Segunda-feira, 06.07.09

Imaginem esta notícia: um polícia baleou dois malandrins que se tinham posto em fuga após um assalto. Um já foi operado e o prognóstico é reservado. O outro já teve alta. O CDS já tinha chamado Rui Pereira ao Parlamento, o Bloco de Esquerda já teria apresentado um projecto-lei a prever a proibição do uso de armas pelos polícias e obrigação de realização de exames psicotécnicos de dois em dois meses. O PSD já teria dito, por intermédio de alguém (Aguiar Branco?...) que o Governo tinha perdido autoridade sobre os polícias por causa das manifestações. Como foi ao contrário da notícia imaginada, ou seja, foram os polícias que levaram os balázios, está tudo a caminho do Algarve... tudo caladinho! Afinal de contas, os polícias servem para isso mesmo, não é assim?...



publicado por Jorge Ferreira às 14:55 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Sábado, 16.05.09

"... dizia um dos delinquentes na televisão, como não arranjava emprego, via-se forçado a roubar caixas de multibanco. Ora, o nexo causal está invertido: tipos que roubam multibancos nunca arranjam emprego, porque ninguém está disposto a empregá-los. O desemprego é uma boa razão para usufruir uns subsídios do Estado, de estar em formação profissional ou ser apoiado pelo Banco Alimentar mas não para atacar gente pacífica, naturalmente."

Luís Campos e Cunha, no Público de ontem.



publicado por Jorge Ferreira às 01:17 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 28.03.09

O Governo está já tratar de trabalhar os números finais do Relatório de Segurança Interna de 2009, a apresentar em 2010. Destes 350 quantos ficaram efectivamente detidos? E não serão 70% devido a condução sem carta e com excesso de álcool? Quantos detidos estão relacionados com criminalidade violenta?



publicado por Jorge Ferreira às 17:22 | link do post | comentar

Quarta-feira, 25.03.09

Um cidadão vai ao correio. Enviar uma carta. À saída, azar dos Távoras, cruza-se com uns assaltantes que iam a entrar. Azar dos Távoras. Leva um tiro. Azar dos Távoras. E morre. Azar dos Távoras. Dos Távoras, não do Far West, que é onde, afinal, todos os portugueses passaram a viver. Entretanto, há vários meses que Portugal está sem ministro da Administração Interna. A última vez que foi visto foi a guerrear (também ele...) por uma cadeira em Cabo Verde. A qual, por azar dos Távoras, tinha uma jornalista lá sentada.

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 19:39 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Terça-feira, 17.03.09

Em Portugal existem mais seguranças privados do que agentes de forças policiais. O Relatório Anual de Segurança Privada de 2008, da responsabilidade do Ministério da Administração Interna refere que são mais de 61 mil as pessoas habilitadas a desempenhar a função, embora só cerca de 39 mil a tenham exercido no ano passado, ao passo que o somatório de efectivos da PSP e GNR ronda os 48 milhares. Isto mostra o falhanço do Estado nas suas funções essenciais. Uma delas é a segurança dos cidadãos. Quando os cidadãos têm de comprar segurança porque o Estado não consegue administrar os impostos que cobra de forma a cumprir as suas obrigações então tem de se concluir que o Estado falhou.



publicado por Jorge Ferreira às 09:30 | link do post | comentar

Sexta-feira, 13.03.09

José Sócrates continua imparável a fazer história: no mesmo dia em que o PS aprovou a futura lei do sal (os rissóis e os croquetes que se cuidem com estes desvairados socialistas...), sabe-se que a criminalidade, especialmente a violenta aumentou 10,7%, o maior aumento de década. É só história...

(Foto)



publicado por Jorge Ferreira às 16:24 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 11.03.09

"O problema não é de hoje, pois a literatura romana e até os papiros egípcios estão carregados de recriminações contra os "jovens de hoje, que já não querem trabalhar e até chegam a casa a horas proibitivas". O problema não é cultural, nem geracional, nem de género. O problema é o homem; o problema da violência é um antropema que se funda na profundidade das pessoas, que estimamos domesticadas, mas à primeira oportunidade dão largas à torrente de instintos primitivos que jamais valor algum conseguiu erradicar. A solução, bem entendido, preventiva ou punitiva, é sempre paliativa. Impedir uma criatura de violar, estrangular, roubar, queimar, torturar é tarefa vã dos policias, dos sociólogos, dos educadores e toda meia humanidade que profissionalmente se entrega a sarar ou evitar que a profundidade animal se instale. O que é elemento de toda a evidência é que as pessoas são perigosas e que se não sentirem, pendendo sobre as cabeças, a espada da retribuição dura, tentarão."

Miguel Castelo Branco, no Combustões.



publicado por Jorge Ferreira às 23:36 | link do post | comentar

Segunda-feira, 09.03.09

António Costa, ex-ministro da Administração Interna de José Sócrates e actual presidente da Camara de Lisboa decidiu pedir explicações ao actual ministro da Administração Interna de José Sócrates sobre as questões de segurança em Lisboa. Depois de um tiroteio "à Loures" nas Olaias, num bairro ironicamente chamado Portugal Novo, Costa já percebeu que só tem uma mínima chance de ganhar as eleições em Lisboa: ser oposição ao seu próprio Governo. Outra ironia. Sempre podia ter posto uma alínea sobre o assunto na moção de estratégia de Sócrates sobre o assunto da segurança. Ou descobriu agora que Lisboa é uma cidade com medo?



publicado por Jorge Ferreira às 20:05 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quinta-feira, 12.02.09

Em Portugal existe uma lei natural segundo a qual as autoridades não praticam, não podem praticar e jamais praticarão, evidentemente, crimes.

 «Escutas ilegais podem existir, mas de quem pratica crimes e não do lado das autoridades, como é evidente» , disse Maria José Morgado, em entrevista à SIC. Perguntinha simples. Por que é que é evidente?

Daí que levantar a mínima suspeita, admitir em tese a mínima hipótese, fazer uma pergunta a alguma autoridade que admita as duas respostas, seja considerado um insulto.



publicado por Jorge Ferreira às 12:53 | link do post | comentar

Segunda-feira, 26.01.09

O Governo mandou retirar 32 terminais multibanco dos tribunais para evitar atrair os ladrões. Vital Moreira, num excesso de zelo, ainda propõe mais. Esta medida abre pistas interessantes. Como retirar agencias bancárias dos passeios para evitar assaltos a bancos. Retirar os cidadãos das ruas para evitar assaltos a cidadãos. Retirar os carros das ruas para evitar o carjacking. Nem ao Governo nem a Vital Moreira ocorreu que a segurança nos tribunais é função essencial do Estado. O país está todo ao contrário.



publicado por Jorge Ferreira às 18:28 | link do post | comentar

Sexta-feira, 03.10.08

No momento em que o mundo inteiro tem a respiração suspensa de uma das cíclicas crises do sistema capitalista, e, por sinal, nem sequer das mais graves, o que tem servido para se ouvirem e lerem os maiores disparates sobre nacionalizações, colectivismo, liberalismo, mercado e outros conceitos que alguns proclamaram mortos com o precipitado funeral das ideologias, decidi preocupar-me com coisas sem importância.

 

Uma: os alunos da Escola de Música do conservatório Nacional têm aulas sentados no chão porque o director da Escola diz que não tem dinheiro para comprar cadeiras. A ministra diz que a Escola recebe não sei quantos milhões, o Director responde que o dinheiro não chega e assim vamos andando em pleno século XXI, no país das maravilhas do Magalhães, com alunos a ter aulas sentados no chão.

 

Duas: um toxicodependente entrou pela Direcção Central de Combate ao Banditismo da Polícia Judiciária adentro, em demanda de qualquer coisa que pudesse rapidamente vender para comprar droga. O homem, já cadastrado, entrou durante o último fim de semana, passeou pelo corredor e pelos gabinetes, consumiu uns pêssegos que jaziam numa secretário de um dos agentes e foi finalmente capturado, atarantado, aparentemente sem se ter sequer dado conta por onde havia demandado financiamento para o seu vício.

 

Três: bem sei que existe uma sanha identificadora dos beneficiários, mas a mim parece mais importante discutir a razão pela qual uma Câmara Municipal tem de ser proprietária de casas que não aquelas que se destinam a habitação social. Casas que atribui discricionariamente, aos amigos, aos clientes dos partidos, a quem muito bem entende lhe apetece, sem regras, sem critérios, sem transparência. No fundo, isto não passa de um saco de azul em espécie. Mas não. A quadrilhice só se importa em saber quem beneficiou do estratagema, perante o qual todos os responsáveis se pronunciam surpreendentemente com a maior das naturalidades, como se dispor a bel-prazer e sem prestar contas do dinheiro dos contribuintes fosse uma espécie de direito natural.

 

Quatro: a Câmara de Aveiro continua a liderar a classificação do campeonato nacional das autarquias incumpridoras, demorando 1980 dias a pagar as suas dívidas, em média, entenda-se. Perante isto, esperava-se que os responsáveis explicassem o que vão fazer para resolver este problema. Mas não. Discutem pormenores, sem se escandalizarem, como se fosse natural uma entidade pública demorar cerca de três anos para pagar aos seus fornecedores. O que faria a Câmara de Aveiro se um munícipe demorasse três anos para pagar uma taxa municipal?

 

Tudo isto, bem sei, são coisas sem importância no país dos Magalhães.

(publicado na edição de hoje do Diário de Aveiro)

 



publicado por Jorge Ferreira às 10:32 | link do post | comentar

Quinta-feira, 18.09.08

Na era do Plano Tecnológico, todos os sectores da vida social evoluíram tecnologicamente. Assim, depois das célebres mães de Bragança, passámos hoje aos bombistas de Tomar como meio de combate à prostituição...



publicado por Jorge Ferreira às 22:56 | link do post | comentar

Sexta-feira, 12.09.08

Há um ano entravam em vigor um novo Código de Processo Penal e um novo Código Penal à pressa. A pressa gerou suspeita. Ambos os diplomas contêm coisas boas e coisas más. O problema é que depressa e bem há pouco quem, diz o povo. E, definitivamente, o PS não pertence ao quem. O resultado é que perante o aumento da criminalidade violenta os mesmos ministros do mesmo ministro andam agora a fazer leis à pressa para remendar as coisas más e as coisas muito más, fazendo aquilo que o PS sempre criticou: fazer leis penas em função das circunstâncias.

 

Para cúmulo e porque a qualidade política do ministério é fraca, conseguem no entretanto abrir conflitos estúpidos e estéreis com Cavaco Silva por causa dos prazos do Presidente para exercer as suas competências. O ministério não aprendeu nada com o disparate do Verão passado. Antes pretende alargar a outros órgãos de soberania o método do desastre de legislar.

 

Eterno mistério será o de saber o que explica a pressa do Verão passado. Violenta realidade é aquela a que os portugueses estão sujeitos e também indefesos perante um poder político incompetente.

 

(publicado na edição de hoje do Democracia Liberal)

 

(Foto)

 



publicado por Jorge Ferreira às 00:57 | link do post | comentar

Terça-feira, 09.09.08

Depois dos tribunais chegou a vez das esquadras de polícia. Deixaram de existir sítios seguros em Portugal. Já nem numa esquadra de polícia um cidadão está ao abrigo da violência, da criminalidade e de um balázio. Que belo país este ...



publicado por Jorge Ferreira às 15:45 | link do post | comentar

Sexta-feira, 05.09.08

Para o ano há eleições. Então o Governo trata já do assunto e deixa que seja a realidade a ir elaborando o Orçamento para 2009. O impagável ministro Rui pereira anunciou que para o ano há mais dinheiro para as polícias. Com a segurança dos cidadãos tem-se brincado à vontade nos últimos anos. Mesmo o PSD e o CDS dos segredos brincaram com ela quando tiveram o poder. Agora com eleições não se brinca. O PS, pelo menos, não brinca.



publicado por Jorge Ferreira às 15:52 | link do post | comentar

Quinta-feira, 04.09.08

O país não sabe o que quer da prisão preventiva e o PS anda sem norte e está  completamente à deriva no que toca ao assunto. Ora alarga, ora restringe. Ora acha que há prisão preventiva a mais, ora acha que há prisão preventiva a menos. A política penal do Governo é um caos.



publicado por Jorge Ferreira às 15:28 | link do post | comentar

Quarta-feira, 03.09.08

O PS recusa privatizar funções secundárias do Estado, como as golden share que detém nalgumas empresas. Mas já aceita privatizar a segurança pública e a manutenção da ordem pública, que é uma função prioritária e fundamental do Estado. Há muito não se via tamanha confissão tácita de incapacidade política de quem governa o Estado para assegurar a ordem pública.



publicado por Jorge Ferreira às 15:16 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Em matéria penal, de segurança e de criminalidade Portugal tem vivido sob a tirania ideológica de vários complexos das esquerdas. Primeiro complexo: a eficácia policial é incompatível com os direitos dos cidadãos. Segundo complexo: os delinquentes são vítimas da sociedade e por isso não há que puni-los, porque em última instância é a sociedade a autora moral dos crimes. Terceiro complexo: não se pode mudar a legislação penal de acordo com as circunstâncias.
Para início de conversa numa “Coluna à Direita” seria difícil encontrar tema onde sejam mais visíveis as diferenças entre as direitas e as esquerdas do que a resposta política a dar ao problema da criminalidade. E tema, aliás, de enormíssima actualidade. O país tem vivido uma onda de violência sem precedentes, em grande parte como resultado de políticas policiais e penais erradas que têm sido aplicadas pelos Governos do PSD, do PS e com a prestimosa ajuda do CDS no Governo de Durão Barroso e Manuela Ferreira Leite.
À direita, onde confessadamente me situo, respondo aos complexos acima identificados da seguinte forma: defendo que as polícias que têm competências na área da investigação criminal, a PSP, a GNR e a PJ, devem ter a mesma tutela política; defendo que as penas aplicáveis aos crimes mais violentos devem ser agravadas; e defendo que que qualquer altura é boa para alterar as leis desde que a realidade o justifique.
Evidentemente que não espero que estas políticas sejam adoptadas em breve. As polícias estão depauperadas nos efectivos e diminuídas na sua autoridade. As polícias concorrem entre si e invejam-se quando deviam colaborar entre si e coordenarem-se.
Os penalistas descendentes de Jean Jacques Rousseau têm as sebentas feitas na base da ideia de que nascemos todos bonzinhos e que é a malandra da sociedade que nos estraga, eliminando qualquer noção de responsabilidade individual e, por arrasto, de culpa.
Os politicamente correctos que não sabem o que escrever mais sobre o assunto apressam-se a avisar que as leis não se devem mudar ao sabor das circunstâncias, esquecendo que todos os dias as leis mudam ao sabor das circunstâncias.
Resta a circunstância do país e essa circunstância é muito simples e deprimente: não há verdadeira liberdade sem segurança nas ruas. E Portugal não é hoje um país livre.

 

(Publicado no Portal Lisboa)



publicado por Jorge Ferreira às 00:04 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 30.08.08

A propaganda do Governo, devidamente acolitada pela RTP, decidiu pôr a polícia nas ruas a combater a criminalidade violenta que tem assolado o país nos últimos tempos, meses, semanas, dias. Vai daí conseguiu resultados verdadeiramente estrondosos: deteve 53 pessoas, 44 por condução sob o efeito de álcool, 5 por falta de habilitação legal para conduzir veículos, 2 por posse e tráfico de estupefacientes, 1 por posse ilegal de armas e outro por situação ilegal no país. Evidentemente que o país dormirá muito mais tranquilo e seguro hoje com tamanho sucesso securitário. Talvez que a primeira coisa que o Governo e o MAI estejam a necessitar neste momento seja mesmo de algum decoro. Que começaria por uma palavrinha de Sócrates sobre o assunto, se não fosse muito incómodo, claro...
 



publicado por Jorge Ferreira às 14:12 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Sexta-feira, 29.08.08

Todos já tínhamos percebido que a criminalidade violenta aumentou substancialmente. Para Rousseau a culpa era da sociedade. Para o tenente-general Carvalho a culpa é da comunicação social que dá as notícias. Eu digo que a culpa é, em primeira instância dos criminosos e em segunda instância do Estado que há muito se demitiu de investigar com eficácia e de punir com exemplaridade. Lamentavelmente esta não é uma "silly season", mas uma "season" bem real.



publicado por Jorge Ferreira às 17:32 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27.08.08

Antes de falar sobre a criminalidade violenta Cavaco Silva devia lembrar-se que foi Primeiro-Ministro dez anos. E devia, sobretudo, lembrar-se do que fez às polícias no seu tempo e no que fez ao Código Penal no seu tempo. Devia, por exemplo recordar-se da revisão do Código Penal de 1995, levada a efeito sob a batuta do seu ministro da Justiça, Laborinho Lúcio, em que as penas foram todas diminuídas, mesmo as de alguns crimes da moda. É que o estado da arte da criminalidade não começou com Rui Pereira. Começou há décadas, inspirado nas concepções dos penalistas de Coimbra, as quais estão para a criminalidade assim como as teorias pedagógicas em vigor no ministério da Educação estão para a degradação da autoridade nas escolas e para a diminuição dos conhecimentos dos alunos. Memória, precisa-se, Sr. Presidente.



publicado por Jorge Ferreira às 23:55 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18.07.08

Neste momento está a decorrer uma batalha campal entre ciganos, em Tomar em plena rua. De uma vez por todas ou o Governo percebe que tem de mudar de política e passar a actuar com mão firme em relação a quem põe em causa a segurança e a tranquilidade dos cidadãos ou isto ainda vai acabar mal.



publicado por Jorge Ferreira às 16:00 | link do post | comentar

O Estado não prevê nem governa. Remedeia e só põe trancas à porta depois da casa arrombada. De vez em quando o país percebe que vive num barril de pólvora. Acorda-se um dia e descobre-se que existem 1,4 milhões de armas ilegais, muitas delas de guerra. Nos últimos tempos, a criminalidade refinou. Ao famigerado “carjacking” juntou-se o tiroteio a céu aberto entre grupos e homicídios à siciliana. Só depois chega a polícia, só depois o Governo descobre que há que tomar medidas, só depois a oposição decide chamar os ministros ao Parlamento.

 

 

Nos idos de 1996, era eu deputado do Partido Popular por Lisboa, tive ocasião de ter uma reunião com Demétrio Alves, então presidente da Câmara de Loures, em que critiquei o erro que estava a ser cometido em Loures em matéria de realojamento e de bairros sociais. Estava então em voga um gravíssimo problema na Quinta do Mocho, onde a polícia na altura me garantia que não entrava pela simples razão que não sabia o que ia encontrar. Havia certamente armas, havia disparos nocturnos, havia mortos, mas não havia funerais, havia esgotos a escorrer pelas paredes dos prédios com a construção embargada mas que haviam sido invadidos por imigrantes que trabalhavam nas obras da Expo e que até na caixa dos elevadores tinham conseguido atamancar simulações de habitação.

 

 

O medo e insegurança sentido por moradores da Quinta da Fonte foi sinalizado há mais de um ano num estudo do Observatório da Imigração, que alertava para a necessidade de intervir num bairro que se tornou «um monstro de problemas».

Construído há 14 anos para realojar no máximo 130 famílias, a Quinta da Fonte, em Loures, acolhe mais de 500 famílias oriundas de bairros de barracas com graves problemas sociais e económicos. A maioria dos moradores realojados é de etnia cigana ou imigrantes africanos.

«O bairro aparece como tendo de facto muitos problemas, nomeadamente insegurança, carências económicas e sociais das famílias e jovens e vários conflitos de vizinhança» é uma das conclusões do estudo do Observatório da Imigração divulgado em Março do ano passado.

Segundo os investigadores da Universidade Católica de Lisboa, a ideia de insegurança aparece associada ao «insuficiente policiamento face à criminalidade verificada e a alguns conflitos de vizinhança».

O estudo alertou para a existência de pequenos conflitos e necessidade de as autoridades actuarem no bairro, uma vez que «os riscos de agravamento das condutas desviantes, dos conflitos e da criminalidade grupal são significativos e requerem o desenho de estratégias preventivas e a sua implementação». Outro dos «factores gerador de conflitos e tensões» detectados pelos investigadores prendia-se com a «dimensão excessiva do bairro».

O realojamento foi feito de forma atabalhoada ignorando as preferências dos novos moradores e sem «ponderar a questão de colocar pessoas com diferentes culturas e modos de estar a viver no mesmo prédio».

O estudo revela também que responsáveis autárquicos admitiam que tinha havido «a necessidade de inserir as pessoas em casa o mais rapidamente possível». Resultado: hoje «não há um prédio só de ciganos ou só de africanos, há uma junção das pessoas" e isso causa muitos problemas de vizinhança».O realojamento transformou a Quinta da Fonte «num barril de pólvora e foco de constantes conflitos e tensões».

Num bairro onde não existem creches nem centros de actividades de tempos livres, é na rua que os mais novos passam o tempo enquanto os pais estão a trabalhar. A rua substitui a família, o que coloca a população juvenil numa situação de risco. Há elevadas taxas de insucesso, abandono e desqualificação escolar dos jovens do bairro, o que contribui para a potenciação de conflitos e tensões. Trata-se de um “gueto”, geograficamente afastado do centro da freguesia e de um grande centro urbano, impedindo a socialização dos mais jovens com outros espaços que não o universo concentracionário onde moram.

«Se não se combater a estigmatização de espaços e grupos, reforçar as medidas de segurança preventiva e melhorar os processos de sociabilização existentes através de acções interinstitucionais que possibilitem o acompanhamento dos jovens e das famílias desde idades muito precoces, existem riscos não negligenciáveis de generalização e aumento da frequência do vandalismo e dos conflitos», conclui o estudo.

«Adicionalmente, a falta de acompanhamento e de apresentação de alternativas para os jovens acabará, inevitavelmente, por conduzir alguns destes à criminalidade adulta, necessariamente mais grave e violenta».

Intitulado «Espaços e Expressões de Conflito e Tensão entre Autóctones, Minorias Migrantes e Não Migrantes na Área Metropolitana de Lisboa», o estudo foi coordenado por Jorge Macaísta Malheiros e Manuela Mendes. Está lá tudo o que as autoridades precisavam de saber para fazer alguma coisa antes. Mas não. O Governo não lê relatórios. Numa palavra: quem vier atrás, que feche a porta.

(publicado na edição de hoje do Semanário)



publicado por Jorge Ferreira às 15:54 | link do post | comentar

Quinta-feira, 17.07.08

Segundo a PSP existem 1,4 milhões de armas ilegais em Portugal, incluindo armas de guerra provenientes do mercado negro do leste europeu. O país parece ter acordado para esta realidade com a democratização dos tiroteios a que tem assistido, desde as noites do Porto aos bairros das Quintas de Loures, passando por esquadras da GNR. Evidentemente que o PS está mais preocupado com as causas fracturantes. Ah valentes!



publicado por Jorge Ferreira às 11:36 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Segunda-feira, 14.07.08

A governadora civil de Lisboa, Dalila Araújo, afirmou hoje que será dado "tempo às partes para se acalmarem", para que a "tranquilidade" regresse o mais breve possível ao bairro da Quinta da Fonte. É uma santa esta senhora. E quem trata dos nervos dos pacatos cidadãos que são vítimas desta violência? Quem dispara tem tempo para se acalmar. Quem vive aterrorizado com a violência descontrolada nem o direito aos nervos tem. É assim a sociedade integracionista politicamente correcta.



publicado por Jorge Ferreira às 20:27 | link do post | comentar

Jerónimo de Sousa, amnésico, pede uma política de integração para eviatr o far west de Loures. Jerónimo queixa-se da política de integração do PC em Loures, que deu os resultados que estão à vista. Esá visto que Jerónimo decidiu enveredar pela auto-crítica.



publicado por Jorge Ferreira às 20:21 | link do post | comentar

Comentário do Jose Barão das Neves a propósito do far-west de Loures:

 

"Já agora convém recordar que este bairro é o resultado da politica de habitação social da CM de Loures, "comandada" pelo Sr. Demétrio Alves! Lembram-se? Ah! E já agora convém recordar que esta mesma politica foi em 1996 fortemente criticada por mim e pelo signatário deste blog numa audiência que o então presidente nos concedeu. Depois vieram os cartões de crédito e outros casos "menores" e este senhor desapareceu."

 

Bem lembrado.

 

(Demétrio Alves)



publicado por Jorge Ferreira às 15:49 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Sábado, 12.07.08

O tiroteio de Loures foi uma coisa nunca vista por cá. Mostra a gravidade subterranea da criminalidade em Portugal, mas mostra também como se degradou o potencial dissuasor das forças de segurança e da autoridade do Estado. Um tiroteio destes, em pleno dia, num grande centro urbano reconduz-nos aos filmes de cow boys do oeste americano ou então, consoante o gosto aos lendários ajustes de contas sicilianos. Exige-se uma resposta forte e eficaz das polícias, coisa em que, como se sabe, o PS costuma fraquejar.



publicado por Jorge Ferreira às 13:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sexta-feira, 27.06.08

Pelo menos 16 tribunais em todo o país registaram casos recentes de violência, segundo dados da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP). Depois de ter acordado para a realidade da violência escolar, o país apresta-se a acordar, devagarinho, é certo, que está muito calor, para a violência judiciária. O Governo, deixem-me adivinhar, dirá que são casos isolados que não retractam a realidade. Desvalorizará, como fez com o inenarrável episódio da Sta. Maria da Feira. Aos juízes apenas apelo que não deixem de julgar. Ao poder político digo que se continuam a assobiar para o lado ainda se tramam.



publicado por Jorge Ferreira às 12:47 | link do post | comentar

Quinta-feira, 06.03.08
Não são leis nem estatísticas que combatem o crime. São os polícias. Mais uma vez, Sócrates trocou-se e sempre vai haver mais polícias.


publicado por Jorge Ferreira às 01:24 | link do post | comentar

Quarta-feira, 05.03.08
A criminalidade baixou em 2007, lembra-nos oportunamente a manchete do Diário de Notícias. E eu acrescentaria: a criminalidade hoje também baixou em relação aos primeiros dois meses deste ano. Já são 13 horas e 40 minutos e ainda não há notícia de nenhum homicídio.


publicado por Jorge Ferreira às 13:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Terça-feira, 04.03.08
A Polícia diz que há uma hipótese do segurança do Colombo se ter suicidado com três facadas no peito. É uma nova figura contemporânea: o suicida masoquista.


publicado por Jorge Ferreira às 23:18 | link do post | comentar

Numa semana, seis mortos a tiro em Portugal. Parece a Sicília. Ou Chicago. Como podem as autoridades dizer o que estão a dizer, designadamente aquele clássico destes momentos, que Portugal é um país onde apesar de tudo há menos mortos que nos outros? A isto chama-se pura idiotice burocrática. Rui Pereira e Santos Silva levam a dianteira do disparate.
ACTUALIZAÇÃO: um segurança foi hoje morto, esfaqueado, no Centro Comercial Colombo. E vão sete em semana e meia. Mas, claro está, as estatísticas dizem-nos que somos um país seguro.


publicado por Jorge Ferreira às 13:29 | link do post | comentar

Quarta-feira, 26.12.07
É o que Rui Pereira deve pensar que se passa em Portugal. Cada cavadela sua minhoca. A onda de criminalidade recentemente verificada no Porto é um "caso particular", diz o preclaro ministro, que não aqueceu lugar como juiz constitucional mas pretende aquecê-lo como MAI. Vai toda uma sociologia nesta concepção. Toda a criminalidade é um caso particular entre alguém e alguém. Alguma revela, porém, uma particularidade desastrosa. Faz mortos. Que são, sem dúvida, mortos particulares. Talvez pôr uma polícia particular a tratar disto. Se calhar temos é um ministro particularmente particular. O ministro só se preocupará, está visto, quando estas particularidades tiverem uma equilibrada distribuição por todo o território nacional.


publicado por Jorge Ferreira às 10:35 | link do post | comentar

Quarta-feira, 22.08.07
Sobre a notícia de Agosto, o ministro da Administração Interna, o tal, lembram-se?, que esteve uns dias eleito juiz do Tribunal Constitucional e correu a um estalar de dedos de José Sócrates rumo à vaga do ministério, veio defender a actuação da GNR no assalto à herdade da Lameira, em Silves, pelos bandidos do eco-terrorismo, dizendo que "não era legalmente admissível detê-los logo, porque era um crime semi-público” e que “era necessário ser apresentada uma queixa” (SIC). Isto é, para o preclaro ministro, não se aplica o regime do flagrante delito nos crimes semi-públicos e particulares! Sucede que o ministro é mais do que ministro. É jurista. E é mais do que jurista. É penalista. Logo, deve conhecer o regime jurídico do dito flagrante delito. Até um cidadão pode deter em flagrante delito, outro cidadão se não estiver autoridade pública por perto (devendo de imediato entregar o delitante à autoridade mais próxima). A GNR, já se sabe, ignora a existência do flagrante delito. Mas o ministro... É Agosto, é Verão, é PS.


publicado por Jorge Ferreira às 11:16 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Segunda-feira, 20.08.07
Segundo o Diário de Notícias de hoje, o mesmo Estado que abdicou da ordem pública, financia o alforge dos bandidos que vandalizam a propriedade privada. Ao menos o Estado é coerente. Se os paga, não os prende. Claro que o que se impõe é mudar de Estado. Como tal tarefa parece ciclópica, o melhor é mudar quem manda no Estado.


publicado por Jorge Ferreira às 14:59 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Bandidos mascarados destruíram a semana passada uma propriedade privada em Silves, perante a passividade policial. O resto é acessório. O PREC está de volta. No cinema e na vida real. Agora foi o milho transgénico, amanhã poderá ser outra coisa qualquer. O mais está dito por Tiago Barbosa Ribeiro, no Kontratempos, entre muitos outros.


publicado por Jorge Ferreira às 13:48 | link do post | comentar

Domingo, 18.03.07
O rendimento mínimo garantido ou rendimento social de inserção, ou chamem-lhe lá o que quiserem, agora financia a pura delinquência. Assim é que é reinserção social à séria ...


publicado por Jorge Ferreira às 21:33 | link do post | comentar

JORGE FERREIRA

tomarpartido@sapo.pt

visitantes em linha

English version by Google
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

2
3
4
5
6
7

8
9

20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30



DESTAQUES




TAMBÉM ESTOU AQUI

Jorge Ferreira

Cria o Teu Crachá

Aveiro
Comunicar a direito
Democracia liberal
Diário de aveiro
Jorge ferreira
O carmo e a trindade
O templário
Terras de mármore
Tv net

O PARTIDO DOS AMIGOS

A cagarra
Alinhavos
Cão com pulgas
Eclético
Faccioso
Ilha da madeira
Fumaças
Mais actual
Meu rumo
Paris
Sobre o tempo que passa
Tubarão


OUTROS PARTIDOS

A arte da fuga
A barbearia do senhor luís
A casa de sarto
A casa dos comuns
A caveira vesga
A caverna obscura
A civilização do espectáculo
A destreza das dúvidas
A educação do meu umbigo
A gota de ran tan plan
A grande alface
A janela do ocaso
A natureza do mal
A origem das espécies
A outra varinha mágica
A regra do jogo
A revolta das palavras
a ritinha
A terceira noite
A textura do texto
A voz do povo
A voz nacional
A voz portalegrense
As escolhas do beijokense
As penas do flamingo
Abrigo de pastora
Abrupto
Às duas por três
Activismo de sofá
Admirável mundo novo
Adufe
Água leve
Água lisa
Alcabrozes
Alianças
Aliança nacional
Almocreve das petas
Apdeites v2
Arcadia
Arde lua
Arpão
Arrastão
Aspirina b
Atuleirus
Avatares de um desejo

Bar do moe, nº 133
Blasfémias
Bem haja
Berra-boi
Bic laranja
Bicho carpinteiro
Binoculista
Bissapa
Blogo social português
Blogotinha
Blogs e política
Blogue de direita
Blogue da sedes
Blogue real associação de lisboa
Blue lounge
Boca de incêndio
Boina frígia
Braga blog
Branco no branco
Busturenga

Cabalas
Café Bar James Dean
Café da insónia
Caixa de petri
Caixa de pregos
Câmara corporativa
Campos da várzea
Canhoto
Carreira da í­ndia
Causa liberal
Causa nossa
Cegos mudos e surdos
Centenário da república
Centurião
Certas divergencias
Chá preto
Charquinho
Cibertúlia
Cinco dias
Classe polí­tica
Clube das repúblicas mortas
Clube dos pensadores
Cobrador da persia
Combustões
Confidências
Congeminações
Contingências
Controversa maresia
Corta-fitas
Crónicas d'escárnio e mal dizer

Da condição humana
Da literatura
Da rússia
Dar à tramela
Dass
De vexa atentamente
Der terrorist
Delito de opinião
Desconcertante
Desesperada esperança
Despertar da mente
Direito de opinião
Do portugal profundo
Dois dedos de prosa e poesia
Dolo eventual
Duas cidades
Duas ou três coisas
2 rosas

É curioso
É tudo gente morta
e-konoklasta
Em 2711
Elba everywhere
Em directo
Encapuzado extrovertido
Entre as brumas da memória
Enzima
Ephemera
Esmaltes e jóias
Esquissos
Estado sentido
Estrago da nação
Estudos sobre o comunismo
Espumadamente
Eternas saudades do futuro

Falta de tempo
Filtragens
Fliscorno
Fôguetabraze
Foram-se os anéis
Fúria dos dias

Gajo dos abraços
Galo verde
Gazeta da restavração
Geometria do abismo
Geração de 80
Geração de 60
Geração rasca
Gonio
Governo sombra

Há normal?!
Herdeiro de aécio?!
Hic et nunc
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos
Homem ao mar

In concreto
Ideal social
Ideias soltas
Ilusão
Império lusitano
Impressões de um boticário de província
Insinuações
Inspector x
Intimista

Jacarandá
Janelar
Jantar das quartas
João Távora
Jornal dos media
José antónio barreiros
José maria martins
Jose vacondeus
Judaic kehillah of portugal - or ahayim
Jugular
Julgamento público

Kontrastes

La force des choses
Ladrões de bicicletas
Largo da memória
Largo das alterações
Latitude 40
Liblog
Lisbon photos
Lobi do chá
Loja de ideias
Lusitana antiga liberdade
Lusofin

Ma-schamba
Macroscópio
Maioria simples
Maquiavel & j.b.
Margem esquerda
Margens de erro
Mar salgado
Mas certamente que sim!
Mau tempo no canil
Memória virtual
Memórias para o futuro
Metafísica do esquecimento
Miguel teixeira
Miniscente
Minoria ruidosa
Minudencias
Miss pearls
Moengas
Movimento douro litoral
Mundo disparatado
Mundus cultus
My guide to your galaxy

Não há pachorra
Não não e não
Nem tanto ao mar
Neorema
Nocturno
Nortadas
Notas formais
Notícias da aldeia
Nova floresta
Nova frente
Num lugar à direita
Nunca mais

O afilhado
O amor nos tempos da blogosfera
O andarilho
O anónimo
O bico de gás
O bom gigante
O cachimbo de magritte
O condomínio privado
O contradito
O diplomata
O duro das lamentações
O espelho mágico
O estado do tempo
O eu politico
O insubmisso
O insurgente
O islamismo na europa
O jansenista
O jumento
O observador
O país do burro
O país relativo
O pasquim da reacção
O pequeno mundo
O pravda ilhéu
O principe
O privilégio dos caminhos
O profano
O reaccionário
O saudosista
O severo
O sexo dos anjos
O sinaleiro da areaosa
O tempo das cerejas
O universo é uma casca de noz
Os convencidos da vida
Os veencidos da vida
Obrigado sá pinto
Oceano das palavras
Office lounging
Outra Margem
Outubro

Palavra aberta
Palavrussaurus rex
Pangeia
Papa myzena
Patriotas.info
Pau para toda a obra
Pedra aguda
Pedro_nunes_no_mundo
Pedro rolo duarte
Pedro santana lopes
Pena e espada
Perguntar não ofende
Planetas politik
Planí­cie heróica
Playbekx
Pleitos, apostilas e comentários
Politeia
Política pura e dura
Polí­tica xix
Polí­tica de choque
Politicazinha
Politikae
Polvorosa
Porcausasemodivelas
Porto das pipas
Portugal dos pequeninos
Por tu graal
Povo de bahá
Praça da república em beja
Publicista

Quarta república

Registo civil
Relações internacionais
Retalhos de edith
Retórica
Retorno
Reverentia
Revisões
Ricardo.pt
Risco contínuo
Road book
Rua da judiaria

Salvaterra é fixe
Sem filtro
Sempre a produzir
Sentidos da vida
Serra mãe
Sete vidas como os gatos
Small brother
Sociedade aberta
Sociologando
Sorumbático
Sou contra a corrente
Super flumina

Táxi
Tempo político
Tenho dito
Teorias da cidade
Tese & antítese
Tesourinhos deprimentes
There is a light never goes out
Tirem-me daqui
Tralapraki
Transcendente
Tribuna
31 da armada
Tristeza sob investigação
Triunfo da razão
Trova do vento que passa

Último reduto
Um por todos todos por um

Vale a pena lutar
Vasco campilho
Velocidade de cruzeiro
Viagens no meu sofá
Vida das coisas
Vento sueste
Voz do deserto

Welcome to elsinore

Xatoo

Zarp blog

PARTIDOS DOS ALUNOS

Ao sul
As cobaias
Fados e companhia
O cheiro de santarém pela manhã
Platonismo político
Projecto comunicar

PARTIDOS DE ABRANTES

Abranteimas
Rua da sardinha
Torre de menagem

PARTIDOS DO ALGARVE

Mons cicus
Olhão livre
Tavira tem futuro
The best of lagos

PARTIDOS DE AVEIRO

A ilusão da visão
Academia de aveiro
Actas diárias
Amor e ócio
Arestália
Aveiro sempre
Bancada directa
Bancada norte
Blog de sergio loureiro
Botanabateira
Código da vivencia
Cogir
Debaixo dos arcos
Desporto aveiro
Divas e contrabaixos
Estados gerais
Forum azeméis
Já agora
Margem esquerda
Neo-liberalismo
Nós e os outros
Notas de aveiro
Notícias da aldeia
Noticias de ovar
Painéis de aveiro
Pontos soltos
Portal do beira-mar
4linhas
Quotidiano da miséria
7 meses
The sarcastic way
Visto de fora
Vouga

PARTIDOS DE OEIRAS

À rédea solta
Escrever sobre porto salvo
Eu sou o poli­ticopata
Oeiras local
Rememorar oeiras

PARTIDOS DE TOMAR

Alcatruzes da roda
Algures aqui
À descoberta de tomar
Charneca da peralva
Nabantia
Olalhas
Os cavaleiros guardiões de sta. maria do olival
Sondagem tomar
Tomar
Thomar vrbe
Tomar, a cidade
Tomar a dianteira
Vamos por aqui

PARTIDOS DE VILA VIÇOSA

A interpretação do tempo
Infocalipo
O restaurador da independencia
Tasca real

PARTIDOS POÉTICOS

Arrimar
Corte na aldeia
Forja de palavras
Linha de cabotagem (III)
Nimbypolis
O melhor amigo
Ofí­cio diário
Orgasmos dos sentidos

PARTIDOS DAS ÁGUIAS

A águia
A ilíada benfiquista
A mística benfiquista
Amo-te, benfica
Anti-anti-benfica
Benfiquistas desde pequeninos
Calcio rosso
Chama imensa
Diário de um adepto benfiquista
E isso me envaidece
E pluribus unum
Encarnados
Encarnado oriental
Encarnado e branco
Eterno benfica
Football dependent
Gloriosa fúria vermelha
Glorioso jornal
Gordo vai à baliza
Javardos benfiquistas
loucos pelo slb
Mágico slb
Mar vermelho
Memória gloriosa
Não se mencione o excremento
Novo benfica
O antitripa
O inferno da luz
O grémio benfiquista
Os nossos queridos jornalistas desportivos
País de corruptos
Quero a verdade
Ser benfiquista
Slbenfica - forever champions
Slblog
Tertúlia benfiquista
Um zero (1-0) basta
Vermelhovzky
Vedeta da bola
Vedeta ou marreta?
Velho estilo ultras
Vermelho à moda do porto

PARTIDOS DA BOLA

Cromo dos cromos

PARTIDOS DO DIREITO

Ab surdus
Assembleia de comarca
Blog de informação
Blog do dip
Cartilha jurídica
Cum grano salis
Direito na sociedade da informação
Dizpositivo
Elsa
Incursões
Iuris
Leituras oficiosas
Legalidade
Lex turistica nova
Mens agit molem
Notas constitucionais
O meu monte
Patologia social
Piti blawg
Ré em causa própria
Reforma da justiça
Rumo do direito
Santerna
Suo tempore
Trepalium
Urbaniuris
Vexata quaestio

PARTIDOS DA VIDA

Açores pelo não
Alentejo pelo não
(Des)conversas em família
Direito a viver
Évora pelo não
Fiat lux
Impensável
Jornal da família
Nebulado
Pela vida
Pelo não
Quero viver
Razões do não
Sinto a vida
Sou a favor da vida

PARTIDOS DA ARGENTINA

El opinador compulsivo

PARTIDOS DO BRASIL

Ação humana
Cronicas do joel
Depósito do maia

PARTIDOS DE ITÁLIA

Importanza dele parole

PARTIDOS DOS LIVROS

Blog do espaço de memória e do pátio das letras
D'outro tempo
Lerblog
Mundo pessoa

PARTIDOS DAS REVISTAS

Alameda digital
Leonardo, revista de filosofia portuguesa

PARTIDOS DA TAUROMAQUIA

Lides alentejanas
Toiradas

PARTIDOS DOS BLOGUES

aniversários de blogues
Blog do dia dn
Blogpatrol
Blogpulse
Blogsearch
Blogservatório
Blogs em lí­ngua portuguesa
Moblig
Orochi's blog
Sapo blogs
Technorati
Weblog

PARTIDOS DA POLÍTICA

Bloco de esquerda
Centro democrático social
Os verdes
Partido comunista português
Nova democracia
Partido social-democrata
Partido socialista


PARTIDOS DOS JOGOS OLÍMPICOS

Atenas 2004
Pequim 2008
Comité olí­mpico internacional
Comité olí­mpico de portugal

PARTIDOS DOS JORNALISTAS

a capital
Jornal do diabo
O comércio do porto



TAMBÉM JÁ ESTIVE AQUI
Blogue do não
Câmara de comuns
Eleições 2009
Nova vaga
Novo Rumo
O carmo e a trindade
O eleito
Olissipo
Ota não
Portal lisboa
RCP ONLINE
Semanário
Sportugal
Tomarpartido
ARQUIVOS

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

subscrever feeds
tags

efemérides(867)

borda d'água(850)

blogues(777)

josé sócrates(537)

ps(339)

psd(221)

cavaco silva(199)

pessoal(182)

justiça(180)

educação(150)

comunicação social(139)

política(137)

cds(126)

crise(121)

desporto(120)

cml(116)

futebol(111)

homónimos(110)

benfica(109)

governo(106)

união europeia(105)

corrupção(96)

freeport de alcochete(96)

pcp(93)

legislativas 2009(77)

direito(71)

nova democracia(70)

economia(68)

estado(66)

portugal(66)

livros(62)

aborto(60)

aveiro(60)

ota(59)

impostos(58)

bancos(55)

luís filipe menezes(55)

referendo europeu(54)

bloco de esquerda(51)

madeira(51)

manuela ferreira leite(51)

assembleia da república(50)

tomar(49)

ministério público(48)

europeias 2009(47)

autárquicas 2009(45)

pessoas(45)

tabaco(44)

paulo portas(43)

sindicatos(41)

despesa pública(40)

criminalidade(38)

eua(38)

santana lopes(38)

debate mensal(37)

lisboa(35)

tvnet(35)

farc(33)

mário lino(33)

teixeira dos santos(33)

financiamento partidário(32)

manuel monteiro(32)

marques mendes(30)

polícias(30)

bloco central(29)

partidos políticos(29)

alberto joão jardim(28)

autarquias(28)

orçamento do estado(28)

vital moreira(28)

sociedade(27)

terrorismo(27)

antónio costa(26)

universidade independente(26)

durão barroso(25)

homossexuais(25)

inquéritos parlamentares(25)

irlanda(25)

esquerda(24)

f. c. porto(24)

manuel alegre(24)

carmona rodrigues(23)

desemprego(23)

direita(23)

elites de portugal(23)

natal(23)

referendo(23)

apito dourado(22)

recordar é viver(22)

banco de portugal(21)

combustíveis(21)

música(21)

pinto monteiro(21)

bcp(20)

constituição(20)

liberdade(20)

saúde(19)

augusto santos silva(18)

cia(18)

luís amado(18)

todas as tags