Quarta-feira, 28.10.09

Devagar, devagarinho, aproxima-se em chinelinhos de lã a póxima época natalícia. Como ultimamente tenho perdido um bocado a timidez, desde já sugiro a amigos, conhecidos, beneméritos que não se coibam de me olissiponar abundante e convenintemente no sapatinho. Sintam-se completamente à vontade. Não se inibam.



publicado por Jorge Ferreira às 02:48 | link do post | comentar

Terça-feira, 27.10.09

Ou de como o Ega descobriu o Santo Lenho da conquista de Lisboa aos mouros numa passeaa com a namorada ao Panteão Nacional num solarengo sábada de Outubro cruzando-se destarte inopinadamente com os caboucos da história de Lisboa, na Metafísica do Esquecimeto, nomos que não vai de bem com o post que para este efeito devia mais era chamar-se de Metafísica da Lembrança. Uf! Agora percebo por que é que o Saramago- saneia-jornalistas se deve cansar tanto a escrever sem folego de fonéticas, pontuações, gramáticas e filologias sortidas.



publicado por Jorge Ferreira às 14:13 | link do post | comentar

Sexta-feira, 17.07.09

O relatório final do Tribunal de Contas acusa o contrato de exploração do terminal de contentores de Alcântara de só favorecer os interesses da Liscont, a empresa do grupo Mota-Engil e de ser ruinoso para o Estado. Tinham razão todos aqueles que criticaram na altura própria mais este negócio-PS. Suponho que desta vez José Sócrates não estará disponível para denunciar uma campanha negra com epicentro no Tribunal de Contas. Perante este relatório judicial só resta um caminho ao Governo: pedir desculpa por mais esta mariolinada e recuar. O que tem António Costa a dizer sobre este assunto que diz directamente respeito a Lisboa?



publicado por Jorge Ferreira às 10:28 | link do post | comentar

Segunda-feira, 01.06.09

Porque sou desde há muito de Lisboa
(umas vezes Cesário, outras Pessoa)
e é com ela que à noite me deito,
não posso conformar-me nem aceito
que certa gente
se obstine em desfeá-la e, não contente,
se gabe disso, como se a cidade
fosse um capricho da sua vontade.

Lisboa, mais que pedra, é sentimento,
é emoção, mais que lugar.
Causa por que nos cumpre revoltar,
há-de ser sempre pouco o empenhamento
que pusermos em a preservar.

*Se ama Lisboa, não deixe de assinar (eu já o fiz) a petição
por debate sobre o Terreiro do Paço:

http://www.gopetition.com/online/28118.html

Torquato da Luz, no seu belo e oportuno Ofício.



publicado por Jorge Ferreira às 20:28 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

"Considerando a aprovação em reunião pública da CML, de 27.05.2009, do “Estudo Prévio do Terreiro do Paço”, sem que até ao momento quem de direito (CML e Governo) tenha promovido o indispensável período de debate que um projecto de espaço público desta envergadura exige (por se tratar de um projecto comprovadamente intrusivo, ex. introdução de novos materiais, desenhos e soluções arquitectónicas), facto que é agravado por se tratar do Terreiro do Paço;  e considerando que decorrem a bom ritmo as obras de preparação para a execução do Estudo Prévio agora aprovado, tornando o mesmo irreversível;

Os abaixo-assinados solicitam à CML e ao Governo que procedam, quanto antes, à abertura de um período de discussão pública antes de se iniciar o projecto de execução ou (pelo menos) antes do concurso ser lançado."

 

Debater o Terreiro do Paço antes que seja tarde de mais. Fiquei assustado com o projecto. E que tal um referendo local antes de tornar irreversível o atentado que se prepara? O Terreiro do Paço não é do PS, é do povo. O povo que decida. Para já subscrevi a petição.

(Foto)


tags:

publicado por Jorge Ferreira às 16:45 | link do post | comentar

Domingo, 31.05.09
"Em 1948, nasceu em Belém o Museu de Arte Popular. Com um projecto de Jorge Segurado, a partir do Pavilhão da Vida Popular da Exposição do Mundo Português de 1940, trata-se de um dos raríssimos museus construídos de raiz em Portugal para receber um determinado espólio, por sinal a melhor colecção de arte popular existente no País. Foi, para a sua época, um projecto inovador de museologia, concretizado decorativamente com a colaboração de alguns dos nomes mais ilustres do modernismo pictórico português. O edifício e o seu conteúdo constituem, por isso, um todo que não pode nem deve ser separado. (...)  Não somos contra o Museu da Língua. Mas não compreendemos porque razão o nascimento de um novo museu deve implicar a destruição de um outro. Acreditamos que ambos os Museus podem ser uma afirmação importante da nossa identidade. Porque um país é feito da sua memória, certamente, mas sobretudo da sua capacidade em saber entendê-la e aproveitá-la, exibindo e estimulando o poder criativo de uma identidade. Não temos dúvidas que o Museu de Arte Popular ainda pode vir a ser um objecto instigante de conhecimento, reflexão e acção. Assim ele se torne de facto um museu vivo." 

Assim abre a Petição sobre o Museu de Arte Popular, em Lisboa. É uma boa causa a que aderiro sem reservas. Por isso mesmo o blogue Museu de Arte Popular é o blogue da semana, aqui no Tomar Partido.
(Museu de Arte Popular)
 


publicado por Jorge Ferreira às 19:51 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 01.05.09

É da minha vista ou o novo horário da Feira do Livro está feito para um país de desempregados?


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 12:42 | link do post | comentar

Quarta-feira, 17.12.08

Nas reacções à escolha de Santana Lopes para candidato do PSD à CML é engraçado ver como o Zé passou a fazer falta ao PS para porta-voz da candidatura de António Costa. Mau sinal para António Costa.Quanto mais Zé na campanha maiores as chances de Santana Lopes.



publicado por Jorge Ferreira às 12:33 | link do post | comentar

Terça-feira, 16.12.08

Pedro Santana Lopes já é candidato à Camara de Lisboa. Eis uma boa oportunidade de corrigir a má imagem que deixou da sua breve experiência governativa. Neste caso não se aplica o ditado que nunca se deve voltar a um sítio onde se foi feliz porque verdadeiramente, face à fuga de Barroso para Bruxelas, Santana Lopes não teve sequer tempo de ser feliz em Lisboa. Ah e uma coisa: goste-se muito, pouco ou nada de Santana Lopes, creio sinceramente que o lúcido António Costa já deve ter percebido que a sua vida complicou-se ainda mais. Já não lhe bastava de ter de carregar a cruz de um Zé sem abrigo político para ainda por cima lhe sair um adversário à altura. Queira-se ou não, no estado a que chegaram os partidos à direita de Sócrates, melhor candidato para Lisboa não estou a ver.



publicado por Jorge Ferreira às 21:47 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Sábado, 13.12.08

A reinauguração do Cais das Colunas não passa de uma fantasmagoria. Magistratalmente descrita no Bic Laranja. Como fantasmagoria é o Terreiro do Paço da TMN. Uma vergonha o que estão a fazer com Lisboa.

(publicado n' O Carmo e a Trindade)


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 17:17 | link do post | comentar

Quarta-feira, 10.12.08

Passados os números mediáticos e inconsequentes de António Costa sobre a limpeza da cidade, que, aliás, recebeu porca como nunca, vem a dura realidade. Lisboa continua a ser uma cidade suja. Exactamente como os livros de viagem sempre a retrataram desde há séculos. Nem no século XXI a civilização chega a Lisboa na sua versão mais óbvia: a higiene.

 

(publicado n' O Carmo e a Trindade)


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 20:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 29.10.08

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 23:11 | link do post | comentar

Sábado, 25.10.08

  • Conquista de Lisboa, A Cidade Reconquistada aos Mouros, de Pedro Gomes Barbosa, editada pela Tribuna da História.
  • A Conquista de Lisboa aos Mouros, num relato anónimo de um cruzado, editado pela Nova Vega.
  • A Conquista de Lisboa aos mouros, em 1147, de José da Felicidade Alves, editado pela Livros Horizonte.


"Estamos perante uma reportagem velhinha de cerca de 840 anos, redigida por um cruzado inglês que participou na expedição que em 1147 colaborou com D. Afonso Henriques na conquista de Lisboa aos Mouros.Enviou o seu relato a um senhor de Brawdsey, povoação inglesa do condado de Suffolk, cujo nome seria Osberno, ou Osberto, ou Osborne... O autor da reportagem é desconhecido. Apenas conhecemos a primeira letra do seu nome: um R [será acaso Rogério?!].Além de testemunha presencial dos acontecimentos, teve a preocupação de se documentar: até integrou o texto latino dum sermão pronunciado pelo bispo do Porto em 17 de Junho de 1147! E também o texto oficial do pacto de convenção celebrado entre D. Afonso Henriques e os Cruzados. Sobressaem preocupações de rigor objectivo e de dignidade moral.Não nos diz tudo quanto desejaríamos saber sobre esse acontecimento capital que marcou Lisboa em 1147: mas em parte nenhuma encontramos melhor."

 

 


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 15:43 | link do post | comentar

Segunda-feira, 09.06.08

Por iniciativa da esquerda, mais especificamente do PS e do Zé que fazia falta, a Praça das Flores, em Lisboa, está hoje sob sequestro político-comercial.



publicado por Jorge Ferreira às 11:38 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Sábado, 24.05.08

Acabo de chegar da Feira do Livro. Muito pouca gente. Uma noite fria e até chuvosa fez do Parque um sítio triste de stands vazios. As conversas dos livreiros são pessimistas: este ano vai ser pior que o anterior, dizem eles em conversas de circunstância. O grupo Leya destaca-se no meio da apatia visual geral. Stands modernos, pessoal com "ar de marketing" a circular de camisolas iguais, encarnadas, mas com os pavilhões também vazios. Triste, a feira. Os livros do dia, em que o desconto é maior são, regra geral, desinteressantes. Os descontos nos restantes livros não motivam carteiras empobrecidas pela situação económica. E até o S. Pedro, certamente irritado com polémicas estéreis e anacrónicas, decidiu vingar-se.

 

(publicado n' O Carmo e a Trindade)


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 23:48 | link do post | comentar

Finalmente, abriu de cesariana a 78ª Feira do Livro de Lisboa. Está tudo aqui.


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 19:19 | link do post | comentar

Quarta-feira, 07.05.08

É voz corrente que nós nascemos para os grandes feitos. Fizémos os Descobrimentos, por exemplo. Fomos 3ºs no Mundial de 1966 em Inglaterra e finalistas do Euro 2004, tudo em futebol. No atletismo temos umas medalhitas de ouro olímpicas. Há a Vanessa e o Nélon e o Obikwelu, que por acaso para ser grande teve de se pôr a treinar em Espanha. Tudo coisas improváveis em tão concentrado povo nuns parcos noventa e tal mil quilómetros quadrados. O pior, é o resto. Fazer bem as coisas banais é que é o cabo dos trabalhos. Não motiva, não apetece, a coisa não sai. Por exemplo, uma feira do livro. Até nisso, por pobre que ela seja, por melhor que se pudesse ter inventado, até nisso conseguimos abrir uma guerra. É o que está a suceder em Lisboa.  Não tarda, ricos como somos, mercado vasto que temos, estão a fazer-se duas feiras do livro em Lisboa. A legítima e a outra ou a outra e a legítima. Nós também somos assim. Além de vocacionados para a imemorialidade, também gostamos de milagres. Das rosas e dos livros.

(publicado n' O Carmo e a Trindade)

 

(Foto)


tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 23:40 | link do post | comentar

Segunda-feira, 03.03.08
Bem me pareceu que o carácter categórico da declaração de Louçã sobre a não coligação do Bloco com o PS nas próximas autárquicas iria gerar (mais) confusão. Aí está ela, logo no dia seguinte. O Zé está a gostar do poleiro. Como, aliás, é visível desde que foi eleito.


publicado por Jorge Ferreira às 19:17 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 02.03.08
Louçã garante que o Bloco não fará coligação com o PS nas autárquicas de 2009. Fica por esclarecer quase tudo. E so o PS não tiver maioria absoluta, como actualmente sucede? E Sá Fernandes volta a ser candidato depois desta experiência de muleta do PS?


publicado por Jorge Ferreira às 19:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Confissões de Domingo: tenho a dizer que já estive preso várias vezes e que numas saí com caução, noutras tive de esperar pelo cumprimento de pena. Já fui proprietário de casas e de hotéis e já perdi tudo ao jogo. Já fui dono do Rossio, da 24 de Julho, da Almirante Reis, da Av. da Liberdade, do Campo Grande, da Av. da Boavista e de sta. catarina, no Porto, da R. Augusta, da R. do ouro, da Av. da República, perto da qual vegeto agora numa fracçãozita arrendada. Já tive empresas de electricidade e de caminho de ferro. Já fui credor e devedor de elevadas quantias ao banco. A minha vida já foi, pois, uma montanha russa. Calma: já me aconteceu isto tudo mas foi no célebre e mítico curso básico de capitalismo chamado Monopólio. Hoje, vi na televisão que este jogo inventado por um americano desempregado durante a Grande Depressão (Charles Darrow, um antigo vendedor de sistemas de aquecimentos que vivia em Germantown, na Pensilvânia) vai comemorar os 75 aninhos de vida com uma nova edição. Claro está que essa nova edição será globalizada e terá propriedades e ruas das principais cidades do mundo. Lisboa não está lá. Acho que isto merecia uma petição on line!
(publicado n' O Carmo e a Trindade)


publicado por Jorge Ferreira às 15:17 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23.01.08
Ainda há amoladores em Lisboa. N' O Carmo e a Trindade.

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 18:25 | link do post | comentar

Domingo, 18.11.07
(O dia do hastear da bandeira)
Sou dos que gosto de ver bandeira portuguesa hasteada ao cimo do Parque Eduardo VII. Lembro que foi Carmona Rodrigues (justiça seja feita) que a mandou pôr lá. Foi hasteada em 12 de Setembro de 2005. O que já não gosto é de a ver esburacada. Haverá uma alminha na CML que se importe de tomar conta da ocorrência? O desleixo tem limites. Ou será que o buraco da bandeira reflecte o buraco em que a Pátria está metida?
(publicado em O Carmo e a Trindade)


publicado por Jorge Ferreira às 17:25 | link do post | comentar

Sábado, 17.11.07
Fazia falta. Teve cartazes espalhados pela cidade. Vereador da edilidade. Aceitou o pelourito. En-costou. Chamaram-lhe Zé. Dão-se alvíssaras a quem der informações sobre paradeiro político.

(publicado n' O Carmo e a Trindade)


publicado por Jorge Ferreira às 00:05 | link do post | comentar

Quarta-feira, 14.11.07

(É preciso que o cavalo não vá além do trote...)
Lentamente tenho retomado as minhas obrigações quotidianas, após período de férias forçadas. Uma das que ainda continuavam por retomar era justamente a minha participação neste admirável e tão plural blogue. Ao dar uma vista de olhos pela jornalada entretanto publicada, deparei-me com esta pérola. T-R-I-N-T-A. Discordo do limite de trinta quilómetros hora, para eventual surpresa dos meus críticos relativamente às minhas observações sobre os radares de Lisboa. Sim, discordo. Proponho que nessas zonas se regresse aos tempos da carroça. Sempre é mais rústico, embora exija reforço do já de si depauperado pessoal de limpeza camarário, dada a inflação de bosta cavalar e burral que este regresso às origens não deixaria de comportar. Com o preço a que estão os combustíveis era até uma medida economicamente sadia para o bolso desses bombos da festa fiscais que são os automobilistas.
(publicado n' O Carmo e a Trindade)

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 16:09 | link do post | comentar

Segunda-feira, 24.09.07
Sobre a receita universal socialista para resolver problemas de despesa, ou seja, esganar os contribuintes sempre com mais impostos, agora em Lisboa, ver André Azevedo Alves, n' O Insurgente. Ou seja cada vez estamos todos a trabalhar mais para alimentar os vícios de cada vez menos gente. É o Estado de Direito Fiscal.
(publicado n' O Carmo e a Trindade)


publicado por Jorge Ferreira às 23:21 | link do post | comentar

Quarta-feira, 19.09.07
"A Câmara Municipal de Lisboa aprovou hoje o loteamento dos terrenos do antigo Estádio de Alvalade com os votos do PS, dos movimentos independentes, os votos contra do PCP e PSD e a abstenção do Bloco de Esquerda.". Leio na Lusa esta novidade e chego à conclusão que a frase do cartaz, afinal, era verdadeira. O Zé estava mesmo a fazer falta. Ao PS e ao Sporting.
(publicado em O Carmo e a Trindade)


publicado por Jorge Ferreira às 22:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 30.08.07
Caiu O Carmo e a Trindade. Por causa dos radares de Lisboa. Aqui e aqui.


publicado por Jorge Ferreira às 12:41 | link do post | comentar

Domingo, 15.07.07
(Tejo)

"Na simplicidade rústica do Piodão, o Rossio liberta-se das suas pombas turísticas, que afinal não voam e só servem para sujar o mosaico, do seu chafariz decorativo, fonte inútil que não lhe mata a sede, dos seus cafés ruidosos, onde não consegue esquecer as misérias; na Avenida da Liberdade, o Piodão despe o surrão, escapa-se da missa dominical, e chega a sentir-se janota e civilizado. O abismo não é, pois, intransponível.
Talvez mesmo que lá no fundo, no fundo da desavença, não haja senão sentimento de culpa comum, a mesma mágoa inconfessada de uma desgraça que atingiu toda a nação, mas que tem na capital o seu estigma indelével. Uma espécie de recalcamento freudiano que espera a sua hora de consciencialização.
Enamorado de si, morreu Narciso à beira de um regato onde se mirava. E as ninfas, compadecidas da sua desgraça, pediram aos deuses que o transformassem numa flor. Narcisos que fomos também um dia, esperava-nos um destino igual ao do filho de Céfiso. Lisboa é essa flor em que o destino nos transformou; o Tejo, o rio onde nos perdemos a contemplar a própria imagem."
Miguel Torga, sobre Lisboa, em "Portugal".
(publicado em O Carmo e a Trindade)

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:20 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 15.05.07
Dos Chocolates de Lisboa Ou Um Post à Miss Pearls, em O Carmo e a Trindade.

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 22:38 | link do post | comentar

Segunda-feira, 02.04.07

Calcorrear os bairros históricos de Lisboa podia ser um momento único. Um reencontro com a história de Lisboa. Um tempo agradável de contacto com a mística de Lisboa. Um roteiro de factos que foram fazendo Lisboa a pulso, à força de histórias de vida que tiveram o sortilégio de ganhar a eternidade. Mas não é. É uma experiência desgradável, de puro convívio com lixo, com buracos nos passeios e nas ruas e com um espaço urbano pouco preservado. Hoje aconteceu-me em Alfama e na Mouraria. Quem subisse a Rua dos Cavaleiros a partir do Martim Moniz dir-se-ia num subúrbio do terceiro mundo, tanto era o lixo na rua. As coisas não melhoravam para quem descesse pelo Largo da Severa e pela Rua do Capelão, para ver a casa onde nasceu Fernando Maurício e, em frente, a casa onde viveu Maria Severa Onofriana. A nossa cidade não é hoje, infelizmente, um espaço urbano de que nos possamos orgulhar. Andar nas suas ruas faz, por vezes, lembrar os célebres relatos de viagens de quem nos visitava e se escandalizava com a falta de higiene, com a porcaria nas ruas, com a imundície. Que diabo, onde páram os carros do lixo, as agulhetas de outrora? Apesar da eterna e invicta vaidade dos edis cuidar de assegurar sempre uma lápide para a posteridade.
(publicado em O Carmo e a Trindade)

tags:

publicado por Jorge Ferreira às 00:47 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.03.07
A deserção da candidata do CDS à CML nas últimas eleições autárquicas é apenas mais uma. Os eleitores de Lisboa (e não só) já estão habituados a assistir a este triste espectáculo de deserções políticas de quem não ganha as eleições mas a quem conferem um mandato. Por estas e por outras é que a credibilidade dos políticos é nula. Os partidos brincam com o voto, desrespeitam o voto, inutilizam o voto. E estes comportamentos são sempre mais chocantes quando as pessoas em causa têm a mania de exibir uma superioridade moral em relação aos demais, sabe-se lá por que graça genética, supostamente só ao alcance de iniciados. É o caso de Maria José Nogueira Pinto, cujo percurso na CML revela o pior do sistema.
PS - Já quanto à saída do CDS, seja bem-vinda ao clube. Escusava era de ter passado estes últimos anos a dizer mal de quem percebeu antes que pessoas com convicções e princípios já não tinham lugar naquele partido.

tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 10:19 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28.02.07

Dança das Cadeiras.

tags: ,

publicado por Jorge Ferreira às 17:00 | link do post | comentar

Segunda-feira, 05.02.07
Santana Lopes é contra eleições intercalares em Lisboa. Que o antigo Presidente da Camara queira submeter o seu amigo Carmona Rodrigues a uma tortura política até ao último segundo de mandato, até se percebe. Mas que não se importe de fazer o mesmo aos lisboetas é que já se lhe pode levar a mal.


publicado por Jorge Ferreira às 13:38 | link do post | comentar

Quarta-feira, 31.01.07

(Pompeia com Vesúvio ao fundo)

Só falta o Vesúvio e a sua erupção histórica para vivermos em Pompeia. Os últimos dias não são de sexo desregrado, mas de dissolução política dolorosa. Já dói olhar para tanta Praga Com ou Sem Parques. Entretanto, o Casino de Lisboa, a única coisa nova na cidade desde 2002, acaba de atribuir o maior jackpot da sua pequena história: 250.000 euros. Certamente uma ninharia para a roleta da política autárquica. Seguramente uma terminação na raspadinha da dívida municipal. O jogador, de 45 anos, pediu anonimato. Caça dotes, acautelem-se: peçam já uma escuta telefónica ao contemplado. Quiçá lhe conseguirão vender um T0, ou qualquer coisa, enfim, vender. Entretanto, apesar da tortura do labirinto das eternas obras do Metro no Saldanha, salva-se a Versalhes, cujos croquetes, pastéis de bacalhau e rissóis continuam iguais a si próprios. Do melhor.

(publicado em O Carmo e a Trindade)


publicado por Jorge Ferreira às 22:47 | link do post | comentar

Terça-feira, 30.01.07
Gostaria que alguém me explicasse o que é ser constituído arguido informalmente, se fizerem o obséquio. Como será? Entre uma bica e uma imperial? No corredor do DIAP? Na degustação de um pastel de bacalhau e de uma ginjinha na Tendinha? Alguém que me explique, por favor, que nos canhanhos do processo penal e respectivo Código não há meio de encontrar a figura, nem com recurso aos melhores indíces analíticos do mercado.


publicado por Jorge Ferreira às 19:41 | link do post | comentar

JORGE FERREIRA

tomarpartido@sapo.pt

visitantes em linha

English version by Google
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30



DESTAQUES




TAMBÉM ESTOU AQUI

Jorge Ferreira

Cria o Teu Crachá

Aveiro
Comunicar a direito
Democracia liberal
Diário de aveiro
Jorge ferreira
O carmo e a trindade
O templário
Terras de mármore
Tv net

O PARTIDO DOS AMIGOS

A cagarra
Alinhavos
Cão com pulgas
Eclético
Faccioso
Ilha da madeira
Fumaças
Mais actual
Meu rumo
Paris
Sobre o tempo que passa
Tubarão


OUTROS PARTIDOS

A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A gota de ran tan plan
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A regra do jogo
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arpão
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blogue real associação de lisboa
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Café Bar James Dean
Café da insónia
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Cegos mudos e surdos
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
Cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Despertar da mente
Direito de opinião
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

É curioso
É tudo gente morta
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estado sentido
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Falta de tempo
Filtragens
Fliscorno
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fúria dos dias

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hic et nunc
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
João Távora
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Largo das alterações
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Maioria simples
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Neorema
Nocturno
Nortadas
Notas formais
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O bom gigante
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Office lounging
Outra Margem
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Patriotas.info
Pau para toda a obra
Pedra aguda
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Revisões
Ricardo.pt
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Small brother
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Tenho dito
Teorias da cidade
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
There is a light never goes out
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

PARTIDOS DOS ALUNOS

Ao sul
As cobaias
Fados e companhia
O cheiro de santarém pela manhã
Platonismo político
Projecto comunicar

PARTIDOS DE ABRANTES

Abranteimas
Rua da sardinha
Torre de menagem

PARTIDOS DO ALGARVE

Mons cicus
Olhão livre
Tavira tem futuro
The best of lagos

PARTIDOS DE AVEIRO

A ilusão da visão
Academia de aveiro
Actas diárias
Amor e ócio
Arestália
Aveiro sempre
Bancada directa
Bancada norte
Blog de sergio loureiro
Botanabateira
Código da vivencia
Cogir
Debaixo dos arcos
Desporto aveiro
Divas e contrabaixos
Estados gerais
Forum azeméis
Já agora
Margem esquerda
Neo-liberalismo
Nós e os outros
Notas de aveiro
Notícias da aldeia
Noticias de ovar
Painéis de aveiro
Pontos soltos
Portal do beira-mar
4linhas
Quotidiano da miséria
7 meses
The sarcastic way
Visto de fora
Vouga

PARTIDOS DE OEIRAS

À rédea solta
Escrever sobre porto salvo
Eu sou o poli­ticopata
Oeiras local
Rememorar oeiras

PARTIDOS DE TOMAR

Alcatruzes da roda
Algures aqui
À descoberta de tomar
Charneca da peralva
Nabantia
Olalhas
Os cavaleiros guardiões de sta. maria do olival
Sondagem tomar
Tomar
Thomar vrbe
Tomar, a cidade
Tomar a dianteira
Vamos por aqui

PARTIDOS DE VILA VIÇOSA

A interpretação do tempo
Infocalipo
O restaurador da independencia
Tasca real

PARTIDOS POÉTICOS

Arrimar
Corte na aldeia
Forja de palavras
Linha de cabotagem (III)
Nimbypolis
O melhor amigo
Ofí­cio diário
Orgasmos dos sentidos

PARTIDOS DAS ÁGUIAS

A águia
A ilíada benfiquista
A mística benfiquista
Amo-te, benfica
Anti-anti-benfica
Benfiquistas desde pequeninos
Calcio rosso
Chama imensa
Diário de um adepto benfiquista
E isso me envaidece
E pluribus unum
Encarnados
Encarnado oriental
Encarnado e branco
Eterno benfica
Football dependent
Gloriosa fúria vermelha
Glorioso jornal
Gordo vai à baliza
Javardos benfiquistas
loucos pelo slb
Mágico slb
Mar vermelho
Memória gloriosa
Não se mencione o excremento
Novo benfica
O antitripa
O inferno da luz
O grémio benfiquista
Os nossos queridos jornalistas desportivos
País de corruptos
Quero a verdade
Ser benfiquista
Slbenfica - forever champions
Slblog
Tertúlia benfiquista
Um zero (1-0) basta
Vermelhovzky
Vedeta da bola
Vedeta ou marreta?
Velho estilo ultras
Vermelho à moda do porto

PARTIDOS DA BOLA

Cromo dos cromos

PARTIDOS DO DIREITO

Ab surdus
Assembleia de comarca
Blog de informação
Blog do dip
Cartilha jurídica
Cum grano salis
Direito na sociedade da informação
Dizpositivo
Elsa
Incursões
Iuris
Leituras oficiosas
Legalidade
Lex turistica nova
Mens agit molem
Notas constitucionais
O meu monte
Patologia social
Piti blawg
Ré em causa própria
Reforma da justiça
Rumo do direito
Santerna
Suo tempore
Trepalium
Urbaniuris
Vexata quaestio

PARTIDOS DA VIDA

Açores pelo não
Alentejo pelo não
(Des)conversas em família
Direito a viver
Évora pelo não
Fiat lux
Impensável
Jornal da família
Nebulado
Pela vida
Pelo não
Quero viver
Razões do não
Sinto a vida
Sou a favor da vida

PARTIDOS DA ARGENTINA

El opinador compulsivo

PARTIDOS DO BRASIL

Ação humana
Cronicas do joel
Depósito do maia

PARTIDOS DE ITÁLIA

Importanza dele parole

PARTIDOS DOS LIVROS

Blog do espaço de memória e do pátio das letras
D'outro tempo
Lerblog
Mundo pessoa

PARTIDOS DAS REVISTAS

Alameda digital
Leonardo, revista de filosofia portuguesa

PARTIDOS DA TAUROMAQUIA

Lides alentejanas
Toiradas

PARTIDOS DOS BLOGUES

aniversários de blogues
Blog do dia dn
Blogpatrol
Blogpulse
Blogsearch
Blogservatório
Blogs em lí­ngua portuguesa
Moblig
Orochi's blog
Sapo blogs
Technorati
Weblog

PARTIDOS DA POLÍTICA

Bloco de esquerda
Centro democrático social
Os verdes
Partido comunista português
Nova democracia
Partido social-democrata
Partido socialista


PARTIDOS DOS JOGOS OLÍMPICOS

Atenas 2004
Pequim 2008
Comité olí­mpico internacional
Comité olí­mpico de portugal

PARTIDOS DOS JORNALISTAS

a capital
Jornal do diabo
O comércio do porto



TAMBÉM JÁ ESTIVE AQUI
Blogue do não
Câmara de comuns
Eleições 2009
Nova vaga
Novo Rumo
O carmo e a trindade
O eleito
Olissipo
Ota não
Portal lisboa
RCP ONLINE
Semanário
Sportugal
Tomarpartido
ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags