Luís Filipe Menezes é contra a descida dos impostos, pelo menos até as contas públicas estarem em ordem.

2º José Sócrates, em resposta a pressões externas, em resposta à vontade da Comissão Europeia e em resposta à ideia de Cavaco Silva está a preparar o caminho para desrespeitar mais uma das suas promessas eleitorais e não promover o referendo sobre o novo tratado europeu, que vai substituir a Constituição europeia. Luís Filipe Menezes é contra a realização de um referendo sobre o novo tratado europeu, que vai substituir a Constituição europeia.

3º José Sócrates, que expulsou o seu ministro Mário Lino do processo do novo aeroporto aguarda o estudo do LNEC para saber se é favor ou contra a construção de um novo aeroporto na Ota. Luís Filipe Menezes aguarda o estudo do LNEC para saber se é ou não a favor da construção de um novo aeroporto na Ota.

4º O PS vai desenterrar a regionalização administrativa do continente, promovendo a divisão do território em regiões. Luís Filipe Menezes é a favor da regionalização, concordando com a divisão do território em regiões.

Ou seja, as “bandeiras” do PSD derrotado na sexta-feira passada já não existem.

Desta comparação resulta, pois, que continua a ser um mistério saber em que é que o PSD actual vai fazer oposição ao PS actual. Tendo como almofada o bloco central dos interesses e dos negócios, ambos, têm agora uma diferença substancial. O PSD tem um líder chamado Luís e o PS tem um líder chamado José. O primeiro é do Sporting e o segundo é do Benfica.

O que resta ao PSD então para se diferenciar do PS actual? Restam a quantidade das políticas sociais. Se o Governo der dez o PSD pedirá mil. Mas do mesmo Exactamente do mesmo. O Bloco e o pCP que se cuidem: parece estar a caminho mais concorrência.

Basicamente serão estas as bandeirolas do PSD actual, já que as bandeiras foram para lavar.
(publicado na edição de hoje do Semanário)


publicado por Jorge Ferreira às 00:31 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 02.10.07
Luís Filipe Menezes vai continuar a exercer o mandato de Presidente da Camara Municipal mais gastadora e deficitária do país. Na sua primeira decisão como líder do PSD, Menezes preferiu comportar-se como um daqueles barões que tanto criticou: não escolhe, não arrisca, acumula.


publicado por Jorge Ferreira às 23:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 01.10.07
A única maneira de o país prestar alguma atenção ao próximo Congresso do PSD era ganhando Luís Filipe Menezes as directas. Ganhou. Vamos, pois, ter um fim de semana alucinante. Porque, em boa verdade, Menezes ganhou as directas mas pode "perder" o Congresso. E no estado em que as coisas estão, ele não vai ter duas oportunidades para convencer. Só vai ter uma. Se não convencer no Congresso, ou se o "perder", os próximos dois anos vão ser uma tortura política para o PSD.


publicado por Jorge Ferreira às 15:05 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 30.09.07
Gostei da análise de Marcelo Rebelo de Sousa sobre o momento do PSD. Especialmente certeiro quando sublinhou duas ideias que eu já aqui tinha exposto. Primeira, por debaixo do populismo de Menezes está o bloco central e os seus interesses de negócio. Segundo: se os notabile preguiçosos estão convencidos que vão correr com Menezes facilmente mesmo que ele pwerca como tudo indica as eleições de 2009, estão muito enganados.


publicado por Jorge Ferreira às 21:33 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Francisco Almeida Leite e muito bem, quer puxar pela memória de Pacheco Pereira. As gavetas dos escandalos são feias quando se abrem só quando dá jeito.


publicado por Jorge Ferreira às 21:10 | link do post | comentar

O PSD passou a partir de ontem a ser um partido anti-referendo europeu. Esta mudança deve agradar a Cavaco Silva (sempre é uma ironiazinha do destino...) e a José Sócrates. Mas o mais grave é que o líder do maior partido da oposição deixou de ser do Benfica e passou a ser do Sporting. Isto, sim, já me parece uma baixa significativa...


publicado por Jorge Ferreira às 16:39 | link do post | comentar

Sábado, 29.09.07
«Para nós, é indiferente quem está à frente do PSD. Nunca dependemos do PSD para coisa nenhuma e assim tencionamos continuar no futuro», afirmou um deputado centrista à Lusa. Obviamente que a verdade, verdadinha, é exactamente o inverso. Estilhaços de Menezes à vista.


publicado por Jorge Ferreira às 19:56 | link do post | comentar

A vitória de Luís Filipe Menezes altera pouco de substancial em termos ideológicos. Trata-se um político tão socialista como Sócrates. Como se vê pelo despesismo em Gaia e pelas posições, poucas, aliás, que foi tomando sobre problemas de fundo do país nos últimos meses. O facto de mudar de opinião demasiadas vezes em pouco tempo acrescenta insegurança e erratismo. Divertimento talvez haja mais a partir de agora, mas mudança substantiva, não. Discutir-se-á mais uma vez o estilo e não o Estado. As bocas e não e as ideias. Os ziguezagues (os notabile não perdoam...), do que as propostas. Menezes é apenas uma variante da esquerda socialista e estatista que desgoverna.


publicado por Jorge Ferreira às 17:20 | link do post | comentar

JORGE FERREIRA

tomarpartido@sapo.pt

visitantes em linha

English version by Google
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30



DESTAQUES




TAMBÉM ESTOU AQUI

Jorge Ferreira

Cria o Teu Crachá

Aveiro
Comunicar a direito
Democracia liberal
Diário de aveiro
Jorge ferreira
O carmo e a trindade
O templário
Terras de mármore
Tv net

O PARTIDO DOS AMIGOS

A cagarra
Alinhavos
Cão com pulgas
Eclético
Faccioso
Ilha da madeira
Fumaças
Mais actual
Meu rumo
Paris
Sobre o tempo que passa
Tubarão


OUTROS PARTIDOS

A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A gota de ran tan plan
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A regra do jogo
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arpão
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blogue real associação de lisboa
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Café Bar James Dean
Café da insónia
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Cegos mudos e surdos
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
Cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Despertar da mente
Direito de opinião
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

É curioso
É tudo gente morta
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estado sentido
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Falta de tempo
Filtragens
Fliscorno
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fúria dos dias

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hic et nunc
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
João Távora
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Largo das alterações
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Maioria simples
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Neorema
Nocturno
Nortadas
Notas formais
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O bom gigante
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Office lounging
Outra Margem
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Patriotas.info
Pau para toda a obra
Pedra aguda
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Revisões
Ricardo.pt
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Small brother
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Tenho dito
Teorias da cidade
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
There is a light never goes out
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

PARTIDOS DOS ALUNOS

Ao sul
As cobaias
Fados e companhia
O cheiro de santarém pela manhã
Platonismo político
Projecto comunicar

PARTIDOS DE ABRANTES

Abranteimas
Rua da sardinha
Torre de menagem

PARTIDOS DO ALGARVE

Mons cicus
Olhão livre
Tavira tem futuro
The best of lagos

PARTIDOS DE AVEIRO

A ilusão da visão
Academia de aveiro
Actas diárias
Amor e ócio
Arestália
Aveiro sempre
Bancada directa
Bancada norte
Blog de sergio loureiro
Botanabateira
Código da vivencia
Cogir
Debaixo dos arcos
Desporto aveiro
Divas e contrabaixos
Estados gerais
Forum azeméis
Já agora
Margem esquerda
Neo-liberalismo
Nós e os outros
Notas de aveiro
Notícias da aldeia
Noticias de ovar
Painéis de aveiro
Pontos soltos
Portal do beira-mar
4linhas
Quotidiano da miséria
7 meses
The sarcastic way
Visto de fora
Vouga

PARTIDOS DE OEIRAS

À rédea solta
Escrever sobre porto salvo
Eu sou o poli­ticopata
Oeiras local
Rememorar oeiras

PARTIDOS DE TOMAR

Alcatruzes da roda
Algures aqui
À descoberta de tomar
Charneca da peralva
Nabantia
Olalhas
Os cavaleiros guardiões de sta. maria do olival
Sondagem tomar
Tomar
Thomar vrbe
Tomar, a cidade
Tomar a dianteira
Vamos por aqui

PARTIDOS DE VILA VIÇOSA

A interpretação do tempo
Infocalipo
O restaurador da independencia
Tasca real

PARTIDOS POÉTICOS

Arrimar
Corte na aldeia
Forja de palavras
Linha de cabotagem (III)
Nimbypolis
O melhor amigo
Ofí­cio diário
Orgasmos dos sentidos

PARTIDOS DAS ÁGUIAS

A águia
A ilíada benfiquista
A mística benfiquista
Amo-te, benfica
Anti-anti-benfica
Benfiquistas desde pequeninos
Calcio rosso
Chama imensa
Diário de um adepto benfiquista
E isso me envaidece
E pluribus unum
Encarnados
Encarnado oriental
Encarnado e branco
Eterno benfica
Football dependent
Gloriosa fúria vermelha
Glorioso jornal
Gordo vai à baliza
Javardos benfiquistas
loucos pelo slb
Mágico slb
Mar vermelho
Memória gloriosa
Não se mencione o excremento
Novo benfica
O antitripa
O inferno da luz
O grémio benfiquista
Os nossos queridos jornalistas desportivos
País de corruptos
Quero a verdade
Ser benfiquista
Slbenfica - forever champions
Slblog
Tertúlia benfiquista
Um zero (1-0) basta
Vermelhovzky
Vedeta da bola
Vedeta ou marreta?
Velho estilo ultras
Vermelho à moda do porto

PARTIDOS DA BOLA

Cromo dos cromos

PARTIDOS DO DIREITO

Ab surdus
Assembleia de comarca
Blog de informação
Blog do dip
Cartilha jurídica
Cum grano salis
Direito na sociedade da informação
Dizpositivo
Elsa
Incursões
Iuris
Leituras oficiosas
Legalidade
Lex turistica nova
Mens agit molem
Notas constitucionais
O meu monte
Patologia social
Piti blawg
Ré em causa própria
Reforma da justiça
Rumo do direito
Santerna
Suo tempore
Trepalium
Urbaniuris
Vexata quaestio

PARTIDOS DA VIDA

Açores pelo não
Alentejo pelo não
(Des)conversas em família
Direito a viver
Évora pelo não
Fiat lux
Impensável
Jornal da família
Nebulado
Pela vida
Pelo não
Quero viver
Razões do não
Sinto a vida
Sou a favor da vida

PARTIDOS DA ARGENTINA

El opinador compulsivo

PARTIDOS DO BRASIL

Ação humana
Cronicas do joel
Depósito do maia

PARTIDOS DE ITÁLIA

Importanza dele parole

PARTIDOS DOS LIVROS

Blog do espaço de memória e do pátio das letras
D'outro tempo
Lerblog
Mundo pessoa

PARTIDOS DAS REVISTAS

Alameda digital
Leonardo, revista de filosofia portuguesa

PARTIDOS DA TAUROMAQUIA

Lides alentejanas
Toiradas

PARTIDOS DOS BLOGUES

aniversários de blogues
Blog do dia dn
Blogpatrol
Blogpulse
Blogsearch
Blogservatório
Blogs em lí­ngua portuguesa
Moblig
Orochi's blog
Sapo blogs
Technorati
Weblog

PARTIDOS DA POLÍTICA

Bloco de esquerda
Centro democrático social
Os verdes
Partido comunista português
Nova democracia
Partido social-democrata
Partido socialista


PARTIDOS DOS JOGOS OLÍMPICOS

Atenas 2004
Pequim 2008
Comité olí­mpico internacional
Comité olí­mpico de portugal

PARTIDOS DOS JORNALISTAS

a capital
Jornal do diabo
O comércio do porto



TAMBÉM JÁ ESTIVE AQUI
Blogue do não
Câmara de comuns
Eleições 2009
Nova vaga
Novo Rumo
O carmo e a trindade
O eleito
Olissipo
Ota não
Portal lisboa
RCP ONLINE
Semanário
Sportugal
Tomarpartido
ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags